Líderes religiosos, ONU, UE e Liga Árabe contra anexação de parte da Cisjordânia

| 24 Jun 20

Abu Dis, Palestina. Muro. Israel

Uma mulher na Universidade de Al-Qods (Jerusalém), em Abu Dis, com o muro de separação a serpentear o horizonte. O Governo de Israel está cada vez mais sozinho na decisão de anexar territótio cisjordano. Foto © WCC

 

À medida que se aproxima o dia 1 de julho, data anunciada pelo Governo de Israel para iniciar os planos de anexação de parte dos territórios da Cisjordânia, crescem as vozes que se opõem a esta iniciativa. Representantes religiosos, das Nações Unidas, da Liga Árabe e da União Europeia (com o apoio expresso de Portugal) manifestam uma enorme preocupação com as possíveis consequências da concretização destes planos, que afirmam ser “contrários ao direito internacional” e comprometer as negociações para a paz na região.

O arcebispo (anglicano) de Cantuária, Justin Welby, e o arcebispo (católico)de Westminster, cardeal Vincent Nichols, expressaram a sua oposição a qualquer iniciativa do Governo de Israel de anexar parte do território da Cisjordânia, tendo enviado cartas ao embaixador de Israel no Reino Unido, Mark Regev, e ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, publicadas no site da Conferência Episcopal da Inglaterra e País de Gales.

“Apoiamos inequivocamente o direito fundamental dos cidadãos israelitas de viver em paz e segurança, mas essas perspetivas têm de ser asseguradas apenas por meio da negociação e não pela anexação”, escreveram.

Também a delegação de bispos católicos e anglicanos do grupo de Coordenação da Terra Santa (Holy Land Coordination), que visita regularmente aquela região, apelou esta quarta-feira ao governo britânico que tente impedir a anexação. “Do nosso diálogo com as comunidades na Terra Santa, sabemos em primeira mão que a situação está a deteriorar-se rapidamente. A anexação só traria mais conflito, sofrimento e divisão”, afirmaram num encontro com parlamentares britânicos.

No mesmo dia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, falou na abertura da reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, realizada por videoconferência para debater a questão da anexação e assinalou: “Estamos num momento crucial.” Guterres, que habitualmente não participa nestas sessões, fez questão de se dirigir ao Conselho para expressar a sua preocupação em relação aos planos de Israel, considerando que se trata de um passo unilateral que prejudicaria qualquer perspetiva de retorno às negociações de paz no Médio Oriente.

“A anexação unilateral de Israel a qualquer parte da Cisjordânia ocupada fecharia efetivamente a porta a um reatamento das negociações e destruiria as perspetivas de um Estado palestiniano viável e a solução de dois Estados. Seria catastrófico para os palestinianos, os israelitas e a região”, tinha já afirmado o secretário da ONU no relatório para o Conselho de Segurança, divulgado na terça-feira.

A Liga Árabe, que também participou na sessão, instou igualmente Israel a abandonar os seus planos, reforçando que os mesmos poderão “acabar com os esforços internacionais para criar um Estado palestiniano viável”.

 

Perigoso precedente

À margem da reunião, mais de mil deputados europeus pediram aos seus governos para tomarem uma posição contra os planos de anexar partes da Cisjordânia ocupada, alertando para o precedente que isso estabelecerá nas relações internacionais.

“A Europa deve tomar a iniciativa de mobilizar os atores internacionais para evitar a anexação e salvaguardar as perspetivas da solução de dois Estados e de uma solução justa para o conflito”, afirmam 1.080 signatários de uma carta enviada ao chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, e aos ministros dos Negócios Estrangeiros de 25 países europeus, esta quarta-feira, 24 de junho.

“A aquisição do território pela força não faz sentido em 2020″, observam os deputados, advertindo que “a falta de uma resposta adequada incentivará outros Estados com reivindicações territoriais a ignorar os princípios básicos do direito internacional”.

Portugal apoia os “esforços da União Europeia no sentido de alcançar uma paz sustentável e duradoura no Médio Oriente” e apela a Israel para que “evite qualquer decisão unilateral contrária ao direito internacional”, assegurou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações à agência Lusa.

Já no passado dia 11 de maio, o Conselho Mundial de Igrejas e o Conselho de Igrejas do Oriente tinham também condenado veementemente a anexação unilateral de territórios da Cisjordânia por parte de Israel e pedido à UE “uma posição firme e de princípios” contra o projeto anunciado pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Recorde-se que o projeto de “solução” do conflito israelo-palestinano apresentado pelos Estados Unidos a 28 de janeiro, definido pelo Presidente Donald Trump como o “acordo do século”, deu a Israel a possibilidade de estender a soberania aos colonatos dispersos na Cisjordânia, mas ao mesmo tempo pedia ao Estado israelita que suspendesse a construção de novos colonatos nos territórios árabes durante quatro anos. O acordo foi aceite por Israel, mas tem sido alvo de cada vez mais protestos por parte dos palestinianos e de vários países e organizações internacionais.

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (20) – P. Luís Marinho: A quem pertences?

Precisamos de nos ouvir (20) – P. Luís Marinho: A quem pertences? novidade

A liturgia daquele 2º domingo de setembro de 2020 dava-nos a ouvir breves e incisivas frases da Carta aos Romanos: “Nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo. Se vivemos, vivemos para o Senhor, e se morremos, morremos para o Senhor.” A minha memória foi tomada pela letra de uma canção que povoou o meu imaginário juvenil – um sentido grito de liberdade!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Que futuro, Iémen? novidade

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

A sociedade e os idosos

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This