Líder xiita iraquiano prepara devolução de casas e terras expropriadas a cristãos

| 4 Jan 2021

Iraque. Cristãos. Liberdade religiosa.

Criança iraquiana com uma folha a pedir “ajudem os cristãos perseguidos no Iraque”. Foto © ACN-Portugal

 

O líder xiita iraquiano Muqtada al Sadr, chefe de um grupo político com forte representação no Parlamento de Bagdad, ordenou a criação de um Comité encarregado de inventariar e verificar informações e queixas sobre casos de expropriações ilegais de proprietários cristãos em várias regiões do país.

A decisão, noticiada esta segunda-feira, 4 de janeiro, pela agência católica Fides, foi divulgada através de um comunicado destes últimos dias, no qual são indicados os nomes dos colaboradores de Muqtada al Sadr escolhidos para integrar o Comité. No texto, incluem-se também os endereços eletrónicos e contas do Whatsapp para os quais os cristãos podem enviar documentos de propriedade relativos a imóveis – casas e terrenos – de que foram espoliados nos últimos anos por outras pessoas ou grupos de pessoas.

A intenção da operação lançada pelo líder xiita, segundo a Fides, é “restaurar a justiça e acabar com as violações dos direitos de propriedade dos ‘irmãos cristãos’”, incluindo os atos pelos quais membros do movimento xiita liderado por al Sadr foram responsáveis. O pedido de denúncia de casos de desapropriações ilegais também inclui famílias de cristãos que deixaram o país nos últimos anos.

Na manhã do último domingo, 3 de janeiro, uma delegação enviada por Muqtada al Sadr e liderada pelo xeque Salah al-Obaidi visitou o patriarca caldeu Louis Raphael Sako para oferecer ao líder da Igreja Caldeia uma mensagem de congratulação pela época do Natal, juntamente com uma cópia do documento com o qual o político xiita constituiu o Comité encarregado das reclamações de bens usurpados. O patriarca e cardeal Sako, por sua vez, agradeceu a visita e a iniciativa anunciada por Muqtada al Sadr.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This