Líderes religiosos perguntam se há um problema da União Europeia com a religião

| 7 Jul 20

Pinchas Goldschmidt. Judaísmo

Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência Europeia de Rabis judeus. Foto © World Economic Forum 2013/Wikimedia Commons

 

A decisão da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de não prolongar o mandato do actual comissário para a liberdade religiosa fora da Europa e de abolir este cargo ao nível da União Europeia tem merecido críticas generalizadas dos representantes das três grandes religiões monoteístas.

O rabi-mor de Moscovo, Pinchas Goldschmidt,  actual presidente da Conferência Europeia de Rabis, Aiman Mazyek, o presidente do Conselho dos Muçulmanos da Alemanha, o metropolita Augoustinos, arcebispo dos greco-ortodoxos na Alemanha, bem como o cardeal Jean-Claude Hollerich (Luxemburgo), presidente da Comissão dos Episcopados da União Europeia (Comece), são unânimes a lamentar e a manifestar a sua incompreensão para com esta decisão da presidente da Comissão – ainda mais sabendo que Ursula von der Leyen integra um partido democrata-cristão.

“Num tempo em que judeus e outras minorias relgiosas são alvo de agressões extremistas tanto online como offline, e em que o exercício da liberdade religiosa é dificultado, esta decisão é sem dúvida um falso sinal para a Europa”, afirmava Goldschmidt em declarações à Deutsche Welle. “Será que a Europa tem problemas com a religião?”, perguntava o rabi.

O lugar de comissário europeu para a liberdade religiosa foi criado por Jean-Claude Junker e foi ocupado até agora pelo eslovaco Jan Figel.
Para além da questão de quem poderia ou não continuar a ocupar este lugar, “o mais importante é que haja este posto na União Europeia”, afirmava Jan Figel, numa entrevista à agência noticiosa católica alemã KNA. E acrescentava: “Espero muito que continue a haver. É um sinal importante dirigido a todas as pessoas que são perseguidas em razão da sua religião. E cada vez são mais. Para mim era claro que falar de liberdade religiosa é falar da dignidade humana.”

Figel levou a sério os esforços da União Europeia em “empenhar-se pela liberdade religiosa para todos” – reagiu por sua vez o cardeal Hollerich. O seu empenhamento foi um valioso contributo para a protecção de todos os que são vítimas de discriminação e de perseguição religiosa”, acrescentava.

O arcebispo alemão de Bamberg, Ludwig Schickel, presidente da Comissão Episcopal para asssuntos da Igreja universal, publicava via Twitter o apelo ao empenhamento pela continuação deste cargo europeu. Ele mesmo teria dirigido uma carta nesse sentido a Ursula von der Leyen e a todos os deputados europeus da Baviera. “A liberdade religiosa tem a ver com o esssencial do ser humano e é o núcleo dos direitos humanos”, escrevia Schick no domingo, 5 de Julho.

A juntar-se às vozes dos representantes das Igrejas e figuras religiosas, não passará despercebida em Bruxelas a iniciativa de 135 deputados do Parlamento alemão, com nomes de todos os sectores, a exigir a continuação do cargo de comissário para a liberdade religiosa. Mas é uma incógnita, para já, saber o resultado destas reacções junto da presidente da Comissão.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Papa pede que se evite “espiral de violência” no Médio Oriente

Depois de ataques do Irão contra Israel

Papa pede que se evite “espiral de violência” no Médio Oriente

O Papa pediu este domingo, no Vaticano, que se evite uma “espiral de violência” no Médio Oriente, reagindo aos ataques que o Irão lançou contra Israel, na última noite. “Quanto sofrimento, rezemos pela paz. Basta de guerra, basta de ataques, basta de violência! Que haja diálogo e que haja paz.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

História de uma alma

História de uma alma

Não me é fácil ler com agrado obras de caráter espiritual com ou sem cariz autobiográfico. Em boa medida, muitas dessas obras refletem conceções com as quais não me identifico. Espelham um cristianismo individualista, voltado para o “aperfeiçoamento” pessoal, sem qualquer atenção a aspetos de natureza social. [Texto de Jorge Paulo]

Cultura e artes

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

7MARGENS/Antena 1

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

“O tema que me marcou mais desde o início foi o da libertação: tinha a ver com o problema da falta de liberdade que havia na altura até 1974 e que eu percebi que era um tema fundamental, que me mobilizava.” A afirmação é de José Carlos Cantante, arquitecto de formação, compositor por vocação, autor de algumas dezenas de músicas para a liturgia católica, que aliam a sua experiência de vida e os temas que encontra na realidade à experiência crente e à reflexão sobre a Bíblia.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

7Margens/Antena 1

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

Deputado “vermelho” e autarca, o padre José Martins Júnior foi suspenso durante 44 anos das suas funções na Igreja. Mas insiste em que o seu “crime” foi, depois do 25 de Abril, ajudar as populações. Readmitido em Julho de 2019, Martins Júnior conta, nesta entrevista, como foi suspenso e diz como olha para a política e a Igreja neste momento.

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This