António Osório (1933-2021)

“Limpamente diante de Deus”

| 20 Nov 21

António Osório

Foto (António Osório): retirada do vídeo “De viva voz. Poetas, actores e outros convidados dizem poesia sua e de outros.” Instituto Camões, comemoração do Dia Mundial da Poesia , 21 de março 2009. Poemas de António Osório, Espetáculo Centro Cultural de Belém, 22 março 2009.

 

Realiza-se esta segunda-feira o funeral de António Osório, um dos grandes poetas contemporâneos, que morreu na quinta-feira aos 88 anos. Obras como, por exemplo, A Raiz Afectuosa (1972), A Ignorância da Morte (1978), O Lugar do Amor (1981) ou Décima Aurora (1982) são referências incontornáveis da história da poesia portuguesa actual.

Obteve uma mais ampla notoriedade por ter sido bastonário da Ordem dos Advogados e sobre a circunstância de os poetas serem insuficientemente conhecidos pronunciou-se em 2010, numa mensagem para o Dia Mundial da Poesia. Observou então que são os livros “dos ‘ases’ do futebol e da televisão” aqueles “que colhem fortunas”. Para António Osório, “em contrapartida, as edições de poesia sofrem acentuada diminuição das tiragens. Os jovens universitários lêem cada vez menos, trocando a poesia, quando a trocam, pela ‘prosa’ multimilionária”.

“A poesia é ainda possível?”, interrogava-se nessa altura. Na resposta, impunha à poesia que não se confinasse “a uma ironia sarcástica contra um mundo cruel”, mas fosse “um ‘refúgio’ contra a voragem tecnocrática, contra o desrespeito pela beleza do mundo, contra a destruição da paisagem”. Os valores da poesia, explicava António Osório, são os valores da vida. A poesia, acrescentava ele, citando Benedetto Croce, é “a ‘palavra cósmica’, uma forma de não se submeter, mas de se indignar, de estar ao lado dos humilhados, uma afirmação humanista”.

Na mensagem de há cerca de uma década, o poeta recordava o que Rainer Maria Rilke escreveu nas Cartas a Um Jovem Poeta: “ser artista é amanhecer como as árvores, que não duvidam da própria seiva e que enfrentam tranquilas as tempestades da Primavera, sem recear que o Verão não chegue”. Para António Osório, “teremos de ser como elas, que não põem em causa a própria seiva e que resistem às tempestades da Primavera. Contra o desprezo pela poesia, oponhamos a nossa perseverante defesa. E ofereçamos os nossos livros, com um gesto fraterno”.

De António Osório, fica-nos agora A Luz Fraterna, para usar o título da obra que reúne a poesia de entre 1965 e 2009, ou, se se preferir, “O pão das palavras”, título do texto incluído em Crónica da Fortuna:

“Fortuna dos cegos, dos órfãos, dos loucos, dos drogados.

Fortuna de quem sofre no circo pelos acrobatas, pela perseverança dos palhaços, pela apoteose final, a que ninguém se furta, nem mesmo os trapezistas, ciosos de aplausos como de festas de cães.

‘Má fortuna’ confessada a de Camões, prova terrível contra o destino. (A miséria dos homens não é o destino, mas a sua imperfeição.)

Fortuna dos que não morrem em vida. Dos que passam por dentro e pelo fundo da sua tristeza, e vão além. Dos que se contentam com o súbito pão das palavras. Dos que não causam dano nem semeiam culpa. Dos que poderiam apresentar-se limpamente diante de Deus.”

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This