Comunicado pede "solução estável"

Líderes católicos da Terra Santa alertam para “rápida deterioração” da situação na região

| 14 Dez 2022

pomba da paz nicola belem

A pomba da paz com colete à prova de bala, pintada do lado palestiniano do muro de separação Israel-Palestina, em Belém. Foto: Direitos reservados,

 

Há uma “atmosfera festiva” em Belém, com o aproximar do Natal. Mas a Assembleia dos Ordinários Católicos da Terra Santa expressa uma “grande preocupação” pelo facto de a situação na região estar a deteriorar-se “progressiva e rapidamente”. Em comunicado partilhado na sua página online, os líderes religiosos sublinham que a violência, o ódio e a divisão são crescentes entre as várias comunidades e pedem ao Governo de Israel que assegure os mesmos direitos para todos.

Na sua nota, os líderes católicos advertem que “certas declarações” do novo executivo “são contrárias ao espírito de coexistência pacífica e construtiva entre as diversas comunidades” que compõem a sociedade israelita. “Tais declarações favorecem aqueles que neste país querem a divisão. Geram desconfiança e ressentimento. Lançam as bases para mais violência. A violência na linguagem inevitavelmente, mais cedo ou mais tarde, também se transforma em violência física”, enfatizam, destacando a necessidade de evitar “discriminação ou preferências”.

“Estamos preocupados com a violência e a falta de segurança dentro da comunidade árabe em Israel, atingida por incidentes contínuos e crimes generalizados”, diz o documento, que destaca as “muitas mortes, especialmente na área palestiniana, e a violência dos colonos nos assentamentos”, referindo também  “ataques contra a população judaica”.

“A violência nunca se justifica e deve ser sempre condenada, venha de onde vier. Ninguém deve morrer por ser judeu ou por ser árabe”, reiteram os líderes católicos da Terra Santa, referindo-se em particular à “detenção e prisão de vários menores palestinianos, especialmente em Jerusalém Oriental. A detenção e prisão de menores por razões políticas nunca deve ser a norma num país democrático”.

 

Peregrinos “trazem de volta o sorriso”

Árvore de Natal na Praça da Manjedoura

Árvore de Natal na Praça da Manjedoura, na cidade de Belém, em 2020. Este ano, os peregrinos estão de regresso e diminuem o sentimento de solidão entre os cristãos. Foto: Direitos reservados.

 

“A ausência de um verdadeiro processo de paz, baseado no Direito Internacional, causará mais sofrimento”, acrescenta o comunicado, lamentando que “a violência seja consequência de uma profunda desconfiança e talvez até do ódio, que se enraíza no coração das duas populações , israelitas e palestinianos. É responsabilidade comum de todos, especialmente líderes religiosos e políticos de todas as denominações, promover o respeito mútuo e não a divisão ou sentimentos de ódio”, escrevem.

No texto, os líderes católicos assinalam ainda que “as escolas cristãs em Israel estão, mais uma vez, à beira de uma crise”, em grande parte devido aos recentes cortes no financiamento do Estado.

“Elevamos a nossa voz pelas necessidades dos mais pobres e fracos: por dignidade e liberdade concedidas ao povo palestiniano na sua terra, por uma solução estável e justiça a ser dada aos cinco milhões de palestinianos que vivem nos territórios ocupados e para que na Terra Santa todas as comunidades nacionais tenham os mesmos direitos”, conclui a nota, que vê esperança no regresso dos peregrinos à Terra Santa, em particular neste Natal.

“Eles trazem vida e movimento de volta às ruas e becos da Cidade Santa, Belém, Nazaré e outros lugares de peregrinação e, assim, trazem de volta o sorriso a muitas famílias, não apenas cristãs, que puderam voltar ao trabalho. Este afluxo de peregrinos traz não só prosperidade material, mas também mais consciência e atenção à Terra Santa e faz-nos sentir que não estamos esquecidos”, concluem.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This