Iniciativa do Instituto Elijah

Líderes religiosos de visita à Ucrânia

| 11 Abr 2022

Fila de refugiados em Palanca, na fronteira da Moldávia com a Ucrânia. Foto © Vincent Tremeau | UNICEF

Fila de refugiados em Palanca, na fronteira da Moldávia com a Ucrânia. Foto © Vincent Tremeau | UNICEF

 

Uma delegação de líderes religiosos inicia hoje, dia 12 de abril, uma visita histórica a campos de refugiados e à cidade de Chernivtsi, na Ucrânia. A comitiva terá representantes de várias religiões, entre as quais o Ir. Massimo Fusarelli, ministro geral da Ordem Franciscana dos Frades, o Arcebispo emérito de Canterbury, Rowan Williams, o Rabino Jonathan Wittenberg, o Grande Mufti emérito Mustafa Ceric, o Arcebispo ortodoxo Nikitas Lulias, Swami Sarvapriyananda e a Abadessa Irmã Giác Nghiêm, entre outros. 

Os líderes vão visitar vários locais na região de Chernivtsi para “mostrar amizade, oferecer conforto e compartilhar experiências de manutenção do bem-estar espiritual em circunstâncias angustiantes”, pode ler-se no comunicado enviado ao 7MARGENS. 

Um dos pontos do programa da visita será um evento público no principal teatro da cidade, onde os líderes religiosos irão estar com refugiados e outros cidadãos que foram afetados pela guerra. “As suas palavras serão acompanhadas por música ao vivo, interlúdios de instituições religiosas fora da Ucrânia, testemunhos de refugiados e interações com membros da audiência”, naquele que será, informa o comunicado, “o primeiro evento público permitido no teatro desde o início da guerra”. 

O evento é uma co-iniciativa de James Sternlicht, fundador do Departamento de Paz e do Rabino Alon Goshen-Gottstein, fundador e diretor executivo do Elijah Instituto Inter-religioso. James Sternlicht afirma que, “neste momento, num mundo tomado por profunda escuridão, devemos unir-nos para curar a humanidade”, enquanto o rabino Goshen-Gottstein sustenta que, “até onde eu sei, esta é a primeira vez que uma delegação inter-religiosa assume uma missão de amizade e solidariedade, ao entrar num país em guerra. Isso é tanto mais notável considerando o alto nível dos representantes religiosos”, refere. 

O evento no teatro de Chernivtsi terá transmissão em direto através do site http://faithinukraine.com/Stream/ , numa página que será disponibilizada para o efeito no dia.

Este instituto enviou há pouco tempo uma missiva ao Patriarca Cirilo a pedir que este interceda junto do presidente Vladimir Putin para “pedir que ele tome medidas imediatas para descalar o conflito e procurar uma solução pacífica para o mesmo”. “Estamos tristes por ver os combates, ue colocam pessoas de fé umas contra as outras. O conflito existente já teve significativas perdas de vidas, de combatentes e civis”, referia a carta, que acrescentava que “nós, líderes religiosos, somos chamados a assumir as nossas responsabilidades, em nome de Deus, o Seu povo e todas as criaturas”.

Esta missiva foi assinada por 117 responsáveis das diferentes religiões, entre as quais a Igreja Católica, com o Cardeal Christoph Schönborn, e outros responsáveis religiosos de renome, como o Dalai Lama, a juntarem-se à iniciativa.

Cartaz sobre visita de líderes religiosos à Ucrânia para estar com refugiados.

 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This