Ucrânia

Líderes religiosos pedem libertação de detidos

| 18 Fev 2022

“Os conflitos só dão origem a novos conflitos”, alertou o bispo católico de rito latino de Kiev, Vitalii Kryvytskyi.  Foto © Ministério da Defesa da Ucrânia.

 

O Conselho Pan-Ucraniano de Igrejas e de Organizações Religiosas fez esta semana um apelo à Rússia e à Ucrânia para que demonstrem “boa vontade”, implementando efetivamente o acordo sobre a troca de prisioneiros. Os responsáveis religiosos apelam ao diálogo diplomático para “evitar o terrível derramamento de sangue” e promover “uma paz duradoura e justa”.

“Exortando todos os participantes no processo a mostrarem determinação e a fazerem os esforços necessários para a troca de pessoas, detidas devido ao conflito, como um primeiro passo na implementação da estratégia geral de distensão do conflito, dirigimo-nos a vós com o pedido de tomar, sem mais tardar, todas as ações necessárias para a libertação de todos os detidos, por misericórdia e em vista de considerações humanitárias”, lê-se no apelo do Conselho de Igrejas aos presidentes da Rússia e da Ucrânia, Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky, citado pela Agência Ecclesia.

O bispo católico de rito latino de Kiev, Vitalii Kryvytskyi, pediu à comunidade internacional que não use a Ucrânia para “resolver os seus próprios problemas”. “A Ucrânia deve permanecer totalmente independente, rejeitando os pensamentos e desejos imperialistas de todo e qualquer vizinho”, disse o bispo, num encontro com jornalistas na Catedral de Santo Alexandre, na capital ucraniana.

O bispo, religioso salesiano, alertou que “os conflitos só dão origem a novos conflitos”, evocando os acontecimentos de 2014, desde a anexação da Crimeia pela Rússia.

Vitalii Kryvytskyi salientou também que o diálogo para “um processo de paz parece continuar” e que acredita “muito que a guerra não está a começar”, embora tenha referido que também vê “os investidores a tentar tirar o capital do país, as companhias aéreas a fechar voos e muitas embaixadas a retirar os seus funcionários”.

Para o líder religioso, a consequência deste conflito é que a Ucrânia e o seu povo “já estão a sofrer”, e observa que aos muitos migrantes que deixaram o país de leste no passado “poderiam agora juntar-se outros que já estão a pensar em deixar o país”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This