Simpósio em Fátima

Lidar com rupturas como a escravatura ou a exploração de pessoas pode levar à santidade, diz cardeal Tagle

| 20 Jun 2021

Minas. Crianças. Trabalho infantil. Congo

Trabalho escravo de crianças no Congo: “Parte da nossa santidade é sermos o rosto de Deus para estes sinais horríveis de pecado”. Foto © Amnesty International e Afrewatch

 

“A chamada à santidade chega-nos, hoje, em situações de ruptura como o tráfico humano, a escravatura, a exploração de pessoas. Parte da nossa santidade é olharmos para estes sinais horríveis de pecado, que percorrem a humanidade, e sermos o rosto de Deus para elas”, afirmou o cardeal Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, do Vaticano, no Simpósio Teológico-Pastoral Fátima, Hoje: Pensar a Santidade.

O cardeal falou sábado, 19 de Junho, em videoconferência a partir de Roma, naquele que foi o segundo de três dias de simpósio, que se concluiu neste domingo, 20, no Santuário de Fátima.

Taglie referiu-se ainda às notícias “sobre os abusos dentro da Igreja contra pessoas vulneráveis como as crianças, os problemas financeiros, mesmo os conflitos internos” como factos que colocam a santidade da Igreja “em questão”. Mas, “mesmo feridos, os cristãos devem ser os primeiros, os mais próximos e os mais disponíveis para ouvir, encaminhar e levar a esperança de Deus aos outros”, disse, citado na página do Santuário de Fátima, pois “é isso que nos torna santos”.

No mesmo dia, interveio também o bispo de Setúbal e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Ornelas, que afirmou que “tem de soar sempre como a pior das blasfémias falar de guerra santa, de santa inquisição e de monstros sagrados desse género”.

Perante os cerca de 300 participantes do simpósio – uma centena dos quais via videoconferência –, o bispo Ornelas acrescentou: “Infelizmente, o processo de violência em nome de Deus não se reduz ao tempo de Jesus. Também os seus discípulos, com o passar das gerações, esqueceram o tempo em que, como o Mestre foram perseguidos e martirizados, deixaram-se levar pelos mesmos processos violentos e tornaram-se perseguidores e promotores de exclusão, perseguição e morte.”

No caso dos cristãos, eles não podem ter como parâmetro “uma santidade de fechamento e de exclusões” mas, como Jesus, devem ir antes “à procura dos pecadores, dos que sofrem, dos que estão isolados e mesmo daqueles” que rejeitam a Igreja, disse.

Já na conclusão da iniciativa, neste domingo, o cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima, considerou que Fátima tem de ser “uma escola de santidade para o nosso tempo, para o nosso povo, sobretudo os mais simples e humildes, que são a grande maioria dos peregrinos”. E acrescentou: “Mostrar o caminho como podemos viver a santidade no quotidiano, na nossa vida concreta é a verdadeira reforma de fundo da Igreja.”

Na mesma ocasião, o reitor do Santuário, padre Carlos Cabecinhas, afirmou que esta iniciativa marcou o recomeço de algumas das actividades regulares da instituição. Outras estão marcadas para breve, como sejam os Encontros da Basílica, de Julho a Outubro, ou o Curso de Verão, também já no próximo mês.

A intervenção do cardeal Tagle no Simpósio sobre a santidade. Foto © Santuário de Fátima.

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This