Cerimónia reúne várias religiões em Londres

Líderes religiosos pedem perdão pelos “pecados climáticos”

| 13 Nov 2022

Uma caminhada promovida pelo Arcebispo Rowan Williams. Foto © Jewish News Reporter

Uma caminhada promovida pelo Arcebispo Emérito Rowan Williams e que envolveu vários líderes religiosos. Foto © Jewish News Reporter

 

O arcebispo emérito de Canterbury, Rowan Williams, e vários outros representantes das religiões cristã, judaica, muçulmana, hindu, budista e sikh subiram hoje, dia 13 de novembro, a Colina do Parlamento (Norte de Londres) como forma de afirmarem a necessidade de “pedir perdão pelos pecados climáticos” e a esperança de que a COP27 termine adotando medidas concretas de “ação em favor do planeta”.

A caminhada, noticiado pelo Jewish News, de 13 de novembro, foi organizada pelo rabino Alon Goshen-Gottstein, diretor do Elijah Interfaith Institute, e pretendeu mostrar aos líderes mundiais reunidos na Cimeira do Clima das Nações Unidas (COP27) que decorre no Egito até 18 de novembro “que não estão a negociar em nome de um país, ou de um conjunto de interesses, mas em nome de uma visão mais profunda da humanidade”.

“Devemos enfrentar honestamente os hábitos destrutivos que continuam a limitar as possibilidades e as esperanças dos seres humanos” na melhoria das condições de sustentabilidade do planeta, referiu o arcebispo emérito de Canterbury apelando “ao despertar# de todos para o problema das alterações climáticas e ao “autoexame” da prática de cada um.

Durante a cerimónia, os líderes religiosos comprometeram-se num juramento pessoal em que afirma: “Eu, como uma pessoa de esperança, comprometo-me , em cada dia que eu viva, a fazer o meu melhor para tornar o mundo melhor para as pessoas e para o futuro do planeta.”

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This