Líderes de todas as religiões da Birmânia pedem contenção aos militares e oferecem mediação

| 23 Fev 21

Freiras, Myanmar, Birmânia,

Freiras católicas a rezar e manifestar-se com cartazes de apoio à chefe do governo Aung San Suu Kyi, deposta no golpe militar de dia 1. Foto © Good Shepherd Myanmar)

 

“Já se derramou demasiado sangue durante este mês” e “condenamos energicamente o derramamento de sangue de inocentes” são afirmações do comunicado divulgado nesta terça-feira, 23 de fevereiro, pela organização Religiões pela Paz – Myanmar, que reúne os líderes de todas as comunidades religiosas do país e é presidida pelo cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Rangum.

No comunicado, divulgado pela agência Fides, a organização afirma também que continuará a alimentar o Fórum Consultivo para a Paz e a Reconciliação como um espaço de diálogo e oferece-se para mediar o conflito.

O apelo é dirigido diretamente aos militares golpistas que tomaram o poder no dia 1 de fevereiro: “Pedimos a todos, especialmente ao exército, que regressem à mesa das negociações para reestabelecer o diálogo, abordar os temas em aberto e reconciliar a nação.” Os líderes religiosos condenam o golpe militar que “fragmentou a nação”, interrompendo “o progresso da paz e da democracia verificado durante a última década” e recordam: “Uma nação que sofre desde há muito tempo só pode curar-se através do diálogo, nunca através da violência nas ruas.”

Esta tomada de posição do fórum dos líderes religiosos do país surge na sequência do apelo “aos que estão no poder, para que se regresse ao diálogo”, divulgado no domingo, 21, pelos 16 bispos católicos da Birmânia/Myanmar, em que se podia ler: “Há apenas um mês a nação trazia uma grande promessa no seu coração: o sonho de uma paz duradoura e de uma democracia sólida. Apesar da pandemia, a nação acabava de organizar eleições e todo o mundo admirava a capacidade demonstrada para gerir as diferenças internas.”

Depois do golpe militar do início do mês mais de 600 pessoas foram presas, inúmeras sofreram ferimentos devidos a cargas do exército e pelo menos cinco jovens foram mortos nas ruas.

 

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This