Líderes religiosos perguntam se há um problema da União Europeia com a religião

| 7 Jul 20

Pinchas Goldschmidt. Judaísmo

Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência Europeia de Rabis judeus. Foto © World Economic Forum 2013/Wikimedia Commons

 

A decisão da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de não prolongar o mandato do actual comissário para a liberdade religiosa fora da Europa e de abolir este cargo ao nível da União Europeia tem merecido críticas generalizadas dos representantes das três grandes religiões monoteístas.

O rabi-mor de Moscovo, Pinchas Goldschmidt,  actual presidente da Conferência Europeia de Rabis, Aiman Mazyek, o presidente do Conselho dos Muçulmanos da Alemanha, o metropolita Augoustinos, arcebispo dos greco-ortodoxos na Alemanha, bem como o cardeal Jean-Claude Hollerich (Luxemburgo), presidente da Comissão dos Episcopados da União Europeia (Comece), são unânimes a lamentar e a manifestar a sua incompreensão para com esta decisão da presidente da Comissão – ainda mais sabendo que Ursula von der Leyen integra um partido democrata-cristão.

“Num tempo em que judeus e outras minorias relgiosas são alvo de agressões extremistas tanto online como offline, e em que o exercício da liberdade religiosa é dificultado, esta decisão é sem dúvida um falso sinal para a Europa”, afirmava Goldschmidt em declarações à Deutsche Welle. “Será que a Europa tem problemas com a religião?”, perguntava o rabi.

O lugar de comissário europeu para a liberdade religiosa foi criado por Jean-Claude Junker e foi ocupado até agora pelo eslovaco Jan Figel.
Para além da questão de quem poderia ou não continuar a ocupar este lugar, “o mais importante é que haja este posto na União Europeia”, afirmava Jan Figel, numa entrevista à agência noticiosa católica alemã KNA. E acrescentava: “Espero muito que continue a haver. É um sinal importante dirigido a todas as pessoas que são perseguidas em razão da sua religião. E cada vez são mais. Para mim era claro que falar de liberdade religiosa é falar da dignidade humana.”

Figel levou a sério os esforços da União Europeia em “empenhar-se pela liberdade religiosa para todos” – reagiu por sua vez o cardeal Hollerich. O seu empenhamento foi um valioso contributo para a protecção de todos os que são vítimas de discriminação e de perseguição religiosa”, acrescentava.

O arcebispo alemão de Bamberg, Ludwig Schickel, presidente da Comissão Episcopal para asssuntos da Igreja universal, publicava via Twitter o apelo ao empenhamento pela continuação deste cargo europeu. Ele mesmo teria dirigido uma carta nesse sentido a Ursula von der Leyen e a todos os deputados europeus da Baviera. “A liberdade religiosa tem a ver com o esssencial do ser humano e é o núcleo dos direitos humanos”, escrevia Schick no domingo, 5 de Julho.

A juntar-se às vozes dos representantes das Igrejas e figuras religiosas, não passará despercebida em Bruxelas a iniciativa de 135 deputados do Parlamento alemão, com nomes de todos os sectores, a exigir a continuação do cargo de comissário para a liberdade religiosa. Mas é uma incógnita, para já, saber o resultado destas reacções junto da presidente da Comissão.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo!

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This