Líderes religiosos, ONU, UE e Liga Árabe contra anexação de parte da Cisjordânia

| 24 Jun 20

Abu Dis, Palestina. Muro. Israel

Uma mulher na Universidade de Al-Qods (Jerusalém), em Abu Dis, com o muro de separação a serpentear o horizonte. O Governo de Israel está cada vez mais sozinho na decisão de anexar territótio cisjordano. Foto © WCC

 

À medida que se aproxima o dia 1 de julho, data anunciada pelo Governo de Israel para iniciar os planos de anexação de parte dos territórios da Cisjordânia, crescem as vozes que se opõem a esta iniciativa. Representantes religiosos, das Nações Unidas, da Liga Árabe e da União Europeia (com o apoio expresso de Portugal) manifestam uma enorme preocupação com as possíveis consequências da concretização destes planos, que afirmam ser “contrários ao direito internacional” e comprometer as negociações para a paz na região.

O arcebispo (anglicano) de Cantuária, Justin Welby, e o arcebispo (católico)de Westminster, cardeal Vincent Nichols, expressaram a sua oposição a qualquer iniciativa do Governo de Israel de anexar parte do território da Cisjordânia, tendo enviado cartas ao embaixador de Israel no Reino Unido, Mark Regev, e ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, publicadas no site da Conferência Episcopal da Inglaterra e País de Gales.

“Apoiamos inequivocamente o direito fundamental dos cidadãos israelitas de viver em paz e segurança, mas essas perspetivas têm de ser asseguradas apenas por meio da negociação e não pela anexação”, escreveram.

Também a delegação de bispos católicos e anglicanos do grupo de Coordenação da Terra Santa (Holy Land Coordination), que visita regularmente aquela região, apelou esta quarta-feira ao governo britânico que tente impedir a anexação. “Do nosso diálogo com as comunidades na Terra Santa, sabemos em primeira mão que a situação está a deteriorar-se rapidamente. A anexação só traria mais conflito, sofrimento e divisão”, afirmaram num encontro com parlamentares britânicos.

No mesmo dia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, falou na abertura da reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, realizada por videoconferência para debater a questão da anexação e assinalou: “Estamos num momento crucial.” Guterres, que habitualmente não participa nestas sessões, fez questão de se dirigir ao Conselho para expressar a sua preocupação em relação aos planos de Israel, considerando que se trata de um passo unilateral que prejudicaria qualquer perspetiva de retorno às negociações de paz no Médio Oriente.

“A anexação unilateral de Israel a qualquer parte da Cisjordânia ocupada fecharia efetivamente a porta a um reatamento das negociações e destruiria as perspetivas de um Estado palestiniano viável e a solução de dois Estados. Seria catastrófico para os palestinianos, os israelitas e a região”, tinha já afirmado o secretário da ONU no relatório para o Conselho de Segurança, divulgado na terça-feira.

A Liga Árabe, que também participou na sessão, instou igualmente Israel a abandonar os seus planos, reforçando que os mesmos poderão “acabar com os esforços internacionais para criar um Estado palestiniano viável”.

 

Perigoso precedente

À margem da reunião, mais de mil deputados europeus pediram aos seus governos para tomarem uma posição contra os planos de anexar partes da Cisjordânia ocupada, alertando para o precedente que isso estabelecerá nas relações internacionais.

“A Europa deve tomar a iniciativa de mobilizar os atores internacionais para evitar a anexação e salvaguardar as perspetivas da solução de dois Estados e de uma solução justa para o conflito”, afirmam 1.080 signatários de uma carta enviada ao chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, e aos ministros dos Negócios Estrangeiros de 25 países europeus, esta quarta-feira, 24 de junho.

“A aquisição do território pela força não faz sentido em 2020″, observam os deputados, advertindo que “a falta de uma resposta adequada incentivará outros Estados com reivindicações territoriais a ignorar os princípios básicos do direito internacional”.

Portugal apoia os “esforços da União Europeia no sentido de alcançar uma paz sustentável e duradoura no Médio Oriente” e apela a Israel para que “evite qualquer decisão unilateral contrária ao direito internacional”, assegurou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações à agência Lusa.

Já no passado dia 11 de maio, o Conselho Mundial de Igrejas e o Conselho de Igrejas do Oriente tinham também condenado veementemente a anexação unilateral de territórios da Cisjordânia por parte de Israel e pedido à UE “uma posição firme e de princípios” contra o projeto anunciado pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Recorde-se que o projeto de “solução” do conflito israelo-palestinano apresentado pelos Estados Unidos a 28 de janeiro, definido pelo Presidente Donald Trump como o “acordo do século”, deu a Israel a possibilidade de estender a soberania aos colonatos dispersos na Cisjordânia, mas ao mesmo tempo pedia ao Estado israelita que suspendesse a construção de novos colonatos nos territórios árabes durante quatro anos. O acordo foi aceite por Israel, mas tem sido alvo de cada vez mais protestos por parte dos palestinianos e de vários países e organizações internacionais.

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

É notícia

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Cultura e artes

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This