Lisboa recusa taxa turística para ajudar a acabar com pessoas sem-abrigo

| 1 Nov 19 | Cooperação e Solidariedade, Sociedade - homepage, Trabalho e Economia, Últimas

Uma mulher sem-abrigo, fotografada na Rua Augusta em Lisboa. Foto © Pedro Ribeiro Simões/Wikimedia Commons

 

A Assembleia Municipal de Lisboa rejeitou uma petição que previa que parte das receitas turísticas fosse aplicadas na erradicação das situações de sem-abrigo na cidade de Lisboa. João Paulo Saraiva, vereador das Finanças do município, explica que, neste caso, “não há uma relação directa” entre o turismo e a situação dos sem-abrigo, o que significa que a taxa não pode ser aplicada nesta situação. Citado pelo Público, o mesmo responsável acrescenta que a maioria dos casos de sem-abrigo não tem a ver com o mercado imobiliário.

Em Lisboa, há relatos de casos urgentes de pessoas despejadas das suas casas devido ao aumento do volume do turismo e à especulação imobiliária.

Cerca de 2000 pessoas tinham assinado uma petição para que o município destinasse 10% das receitas turísticas no apoio aos sem-abrigo. Américo Nave, o primeiro subscritor da petição e diretor da associação de intervenção comunitária Crescer, admite que as suas expectativas em relação à aprovação da proposta já eram “muito baixas”, como referiu a TSF. Mas acredita que os esforços feitos em favor da petição servirão como forma de criar um consenso acerca da necessidade de dar maior resposta aos problemas desta parcela vulnerável da população portuguesa. “Os deputados da Assembleia Municipal estão de acordo que é preciso arranjar uma outra forma de financiar projectos para que estas pessoas não continuem na rua”, diz.

 
Aumento do turismo e dificuldades de alojamento

Na mesma área social, dados da Misericórdia de Lisboa mostram que, em 2018, mais de duas mil pessoas “sem condições económicas para aceder a um outro alojamento condigno ou sem rede de suporte familiar e social” procuraram e receberam o apoio habitacional da instituição, que coordena a intervenção social no concelho de Lisboa, em nome do Estado. Como destacam os dados referidos pelo Diário de Notícias, com o aumento do número de turistas na capital, a Santa Casa tem tido dificuldade para arranjar uma solução para o problema, que se tem “agravado exponencialmente nos últimos cinco anos”.

Outro problema a enfrentar tem a ver com as centenas de famílias que ocupam ilegalmente casas vazias, destinadas a refugiados. Contam-se já por “centenas” as famílias que ocupam casas vazias em Lisboa por não encontrarem alternativa, garante Rita Silva, dirigente da Habita, embora os números oficiais não sejam conhecidos. Questionado pelo DN, o gabinete da vereadora da Habitação, Paula Marques, não revela quantas casas em Lisboa estão atualmente a ser ocupadas de forma abusiva. Garante apenas que “a taxa é muito baixa relativamente às mais de 25 mil casas que existem” na cidade, de acordo com a mesma fonte.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco