Limpar as praias e praticar ioga porque “todos fazemos parte do planeta”

| 1 Fev 19 | Casa Comum, Estilos de vida alternativos, Últimas

Uma manhã a limpar as praias que termina com uma aula de ioga. Pode parecer uma combinação pouco usual, mas é o que acontecerá neste sábado, 2 de fevereiro, na praia da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril. E, para Vânia Montinho, 40 anos, é algo que faz todo o sentido: “Quanto mais praticamos ioga e meditação, mais nos tornamos conscientes do que está à nossa volta. Não há separação entre nós e o meio ambiente: estamos todos ligados de alguma forma. Faz sentido, segundo o que ensina esta filosofia, termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.”

Vânia é professora de ioga e co-fundadora da OmWay, comunidade que pretende juntar as pessoas ligadas às áreas de desenvolvimento pessoal, bem-estar e práticas holísticas com a natureza: “Começámos com aulas de ioga ao ar livre, usufruindo dos espaços exteriores que temos na linha de Cascais e da beleza natural do local.”

A ideia é consciencializar as pessoas de que “todos fazemos parte do planeta” e que precisamos de o preservar. No Inverno, conta a professora de ioga, há menos ideias para atividades mas, no final de 2018, Tiago Botelho, um dos professores que colabora com a comunidade, fez a proposta. “É uma ideia que me acompanha já há algum tempo. Vou muito à praia mesmo no Inverno, porque faço surf, e reparo que continua a haver lixo nesta época.”

Vânia Montinho e Tiago Botelho. Foto © Maria Wilton.

Com esta iniciativa, Tiago pretende também que os participantes entendam uma importante dimensão do problema: “Um amigo, responsável pela iniciativa ‘Portugal Sem Plástico’, encontrou uma vez no mar uma embalagem de manteiga com mais de 20 anos. Às vezes com o reconhecimento in loco é que se tem verdadeira consciência da importância de fazer alguma coisa.”

O grupo de participantes do “Karma Yoga” terá a seu cargo um roteiro de limpeza pelas praias de S.Pedro, Bafureira e Avencas, com especial atenção aos plásticos “com grande impacto a nível ambiental”. No fim, terminarão na praia da Parede com uma aula de ioga. O ponto de encontro é no anfiteatro da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril, às 9h, onde serão fornecidos sacos para o lixo. Apenas se deve levar comida, que todos partilham no final da iniciativa.

“Tu és natureza”

O ioga é uma disciplina e filosofia de auto-conhecimento onde se aprende a mostrar uma maior consciência interna e “de tudo o que se passa à nossa volta”: “Acreditamos que fazemos parte de um todo, não estamos dissociados do que está à nossa volta. Hoje em dia, infelizmente, há cada vez mais poluição nos rios e nos mares e nós somos os responsáveis. Sendo responsáveis, também somos responsáveis por limpar e manter os bens que nos são comuns,” comenta Vânia Montinho.

Também para Tiago isto faz sentido, até por aquilo que considera uma das peças-chave da filosofia: “O ioga ensina-nos a eliminar a separação entre pessoas e natureza. Tu és natureza, na verdade. E se todos nós percebêssemos isto, então não havia necessidade de sujar o ambiente.”

Na vida de Vânia, o ioga surgiu “por acaso” e não com algum objetivo específico: “Comecei a gostar e a sentir realmente um efeito muito profundo a nível mais emocional e psicológico, do que propriamente físico.” Gostou tanto que acabou por tirar o curso de formação de professores, apenas com o objetivo de “aprender mais” sem intenção de dar aulas. “Mas cá estou”, diz a sorrir.

No dia-a-dia, a espiritualidade é vivida a ter “um pouco mais de consciência nas situações de maior stress: perceber que tudo passa, tanto as situações boas como as más. São apenas coisas efémeras – e nós continuamos cá.”

“Faz sentido, ensinado esta filosofia termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.” Foto © Maria Wilton.

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

O sonho de um novo humanismo… novidade

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Fale connosco