Líbano: O que acontece quando explode a capital de uma nação que já estava à beira do colapso?

| 5 Ago 20

crianca libano, Foto_ Save the Children

“Vamos começar a ver crianças a morrer de fome antes do final do ano”, alerta o diretor da organização Save the Children no Líbano. Foto: Save the Children.

 

“Apocalíptico” será talvez o melhor adjetivo para definir o cenário que se vive atualmente em Beirute. Num país que já se encontrava devastado pela pior crise financeira de sempre desde a guerra civil de 1975-1990, exacerbada pela pandemia de coronavírus, as duas grandes explosões que arrasaram parte da capital libanesa esta terça-feira, 4 de agosto, foram um duro golpe. Os relatos que chegam das organizações católicas e de ajuda humanitária no terreno são unânimes: a crise é tão profunda, que neste momento estão a trabalhar “não para combater a pobreza, mas para salvar vidas”.

“Este acidente não poderia ter acontecido num pior momento. Atingiu as comunidades que já estavam a sofrer com o impacto da crise da covid-19 e da crise económica. O principal porto de Beirute, agora completamente danificado, é vital para boa parte dos alimentos, dos cereais e combustível que o Líbano importa, e as famílias em breve sofrerão com a escassez de necessidades básicas devido a esta tragédia”, alerta Jad Sakr, diretor da organização Save the Children no Líbano, citado pelo Vatican News.

Os escritórios da organização em Beirute, a cerca de cinco quilómetros do porto, foram seriamente danificados pela explosão, que abalou o prédio e destruiu as fachadas das lojas do bairro. Apesar disso, a Save the Children garante que a sua equipa de resposta rápida está pronta para apoiar o Governo nos próximos dias. “O número real de mortes ainda não é conhecido, mas o que sabemos é que num desastre como este o impacto nas crianças pode ser devastador: elas podem estar feridas, chocadas e separadas dos seus pais. Os nossos colaboradores estão prontos para trabalhar para proteger as crianças e apoiar os esforços do Governo”, assegurou Jad Sakr.

Mas as preocupações do responsável pela ONG no Líbano não são apenas a curto prazo. Com os hospitais em rutura, inflação galopante, uma desvalorização da moeda que, desde outubro de 2019, já vai em 80%, e níveis de desemprego a atingir os 55%, as explosões só vieram piorar ainda mais uma situação que já era dramática. “Esta crise atinge toda a gente de igual forma, sejam famílias libanesas, refugiados palestinianos ou sírios. Vamos começar a ver crianças a morrer de fome antes do final do ano”, alertou o mesmo responsável, em declarações ao Catholic News Service.

Um relatório recente das Nações Unidas já indicava que 50% dos cidadãos libaneses, juntamente com 63% dos palestinianos e 75% dos sírios a residir no país, revelavam ter dúvidas quanto à capacidade de acesso a comida suficiente no mês seguinte.

O grande problema neste momento, sublinha o responsável pela missão pontifícia Catholic Near East Welfare Association (CNEWA, Associação Católica de Ajuda do Próximo Oriente), Michel Constantin, é que o Líbano “não tem uma rede de segurança”.

A agência da Santa Sé tem estado a trabalhar ativamente com as Igrejas Católicas Orientais para identificar as necessidades das populações e fazer chegar ajuda humanitária. “As pessoas perderam os seus trabalhos, estão presas em casa sem emprego e estão a começar a passar fome. Nós estamos a distribuir itens de sobrevivência como medicação, alimentos e leite para as famílias. Não para combater a pobreza, mas para salvar vidas”, explica.

De acordo com Michel Constantin, a organização católica está a ter de escolher ajudar “os mais pobres dos pobres. Não os que estão em dificuldades, mas aqueles que não conseguem sobreviver sozinhos. Os nossos parceiros têm estado a identificar aqueles que têm extrema necessidade de bens essenciais”, pois é a única forma de salvar vidas, ao mesmo tempo que a instituição apela a apoios por parte de governos e outras instituições católicas e não-governamentais.

“Se dermos a escolher entre caixas com produtos de higiene ou comida, todas as famílias escolhem a comida… sempre”, afirma Emily Redfern, responsável pelo Fratelli Project, um dos parceiros da CNEWA no terreno.

Rita Rhayem, diretora da Cáritas Líbano, instituição que trabalha igualmente em parceria com a missão pontifícia no país, lamenta por seu lado que grande parte da comunidade internacional esteja em silêncio, enquanto as organizações não-governamentais lutam para conseguir ajudar os mais necessitados, entre libaneses e migrantes.

“Os últimos dois meses foram realmente desafiantes para a Cáritas Líbano. O número de beneficiários triplicou, enquanto que muitas das pessoas que costumavam apoiar-nos deixaram de o fazer”, afirmara Rita Rhayem durante a apresentação do relatório anual da Cáritas, em julho.

Esta quarta-feira, na sua primeira audiência geral depois das férias, o Papa Francisco lançou o apelo: “Rezemos pelas vítimas [das explosões] e suas famílias; rezemos pelo Líbano, para que, com o compromisso de todos os seus componentes sociais, políticos e religiosos, possa enfrentar este momento tão trágico e doloroso e, com a ajuda da comunidade internacional, superar a grave crise que está a atravessar”. O Líbano aguarda urgentemente resposta.

O vídeo do apelo feito pelo Papa durante a audiência desta quarta-feira, 5 de agosto pode ver-se a seguir:

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco