Líderes muçulmanos europeus apoiam declaração de Abu Dhabi

| 17 Fev 2019

Líderes muçulmanos europeus apoiam declaração de Abu Dhabi

| 17 Fev 19

Entre os 17 subscritores está o imã David Munir, xeque da Mesquita de Lisboa; posição conjunta fala da Declaração como um documento-guia “para as gerações futuras promoverem uma cultura de respeito mútuo na consciência”. 

O Papa Francisco e Ahmad Al Tayyeb, Grande Imã de Al Azhar Al Sharif (dirª) assinam o “Documento sobre a Fraternidade Humana, a 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos). (Foto Eissa Al Hammadi/Ministry of Presidential Affairs/Vicariato Apostólico do Sul da Arábia)

 

Vários líderes muçulmanos europeus expressaram o seu “apoio e compromisso” com a “nobre iniciativa e o conteúdo da mensagem expressa no Documento sobre a Fraternidade Humana em prol da paz mundial e da convivência comum, assinado na semana passada pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã da Universidade e Mesquita de al-Azhar (Cairo, Egipto), Ahmed al-Tayyeb. O texto foi assinado pelos dois líderes religiosos (al-Azhar é considerada o mais importante centro do islão sunita) em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos (EAU), no final do encontro inter-religioso promovido por al-Tayyeb e pelo Conselho dos Anciãos, que terminou durante a viagem do Papa aquele país do Golfo Pérsico – a primeira de um Papa à Península Arábica.

 Os 17 líderes que agora subscrevem a carta de apoio, a cujo conteúdo 7MARGENS teve acesso, afirmam sentir-se “honrados em responder ao generoso convite” do Documento sobre a Fraternidade Humana a “todas as pessoas que têm fé em Deus e a fé na fraternidade humana para se unirem e trabalharem juntas”. Só assim elas poderão “servir de guia para as gerações futuras promoverem uma cultura de respeito mútuo na consciência” e traduzir a “grande graça divina que faz todos os seres humanos irmãos e irmãs”.

Na carta, os 17 membros do Conselho Europeu de Sábios Muçulmanos (European Muslim Leaders Majlis – EuLeMa) anunciam ainda que este organismo reunirá em breve em Bucareste (Roménia), com a presidência da União Europeia – neste momento a cargo deste país do Leste –, para “estudar meios e formas de concretizar os conteúdos da Declaração de Abu Dhabi e estudar estratégias comuns para desenvolver o seu sucesso”.

Na declaração do EuLeMa, este organismo manifesta o seu “total apoio e acompanhamento concreto a esta nobre iniciativa e aos conteúdos desta mensagem histórica”, cujo texto integral, em português, está disponível aqui. (O documento foi, entretanto, publicado também em formato de livro pela Paulinas Editora.)

A declaração de Abu Dhabi é “um passo importante e positivo para o bem da humanidade nos dias de hoje”, diz ao 7MARGENS o xeque David Munir, imã da Mesquita de Lisboa, um dos 17 signatários do texto da EuLeMa, que apoia o Documento sobre a Fraternidade Humana. Para os muçulmanos portugueses, “o diálogo inter-cultural e inter-religioso não é nada de novo, é o que temos procurado fazer”. Por isso, foi imediata a adesão do xeque Munir, 55 anos (33 dos quais em Portugal) à ideia de subscrever o texto de apoio.

A rede EuLeMa agradece ainda “ao Papa Francisco e à Igreja Católica e ao Xeque Ahmad al-Tayyeb e à Instituição de Al-Azhar al-Sharif pela referência clara feita no documento à liberdade, justiça, diálogo, protecção dos locais de culto, cooperação entre Oriente e Ocidente, condenação do terrorismo, valor e dignidade da família, das mulheres, das crianças, dos idosos e dos pobres”.

Enquanto residentes na Europa, referem expressamente a referência da Declaração à cidadania, pedindo que se acabe com o uso do conceito de “minorias”: “O conceito de cidadania baseia-se na igualdade de direitos e deveres, sob a qual todos gozam de justiça. Portanto, é crucial estabelecer nas nossas sociedades o conceito de cidadania plena e rejeitar o uso discriminatório do termo minorias, que gera sentimentos de isolamento e inferioridade. O seu mau uso prepara o caminho para a hostilidade e a discórdia” e retira os direitos religiosos e civis de alguns cidadãos que são assim discriminados ”.

Os 17 subscritores acrescentam: “Nas nossas funções de relações institucionais e de formação educativa no contexto da sociedade europeia, temos sido desde há tempo responsáveis pela transmissão de valores universais e comuns ao cristianismo e ao islão e às doutrinas de outras comunidades religiosas.” E acrescentam: “Estamos conscientes de que apenas a concretização desta perspectiva de respeito pela sagrada identidade da vida, será capaz de conter guetos, vitimização e discriminações.”

Entre os 17 subscritores do comunicado, estão ainda o presidente do Conselho francês de culto muçulmano, Anouar Kbibech (França), o imã Mohammad Ismail Imam (Reino Unido), Rais al-Ulama Emeritus Mustafa Ceric (Bósnia), o imã Yahya Pallavicini (Itália) e imãs e muftis da Finlândia, Áustria, Alemanha, Roménia, Polónia, Rússia, Dinamarca, Lituânia, Albânia, Irlanda e Eslovénia.

Logo após a assinatura do Documento, o novo director do Dicastério para as Comunicações do Vaticano, Andrea Tornielli, considerou que o texto constituía não apenas um marco nas relações entre cristianismo e islamismo, mas também uma mensagem com forte impacto no cenário internacional.

Um conjunto de convidados do encontro inter-religioso sobre a Fraternidade Humana escutando a intervenção do Grande Imã de Al Azhar Al Sharif, Ahmad Al Tayyeb (Foto Eissa Al Hammadi/Ministry of Presidential Affairs/Vicariato Apostólico do Sul da Arábia)

(Considerando a importância histórica do documento, 7MARGENS publicou já várias notícias e textos sobre ele; é possível reler os comentários do Papa Francisco, depois do regresso ao Vaticano, o relato da eucaristia celebrada em Abu Dhabi, e uma antecipação sobre o que poderia ser o significado da viagem do Papa aos EAU; podem ler-se ainda comentários do presidente da Comunidade de Santo’Egídio, Marco Impagliazzo, de Khalid Jamal, muçulmano português que esteve na missa com o Papa, uma crónica do padre Tony Neves, e um ensaio do franciscano frei Isidro Lamelas a propósito dos 800 anos do encontro entre Francisco de Assis e o sultão Mlik el Kamil.)

 

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Boas notícias

Nasce o Conselho Inter-religioso para a Paz no Senegal e na África Ocidental

Para "antecipar conflitos"

Nasce o Conselho Inter-religioso para a Paz no Senegal e na África Ocidental novidade

Acaba de ser criado no Senegal um Conselho Inter-religioso para a Paz. Reunindo representantes do Islão, da Igreja Católica, da Igreja Protestante e das religiões tradicionais, a sua missão é antecipar os conflitos, agir em prol da coesão social e do cuidado da casa comum.

É notícia 

Entre margens

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Deixar-se atrair pelo “piscar de olhos” literário

Deixar-se atrair pelo “piscar de olhos” literário novidade

Um mar de gente passeava pelo meio de uma imensidão de livros. Aqui e ali viam-se famílias, amigos ou pessoas em solitude. Mais do que uma Feira do Livro, aquele espaço tornava-se numa experiência de encontro com a intemporalidade das palavras e ideias que alimentam a nossa mente. [Texto de Miguel Panão]

A suite de Pontormo

A suite de Pontormo

Por aqueles dias já se adivinhava o calor estival. Saídos da estação de caminho-de-ferro, comprámos uns óculos escuros ao vendedor ambulante mais próximo, e lá fomos em direcção a Santa Maria del Fiore.  Depois, passado o campanário de Giotto, seguiríamos para sul, com passagem obrigatória pelo hotel. A tarde consumia-se, e queríamos chegar a Santa Felicitá antes do pôr-do-sol. [Texto de João Santos]

Cultura e artes

Resgate da memória de um seminário que se cruza com o poeta Daniel Faria

Seminário Padre Mateo

Resgate da memória de um seminário que se cruza com o poeta Daniel Faria novidade

Largas dezenas de antigos alunos, professores e funcionárias do antigo Seminário Padre Mateo (SPM), de Baltar, no município de Paredes, encontraram-se pela primeira vez no último fim de semana, meio século depois de a instituição ter sido encerrada. Para além do encontro propriamente dito, a iniciativa esteve focada no resgate da memória de um projeto que foi, a vários títulos, inovador no seu tempo. [Texto Manuel Pinto]

A suite de Pontormo

A suite de Pontormo

Por aqueles dias já se adivinhava o calor estival. Saídos da estação de caminho-de-ferro, comprámos uns óculos escuros ao vendedor ambulante mais próximo, e lá fomos em direcção a Santa Maria del Fiore.  Depois, passado o campanário de Giotto, seguiríamos para sul, com passagem obrigatória pelo hotel. A tarde consumia-se, e queríamos chegar a Santa Felicitá antes do pôr-do-sol. [Texto de João Santos]

Ora vê #31

Ora vê #31

o rochedo está vivo e activo
[doce o sorriso da demora]
a montanha é sólida, não rígida

Sete Partidas

Contra as trincheiras, o riso

Contra as trincheiras, o riso

Por estes dias, decorre em Berlim a iniciativa “Reflexos e Reflexões”, que Saba-Nur Cheema e Meron Mendel, dois autores e activistas do diálogo entre judeus e muçulmanos, começaram a programar já em janeiro de 2024, no âmbito dos Berliner Festspiele. O objectivo é proporcionar debates com espaço para nuances, como forma de resistir ao processo de entrincheiramento que o 7 de Outubro e a guerra de Gaza estão a provocar na sociedade alemã. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperam os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This