Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

| 21 Set 2021

Líbano.

O novo governo libanês continua a merecer críticas. Foto © Wikimedia Commons

 

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

De acordo com a agência Fides, além do primeiro-ministro sunita Mikati e do vice-primeiro-ministro cristão ortodoxo grego Saadeh al Shami, há onze ministros cristãos, nove ministros muçulmanos e dois ministros drusos.

Entre os ministros cristãos estão cinco maronitas, dois gregos ortodoxos, dois gregos católicos, uma apostólica arménia, uma católica de rito latino (a independente Najla Riachi, ministra para a Reforma da Administração, que é também a única mulher do Governo). Entre os ministros muçulmanos, cinco são xiitas e quatro sunitas.

O novo Governo propõe-se conter o colapso económico nacional, negociar com as instituições financeiras internacionais e preparar as próximas eleições gerais marcadas para 2022.

Durante a homilia proferida no domingo, 19 de setembro, o patriarca maronita Béchara Boutros Raï agradeceu à Providência Divina pelo fim da crise que deixou o país sem Governo por treze meses. Ao contrário, os bispos siro-católicos, reunidos entre 12 e 18 de setembro em assembleia sinodal presidida pelo patriarca Ignace Youssif III Younan expressaram o seu desapontamento com a “persistente marginalização” dos siríacos e da comunidade siro-católica na atribuição de altos cargos civis, sublinhando que nenhum cristão sírio integra o novo Governo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This