Limpar as praias e praticar ioga porque “todos fazemos parte do planeta”

| 1 Fev 19

Uma manhã a limpar as praias que termina com uma aula de ioga. Pode parecer uma combinação pouco usual, mas é o que acontecerá neste sábado, 2 de fevereiro, na praia da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril. E, para Vânia Montinho, 40 anos, é algo que faz todo o sentido: “Quanto mais praticamos ioga e meditação, mais nos tornamos conscientes do que está à nossa volta. Não há separação entre nós e o meio ambiente: estamos todos ligados de alguma forma. Faz sentido, segundo o que ensina esta filosofia, termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.”

Vânia é professora de ioga e co-fundadora da OmWay, comunidade que pretende juntar as pessoas ligadas às áreas de desenvolvimento pessoal, bem-estar e práticas holísticas com a natureza: “Começámos com aulas de ioga ao ar livre, usufruindo dos espaços exteriores que temos na linha de Cascais e da beleza natural do local.”

A ideia é consciencializar as pessoas de que “todos fazemos parte do planeta” e que precisamos de o preservar. No Inverno, conta a professora de ioga, há menos ideias para atividades mas, no final de 2018, Tiago Botelho, um dos professores que colabora com a comunidade, fez a proposta. “É uma ideia que me acompanha já há algum tempo. Vou muito à praia mesmo no Inverno, porque faço surf, e reparo que continua a haver lixo nesta época.”

Vânia Montinho e Tiago Botelho. Foto © Maria Wilton.

Com esta iniciativa, Tiago pretende também que os participantes entendam uma importante dimensão do problema: “Um amigo, responsável pela iniciativa ‘Portugal Sem Plástico’, encontrou uma vez no mar uma embalagem de manteiga com mais de 20 anos. Às vezes com o reconhecimento in loco é que se tem verdadeira consciência da importância de fazer alguma coisa.”

O grupo de participantes do “Karma Yoga” terá a seu cargo um roteiro de limpeza pelas praias de S.Pedro, Bafureira e Avencas, com especial atenção aos plásticos “com grande impacto a nível ambiental”. No fim, terminarão na praia da Parede com uma aula de ioga. O ponto de encontro é no anfiteatro da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril, às 9h, onde serão fornecidos sacos para o lixo. Apenas se deve levar comida, que todos partilham no final da iniciativa.

“Tu és natureza”

O ioga é uma disciplina e filosofia de auto-conhecimento onde se aprende a mostrar uma maior consciência interna e “de tudo o que se passa à nossa volta”: “Acreditamos que fazemos parte de um todo, não estamos dissociados do que está à nossa volta. Hoje em dia, infelizmente, há cada vez mais poluição nos rios e nos mares e nós somos os responsáveis. Sendo responsáveis, também somos responsáveis por limpar e manter os bens que nos são comuns,” comenta Vânia Montinho.

Também para Tiago isto faz sentido, até por aquilo que considera uma das peças-chave da filosofia: “O ioga ensina-nos a eliminar a separação entre pessoas e natureza. Tu és natureza, na verdade. E se todos nós percebêssemos isto, então não havia necessidade de sujar o ambiente.”

Na vida de Vânia, o ioga surgiu “por acaso” e não com algum objetivo específico: “Comecei a gostar e a sentir realmente um efeito muito profundo a nível mais emocional e psicológico, do que propriamente físico.” Gostou tanto que acabou por tirar o curso de formação de professores, apenas com o objetivo de “aprender mais” sem intenção de dar aulas. “Mas cá estou”, diz a sorrir.

No dia-a-dia, a espiritualidade é vivida a ter “um pouco mais de consciência nas situações de maior stress: perceber que tudo passa, tanto as situações boas como as más. São apenas coisas efémeras – e nós continuamos cá.”

“Faz sentido, ensinado esta filosofia termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.” Foto © Maria Wilton.

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo novidade

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Pessoas

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida novidade

No contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022 [entre 18 e 25 de janeiro] prestamos tributo a um homem bom, um fiel seguidor de Cristo e um cristão verdadeiramente ecuménico e aberto ao diálogo inter-religioso. Um cristão também com profundo sentido de humor e de alegria, que é sempre um sinal de uma boa espiritualidade.

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This