Líderes de todas as religiões da Birmânia pedem contenção aos militares e oferecem mediação

| 23 Fev 2021

Freiras, Myanmar, Birmânia,

Freiras católicas a rezar e manifestar-se com cartazes de apoio à chefe do governo Aung San Suu Kyi, deposta no golpe militar de dia 1. Foto © Good Shepherd Myanmar)

 

“Já se derramou demasiado sangue durante este mês” e “condenamos energicamente o derramamento de sangue de inocentes” são afirmações do comunicado divulgado nesta terça-feira, 23 de fevereiro, pela organização Religiões pela Paz – Myanmar, que reúne os líderes de todas as comunidades religiosas do país e é presidida pelo cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Rangum.

No comunicado, divulgado pela agência Fides, a organização afirma também que continuará a alimentar o Fórum Consultivo para a Paz e a Reconciliação como um espaço de diálogo e oferece-se para mediar o conflito.

O apelo é dirigido diretamente aos militares golpistas que tomaram o poder no dia 1 de fevereiro: “Pedimos a todos, especialmente ao exército, que regressem à mesa das negociações para reestabelecer o diálogo, abordar os temas em aberto e reconciliar a nação.” Os líderes religiosos condenam o golpe militar que “fragmentou a nação”, interrompendo “o progresso da paz e da democracia verificado durante a última década” e recordam: “Uma nação que sofre desde há muito tempo só pode curar-se através do diálogo, nunca através da violência nas ruas.”

Esta tomada de posição do fórum dos líderes religiosos do país surge na sequência do apelo “aos que estão no poder, para que se regresse ao diálogo”, divulgado no domingo, 21, pelos 16 bispos católicos da Birmânia/Myanmar, em que se podia ler: “Há apenas um mês a nação trazia uma grande promessa no seu coração: o sonho de uma paz duradoura e de uma democracia sólida. Apesar da pandemia, a nação acabava de organizar eleições e todo o mundo admirava a capacidade demonstrada para gerir as diferenças internas.”

Depois do golpe militar do início do mês mais de 600 pessoas foram presas, inúmeras sofreram ferimentos devidos a cargas do exército e pelo menos cinco jovens foram mortos nas ruas.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This