Reunidos em Hiroshima, no Japão

Líderes das principais religiões mundiais assumem compromisso sobre a ética na inteligência artificial

| 10 Jul 2024

Inteligência Artificial. IA

Líderes das principais religiões mundiais estiveram em Hiroshima a debater a Inteligência Artificial. Imagem Gerd Altmann / Pixabay

Orientar o desenvolvimento da Inteligência Artificial por princípios éticos que promovam a paz é a ideia que orienta os líderes das principais religiões mundiais que estiveram reunidos terça e quarta-feira, dias 9 e 10 de julho, em Hiroshima, no Japão, para assumir o seu compromisso face a esta problemática.

“Em Hiroshima, um lugar altamente simbólico, invocamos fortemente a paz e pedimos que a tecnologia seja um motor da paz e da reconciliação entre os povos. Estamos aqui, juntos, para dizer bem alto que estar juntos e agir juntos é a única solução possível”, afirmou o presidente da Academia Pontifícia para a Vida do Vaticano, arcebispo Vincenzo Paglia, citado pelo Vatican News, portal de notícias do Vaticano. “Esta é a nossa responsabilidade comum e, neste esforço partilhado, podemos redescobrir a verdadeira fraternidade”, acrescentou.

Intitulado “Ética da Inteligência Artificial (IA) para a Paz: As religiões do mundo comprometem-se com o apelo de Roma”, o encontro de dois dias foi coorganizado pela Academia Pontifícia da Vida, Religiões para a Paz Japão, o Fórum Abu Dhabi para a Paz dos Emirados Árabes Unidos e a Comissão para as Relações Inter-religiosas do Rabinato-Chefe de Israel.

O ponto mais importante do acontecimento multiconfessional, que teve início esta terça-feira, 9, foi a assinatura do “Apelo de Roma para a Ética da IA”, lançado em 2020 pela Pontifícia Academia para a Vida e promovido pela Fundação RenAIssance, destacando a importância vital de orientar o desenvolvimento da inteligência artificial com princípios éticos para garantir que serve o bem da humanidade. O 7MARGENS, recorde-se, tem vindo a acompanhar a elaboração deste documento.

Após a assinatura do “Apelo de Roma” pelos líderes das três religiões abraâmicas (cristianismo, islão e judaísmo) em 2023, em nome da coexistência pacífica e dos valores partilhados, o encontro tem como objetivo reforçar a ideia de que uma abordagem multirreligiosa a questões vitais como a ética da IA é o caminho a seguir. Num comunicado de imprensa, os organizadores mencionam que a escolha do local teve um significado especial, uma vez que Hiroshima é um testemunho poderoso das consequências da tecnologia destrutiva e da procura permanente da paz.

“A cooperação, a solidariedade e o trabalho conjunto são necessários para lidar com os desenvolvimentos da Inteligência Artificial”, disse o xeque Abdallah Bin Bayyah, presidente do Fórum para a Paz de Abu Dhabi. “Ao fazê-lo, podemos preparar o caminho para um futuro em que a IA seja uma força para o bem – um futuro em que os frutos da tecnologia sejam aproveitados para construir um mundo mais tolerante, pacífico e virtuoso”, referiu. Por seu lado, o reverendo Yoshiharu Tomatsu, presidente da Religiões pela Paz no Japão, reiterou o empenhamento da sua organização em assegurar que a IA promova “a inclusão e o respeito mútuo para todos”.

Já o rabino Eliezer Simha Weisz, membro da Comissão para as Relações Inter-religiosas do Rabinato-Chefe de Israel, insistiu que, enquanto pessoas de fé, os líderes religiosos “têm a responsabilidade única de infundir a busca da IA com clareza moral e integridade ética”. Destacou ainda a necessidade de utilizar a IA “não apenas como uma ferramenta para o progresso, mas como um canal para aprofundar a ligação ao divino e fortalecer a jornada espiritual”. “A IA fortalece a nossa fé em Deus, fornecendo caminhos para explorar os meandros da criação e os mistérios da existência”, disse.

A reunião terminou nesta quarta-feira, 10 de julho, com a assinatura do “Apelo de Roma”. Após o testemunho de um sobrevivente da bomba atómica, os participantes visitaram também o Parque Memorial da Paz de Hiroshima, bem como o Cenotáfio das vítimas da bomba atómica, onde depositaram flores em sua memória.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Um casal em 2024

Um casal em 2024 novidade

“A D. Georgina e o Senhor Amaro comentam o trânsito dos jovens, ele irritado: isto é gente de fora, do karaté ou lá o que é, daquelas coisas chinesas de dar porrada. Ela, rancorosa: pois, deixam-nos vir para cá para aprenderem a fazer-nos mal, deviam era mandá-los a todos para a terra dele”. Um texto de Nuno Caiado, baseado num episódio real testemunhado em Lisboa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This