Líderes religiosos perguntam se há um problema da União Europeia com a religião

| 7 Jul 20

Pinchas Goldschmidt. Judaísmo

Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência Europeia de Rabis judeus. Foto © World Economic Forum 2013/Wikimedia Commons

 

A decisão da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de não prolongar o mandato do actual comissário para a liberdade religiosa fora da Europa e de abolir este cargo ao nível da União Europeia tem merecido críticas generalizadas dos representantes das três grandes religiões monoteístas.

O rabi-mor de Moscovo, Pinchas Goldschmidt,  actual presidente da Conferência Europeia de Rabis, Aiman Mazyek, o presidente do Conselho dos Muçulmanos da Alemanha, o metropolita Augoustinos, arcebispo dos greco-ortodoxos na Alemanha, bem como o cardeal Jean-Claude Hollerich (Luxemburgo), presidente da Comissão dos Episcopados da União Europeia (Comece), são unânimes a lamentar e a manifestar a sua incompreensão para com esta decisão da presidente da Comissão – ainda mais sabendo que Ursula von der Leyen integra um partido democrata-cristão.

“Num tempo em que judeus e outras minorias relgiosas são alvo de agressões extremistas tanto online como offline, e em que o exercício da liberdade religiosa é dificultado, esta decisão é sem dúvida um falso sinal para a Europa”, afirmava Goldschmidt em declarações à Deutsche Welle. “Será que a Europa tem problemas com a religião?”, perguntava o rabi.

O lugar de comissário europeu para a liberdade religiosa foi criado por Jean-Claude Junker e foi ocupado até agora pelo eslovaco Jan Figel.
Para além da questão de quem poderia ou não continuar a ocupar este lugar, “o mais importante é que haja este posto na União Europeia”, afirmava Jan Figel, numa entrevista à agência noticiosa católica alemã KNA. E acrescentava: “Espero muito que continue a haver. É um sinal importante dirigido a todas as pessoas que são perseguidas em razão da sua religião. E cada vez são mais. Para mim era claro que falar de liberdade religiosa é falar da dignidade humana.”

Figel levou a sério os esforços da União Europeia em “empenhar-se pela liberdade religiosa para todos” – reagiu por sua vez o cardeal Hollerich. O seu empenhamento foi um valioso contributo para a protecção de todos os que são vítimas de discriminação e de perseguição religiosa”, acrescentava.

O arcebispo alemão de Bamberg, Ludwig Schickel, presidente da Comissão Episcopal para asssuntos da Igreja universal, publicava via Twitter o apelo ao empenhamento pela continuação deste cargo europeu. Ele mesmo teria dirigido uma carta nesse sentido a Ursula von der Leyen e a todos os deputados europeus da Baviera. “A liberdade religiosa tem a ver com o esssencial do ser humano e é o núcleo dos direitos humanos”, escrevia Schick no domingo, 5 de Julho.

A juntar-se às vozes dos representantes das Igrejas e figuras religiosas, não passará despercebida em Bruxelas a iniciativa de 135 deputados do Parlamento alemão, com nomes de todos os sectores, a exigir a continuação do cargo de comissário para a liberdade religiosa. Mas é uma incógnita, para já, saber o resultado destas reacções junto da presidente da Comissão.

 

Artigos relacionados

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um debate virtual sobre A Economia de Francisco novidade

Com o objectivo de dar um contributo para a reflexão sobre o encontro A Economia de Francisco, que decorreu no final de Novembro, a Capela do Rato (Lisboa) organizou um debate, que decorrerá via Zoom, “sobre as pistas e os caminhos para uma economia mais humana e mais justa”.

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Banco de Tempo, solidariedade e o legado da minha mãe novidade

Pergunto-me ainda porque vivi quatro anos em Lisboa e não conheci um vizinho meu. Vivia num prédio com elevador, diga-se. Cruzava-me com pessoas nesse lugar, mas nunca nos falávamos, um bom dia que fosse… nunca ouvi, e nunca o disse… nunca quebrei o gelo. Tive de o quebrar, agora, dez anos depois, num prédio diferente, quando precisei que um residente em Portugal assinasse uma declaração atestando que um parente meu era seu vizinho. Para se obter um Atestado de Residência, em Portugal, é imperioso que um vizinho o ateste, antes da Junta da Freguesia.

Ihor Homenyuk, morada e conterrâneos

E para que não esqueçamos como é difícil romper a espessa camada do preconceito e da sobranceria nacionalista, não apenas em relação aos trabalhadores da construção civil como Ihor Homenyuk (onde se juntam o preconceito racial com o preconceito de classe), sir Hersch Lauterpacht, o académico de renome mundial, cavaleiro da Ordem do Império Britânico, foi eleito, em 1955, juiz do Tribunal Internacional de Justiça de Haia, “apesar da oposição de alguns que o consideravam insuficientemente britânico”.

O homem que o povo alemão pedia

Porquê escrever, a pretexto de um dia em memória das vítimas do Holocausto, sobre o homem responsável pelo maior genocídio da história? Porque também hoje pululam pequenos homens cheios de ódio, incapazes de lidar com a sua insignificância pessoal, mas cujo ego descomunal estimulado por um contexto favorável os pode transformar em caudilhos de populações exasperadas pelo abandono e pelo medo.

Cultura e artes

“Menina e Moça”, os judeus sefarditas e a emanação feminina de Deus

Gritos de espanto e assombro do poeta judeu português, Samuel Usque, face à perseguição e tragédia do seu povo. Dor que transcende o Universo. Atracou em Sepharad – nome judaico dado à Península Ibérica – nos séculos II ou III, numerosa comunidade judaica que aqui se estabeleceu: artesãos, cientistas, comerciantes, escritores, filósofos, juristas, médicos, frequentadores das cortes e conselheiros de reis.

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This