Líder de seita judia ultra-ortodoxa acusado de raptar duas crianças

| 8 Jan 19

Quatro líderes e membros da seita de judeus ultra-ortodoxos Lev Tahor foram detidos nos Estados Unidos pelo rapto de duas crianças, netos do já falecido fundador da seita, noticiou esta semana o El País

Tudo começou quando Sara, 32 anos, filha de Shlomo Helbrans e irmã do novo líder, Nachman Helbrans, fugiu da Guatemala, onde a seita estava na altura, e foi com seus seis filhos para Woodridge, perto de Nova Iorque.

Sara estava acostumada a uma vida diferente. O objectivo da seita Lev Tahor, de acordo com a literatura distribuída pelo grupo, é praticar “judaísmo inadulterado”, o que inclui modéstia severa para mulheres e raparigas (que utilizam vestes da cabeça aos pés, semelhantes a burqas), rejeição completa da tecnologia e extremas restrições de dieta alimentar.

Na Guatemala, a sua casa inseria-se uma aldeia remota, com habitações improvisadas a partir de restos de madeiras soltas e sacos de plástico, onde não havia água quente nem casas de banho. Mas quando foi decidido que a sua filha Yante, na altura com 13 anos, se iria casar com um membro mais velho da seita – uma prática comum dentro da comunidade -, Sara apercebeu-se de que a única maneira de parar este casamento seria escapar.

Ao chegar a Nova Iorque, a mãe pediu ajuda à polícia, como se pode ler na queixa que fez: “Tenho um medo iminente do culto e do que o pai das crianças e outros membros do culto poderão fazer, agora que já não estamos sob o seu poder e manipulação.”

Seis semanas depois de escapar da seita, a 8 de dezembro, a sua filha Yante, 14 anos, e o seu filho Chaim, 12, saíram de casa de madrugada e desapareceram sem deixar rasto. O plano do raptor Nachman Helbrans, tio das crianças e líder do grupo, passou por arranjar aos irmãos roupas seculares, passaportes falsos e passagens de avião para a Guatemala. Mas, a 28 de dezembro, 20 dias depois do seu desaparecimento, Yante e Chaim foram resgatados num hotel em Tenango del Aire, a 40 quilómetros da capital mexicana.

A operação de resgate envolveu autoridades mexicanas e americanas e, após a investigação feita, foram detidos quatro membros da seita: Jacob Rosner (que, com 20 anos, era o marido de Yante), Mayer Rosner, Aron Rosner e Nachman Helbrans. O caso encontra-se em julgamento nos tribunais dos EUA.

Lev Tahor (que, em hebraico, significa Coração Puro) é uma seita semi-nómada com aproximadamente 200 membros, fundada nos anos 1980 por Shlomo, um cidadão israelita que rejeitava o estado de Israel, afirmando que o Estado judeu apenas pode ser restaurado pela mão de Deus e não pelo homem. Nos anos 1990, Helbrans mudou-se para os Estados Unidos mas. após ser acusado do rapto de um rapaz de 13 anos, foi deportado de volta para Israel. Numa segunda tentativa de imigração, a seita foi para o Quebeque, no Canadá, de onde viria a fugir das autoridades, que acusava os membros da Lev Tahor de maus-tratos infantis e abuso sexual de menores.

Após várias tentativas de se estabelecer na América do Sul, o grupo permaneceu na Guatemala. Em 2017, Shlomo Helbrans morreu quando praticavam um ritual de imersão num rio mexicano, deixando o seu filho Nachman à frente da Lev Tahor.

A seita está sinalizada entre as autoridades há muitos anos e é inclusive considerada “demasiado extremista” entre outros judeus ortodoxos.

 

 

 

 

Breves

Boas notícias

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Encontro de Taizé em Rostock

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Mário Reis nunca tinha ouvido um aplauso tão longo em toda a sua vida, em nenhum dos concertos aos quais foi até hoje, em nenhuma das peças de teatro às quais assistiu, nem tão-pouco no final de algum discurso que tenha escutado. No dia em que ouviu esse aplauso, ou melhor, nessa noite, Mário não estava em nenhum espetáculo ou conferência inspiradora: estava numa oração ecuménica, mais propriamente no Encontro Europeu de Taizé, que decorreu de 28 de dezembro a 1 de janeiro na cidade de Rostock, numa das regiões mais secularizadas da Alemanha.

Outras margens

Cultura e artes

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Dia 28, em Lisboa

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Será um concerto que cruza o canto gregoriano com música portuguesa do século XVII, mas que pretende preparar também uma visita de estudo a Roma: no próximo sábado, 28, às 17h, na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, 22 alunos da Escola Artística e do Consort de Flautas de Bisel do Instituto Gregoriano de Lisboa (IGL) cantarão gregoriano e executarão obras de compositores como Manuel Rodrigues Coelho, António Carreira, Pedro de Araújo ou Pedro de San Lorenzo, transcritas para flauta.

Pessoas

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos

Ouellet sai prestigiado e ferido

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos novidade

Depois de 12 anos à frente do poderoso Dicastério para os Bispos, o cardeal canadiano Marc Ouellet acaba de ser substituído no cargo de prefeito por Robert Francis Prevost, um missionário da Ordem de Santo Agostinho e desde 2015 bispo da diocese de Chiclayo, no Peru.

Sete Partidas

O livro que ele não escolheu

O livro que ele não escolheu

E esse homem que lê o livro que não escolheu. Derrama a imaginação no sarcasmo do travesseiro que é degrau de livraria. Então eu sei que o livro é pai e mãe, e voz serena para embalar quem vai dormir. Só que o sono não chega porque a serenidade não cabe nas páginas de quem continua preta.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Não esqueço de modo nenhum o tempo de companheirismo de ano e de turma, desde a idade dos 14/15 anos, no seminário de Almada prolongando-se depois pelo dos Olivais, ao todo num período de nove anos. O Luís evidenciava-se pela inteligência, sem nunca fazer disso pedestal para sobressair; sempre a cumplicidade alegre, brincalhona e solidária com todos os colegas. E assim foi crescendo, evidenciando-se sempre sem nunca deixar de ser o mesmo.

Eutanásia numa sociedade pluralista

Eutanásia numa sociedade pluralista

A eutanásia nada mais é do que o cumprimento da vontade soberana do indivíduo de querer pôr termo a uma vida que, pelas mais variadas razões, considera destituída de sentido. A legalização da eutanásia revela tão-só o respeito do Estado pela autonomia individual e a garantia de que o indivíduo terá todo o apoio necessário para que a sua vontade soberana se possa cumprir.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This