Em carta aberta "a todos os irmãos"

Líder da Aliança Evangélica Russa pede desculpa a ucranianos

| 18 Mar 2022

vitaly vlasenko num encontro com o patriarca cirilo, novembro 2019. foto WEA

Vitaly Vlasenko num encontro com o patriarca Cirilo, em novembro de 2019. Foto © WEA.

 

“Lamento as decisões tomadas pelos líderes do meu país” e “peço perdão a todos aqueles que têm sofrido, perdido entes queridos e familiares, ou perdido a sua casa em consequência deste conflito militar”. As palavras são de Vitaly Vlasenko, secretário-geral da Aliança Evangélica Russa, numa carta aberta dirigida aos “irmãos e irmãs de todo o mundo”, que foi divulgada esta semana no site da Aliança Evangélica Mundial.

Vlasenko, que é pastor de uma igreja batista em Moscovo, garante que fez “tudo o que podia para evitar a guerra”, pode ler-se na missiva. “Escrevi uma carta aberta ao presidente Vladimir Putin um dia antes da invasão, na qual apoiei o pedido dos líderes religiosos da Ucrânia para uma solução pacífica para todos os conflitos”, refere.

A Aliança Evangélica Russa foi uma das instituições presentes numa oração pública pela reconciliação de todas as partes e tem prestado assistência a refugiados ucranianos, exemplifica o líder religioso russo.

“Para mim, como para muitos outros cristãos, a invasão militar foi um choque. Nem no pior dos cenários imaginava o que agora podemos ver na Ucrânia, sublinha o pastor evangélico, que termina com uma oração por todos os que estão a sofrer com este conflito.

Vitaly Vlasenko junta-se assim ao crescente movimento de cidadãos russos que se manifestam contra a guerra, e ao apelo à paz de mais de duas centenas de padres e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, que fizeram questão de se demarcar da posição de apoio e legitimação da ação militar russa por parte do patriarca Cirilo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This