Flores para quem já partiu

| 2 Nov 18

A atmosfera é pacífica, tranquila. No dia de 2 de Novembro, dia dos Fiéis Defuntos na liturgia católica, no Cemitério dos Prazeres, um dos mais importantes de Lisboa, há flores frescas sobre algumas campas e à porta de jazigos que são a última casa para muitos que já partiram.

Durante toda a manhã, entram visitantes, sobretudo idosos, transportando ramos de flores. Alguns fazem-se acompanhar por amigos ou familiares, outros chegam sozinhos. Perguntados acerca das razões de ali estarem, preferem não falar. “Aí está: hoje a morte é tabu, mais: vivemos numa sociedade assente sobre o tabu da morte, tendo nele o seu fundamento. Da morte não se fala”, escrevia o padre Anselmo Borges, sábado passado, no Diário de Notícias.

As pessoas dirigem-se aos jazigos de família para limpar, lembrar quem ali está e recolher-se em alguns momentos de oração. Num cemitério em que muitos dos túmulos têm vista para a ponte 25 de Abril, há mais campas embelezadas do que jazigos, possivelmente tendo em conta a morte mais recente.

Outros chegam ao local apenas com mapas da cidade na mão. O cemitério, imponente, um marco do bairro de Campo de Ourique, encontra-se referenciado em vários guias turísticos, convidando os visitantes a “enterrar percepções mórbidas”e aventurar-se por este “museu a céu aberto”.

Erguido em 1833 pela necessidade de criar grandes cemitérios, depois de um surto de cólera ter atingido a cidade de Lisboa, este é o segundo maior cemitério da capital, a seguir ao do Alto de São João (que data do mesmo ano).

Hoje, é também casa para outros seres vivos: às dezenas, passeiam gatos entre os jazigos, dormindo em campas com flores ou descansando perto de mausoléus. Pouco incomodados pelo movimento à sua volta, encontram conforto na serenidade que o cemitério transmite.

“Que é morrer
senão erguer-se nu ao vento
e fundir-se com o sol?

– Gostaríeis de conhecer o segredo da Morte!
Mas como o encontrareis,
a não ser que o busqueis 
no coração da vida?
Se verdadeiramente quereis contemplar
o espírito da morte,
abri de par em par o vosso coração
ao corpo da vida.
Porque a vida e a morte
são uma só coisa,
como são uma só coisa 
o rio e o mar.”

Khalil Gibran, O Profeta (excertos)

Breves

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Fale connosco