Limpar as praias e praticar ioga porque “todos fazemos parte do planeta”

| 1 Fev 19

Uma manhã a limpar as praias que termina com uma aula de ioga. Pode parecer uma combinação pouco usual, mas é o que acontecerá neste sábado, 2 de fevereiro, na praia da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril. E, para Vânia Montinho, 40 anos, é algo que faz todo o sentido: “Quanto mais praticamos ioga e meditação, mais nos tornamos conscientes do que está à nossa volta. Não há separação entre nós e o meio ambiente: estamos todos ligados de alguma forma. Faz sentido, segundo o que ensina esta filosofia, termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.”

Vânia é professora de ioga e co-fundadora da OmWay, comunidade que pretende juntar as pessoas ligadas às áreas de desenvolvimento pessoal, bem-estar e práticas holísticas com a natureza: “Começámos com aulas de ioga ao ar livre, usufruindo dos espaços exteriores que temos na linha de Cascais e da beleza natural do local.”

A ideia é consciencializar as pessoas de que “todos fazemos parte do planeta” e que precisamos de o preservar. No Inverno, conta a professora de ioga, há menos ideias para atividades mas, no final de 2018, Tiago Botelho, um dos professores que colabora com a comunidade, fez a proposta. “É uma ideia que me acompanha já há algum tempo. Vou muito à praia mesmo no Inverno, porque faço surf, e reparo que continua a haver lixo nesta época.”

Vânia Montinho e Tiago Botelho. Foto © Maria Wilton.

Com esta iniciativa, Tiago pretende também que os participantes entendam uma importante dimensão do problema: “Um amigo, responsável pela iniciativa ‘Portugal Sem Plástico’, encontrou uma vez no mar uma embalagem de manteiga com mais de 20 anos. Às vezes com o reconhecimento in loco é que se tem verdadeira consciência da importância de fazer alguma coisa.”

O grupo de participantes do “Karma Yoga” terá a seu cargo um roteiro de limpeza pelas praias de S.Pedro, Bafureira e Avencas, com especial atenção aos plásticos “com grande impacto a nível ambiental”. No fim, terminarão na praia da Parede com uma aula de ioga. O ponto de encontro é no anfiteatro da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril, às 9h, onde serão fornecidos sacos para o lixo. Apenas se deve levar comida, que todos partilham no final da iniciativa.

“Tu és natureza”

O ioga é uma disciplina e filosofia de auto-conhecimento onde se aprende a mostrar uma maior consciência interna e “de tudo o que se passa à nossa volta”: “Acreditamos que fazemos parte de um todo, não estamos dissociados do que está à nossa volta. Hoje em dia, infelizmente, há cada vez mais poluição nos rios e nos mares e nós somos os responsáveis. Sendo responsáveis, também somos responsáveis por limpar e manter os bens que nos são comuns,” comenta Vânia Montinho.

Também para Tiago isto faz sentido, até por aquilo que considera uma das peças-chave da filosofia: “O ioga ensina-nos a eliminar a separação entre pessoas e natureza. Tu és natureza, na verdade. E se todos nós percebêssemos isto, então não havia necessidade de sujar o ambiente.”

Na vida de Vânia, o ioga surgiu “por acaso” e não com algum objetivo específico: “Comecei a gostar e a sentir realmente um efeito muito profundo a nível mais emocional e psicológico, do que propriamente físico.” Gostou tanto que acabou por tirar o curso de formação de professores, apenas com o objetivo de “aprender mais” sem intenção de dar aulas. “Mas cá estou”, diz a sorrir.

No dia-a-dia, a espiritualidade é vivida a ter “um pouco mais de consciência nas situações de maior stress: perceber que tudo passa, tanto as situações boas como as más. São apenas coisas efémeras – e nós continuamos cá.”

“Faz sentido, ensinado esta filosofia termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.” Foto © Maria Wilton.

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Pessoas

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Funeral do antigo Chefe de Estado

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Os valores que o Presidente Jorge Sampaio viveu na sua vida pública eram “com certeza” valores “essencialmente cristãos”, disse o cardeal-patriarca de Lisboa, a propósito da acção política do antigo Presidente da República. Sábado ao final da manhã, na fila no meio de outros cidadãos para velar o corpo de Sampaio, o patriarca disse, em declarações à RTP, que os princípios da “solidariedade, atenção a todos, sobretudo os mais pobres, os mais excluídos, e a preocupação não apenas pelo que está próximo” mas também por quem está mais longe, “tudo isso é essencialmente cristão”.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This