Apenas dois permanecem no ativo

Lista com 17 alegados abusadores foi entregue por Strecht aos institutos religiosos

| 27 Abr 2023

pedro strecht apresenta relatorio final comissao abuso sexuais de crianças na igreja foto clara raimundo

Pedro Strecht durante a apresentação do relatório final da Comissâo Independente, a 13 e fevereiro de 2023. Esta quinta-feira, o coordenador da comissão entregou a lista de alegados abusadores identificados nos institutos religiosos. Foto © Clara Raimundo/7MARGENS.

 

Pedro Strecht, coordenador da extinta Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica Portuguesa (CI), entregou esta quinta-feira, 27 de abril, ao presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o bispo José Ornelas, uma lista de 17 nomes de alegados abusadores que foram identificados em dez institutos religiosos, na sequência do estudo realizado pela CI. O ato de entrega, que contou com a presença do historiador Francisco Azevedo Mendes, responsável pelo Grupo de Investigação Histórica da CI, concretizou-se com um envelope fechado, durante a assembleia geral da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), que decorre até esta sexta-feira, em Fátima.

Dos nomes entregues, dez já morreram, dois estão no ativo, quatro já estão fora de atividade (dos quais dois não estão vinculados ao instituto) e um é desconhecido, de acordo com um comunicado da CIRP enviado ao 7MARGENS.

“Manifestamos a nossa profunda gratidão a todas as pessoas vítimas que deram o seu doloroso testemunho, o qual permitiu trazer luz à realidade dos abusos de menores no seio da Igreja. Deixamos uma palavra de coragem àquelas que ainda não foram capazes de falar sobre os acontecimentos trágicos que tocaram as suas vidas, para que consigam denunciar o crime abjeto que sofreram”, diz o texto. “Estamos unidos ao seu sofrimento, dor e revolta e queremos, sincera e humildemente, pedir-lhes perdão pelos abusos de que foram vítimas nos nossos Institutos”.

O documento sublinha ainda o “caminho de reparação” que a Igreja Católica está a fazer em Portugal, reafirmando a disponibilidade da CIRP para “acolher as vítimas que o desejem e garantir que não faltará o adequado apoio, seja ele psicológico, psiquiátrico, jurídico, financeiro ou espiritual, para a recuperação possível das feridas profundas que foram infligidas”.

De acordo com o comunicado, a distribuição dos nomes recebidos é a seguinte:

Irmãos Maristas 2 não ativos e não vinculados ao Instituto
Irmãs Reparadoras de Nossa Senhora de Fátima 1 no ativo
Missionários da Consolata 1 falecido
Ordem dos Frades Menores (Capuchinhos) 1 no ativo
Ordem dos Frades Menores (Franciscanos) 2 falecidos e 1 não ativo
Ordem Hospitaleira de São João de Deus 1 não ativo
Província Portuguesa da Companhia de Jesus (Jesuítas) 4 falecidos
Religiosas do Coração de Maria 1 colaborador leigo falecido
Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos) 1 falecido
Salesianos 1 falecido e 1 desconhecido

 

Em relação aos casos que já tinham sido noticiados – por exemplo, no caso dos jesuítas, são 12 –, a divergência tem a ver com o facto de esta lista ser relativa a nomes recolhidos pelo Grupo de Investigação nos arquivos das instituições, enquanto as próprias congregações tinham já recolhidos outros elementos internos.

Esta lista agora entregue será analisada por cada responsável, no sentido de fazer “uma adequada identificação dos alegados abusadores e das situações em que ocorreu o alegado abuso, de forma que seja possível tomar as medidas civis e canónicas previstas para estes casos”.

A CIRP – que reúne 132 Institutos Religiosos e Sociedades de Vida Apostólica existentes em Portugal (94 femininos e 38 masculinos) – começa por agradecer o trabalho desenvolvido pela CI ao longo do último ano, falando num “estudo essencial para compreendermos o contexto dos abusos de menores na Igreja e assim encontrarmos um novo rumo a seguir para evitar que estes crimes voltem a acontecer”, de acordo com o princípio de “tolerância zero” pedido pelo Papa Francisco.

À saída, o pedopsiquiatra afirmou aos jornalistas ter sentido “uma enorme disponibilidade para, perante erros do passado, construir o futuro de uma maneira diferente”. E acrescentou que, em nome da CI, foi também falar, a propósito de abusos sexuais, de “prevenção e de formas de atuação, tanto agora, já, no presente, em relação àqueles que foram vítimas no passado, mas, sobretudo, numa melhor construção do futuro”.

Sobre o Grupo VITA – Grupo de acompanhamento das situações de abuso sexual de crianças e adultos vulneráveis no contexto da Igreja Católica em Portugal, apresentado na quarta-feira, Pedro Strecht referiu aos jornalistas “a importância de ter sido constituído” e de ter “um tempo de três anos para funcionar”.

Também a CIRP saúda, no seu comunicado, a criação do Grupo Vita, coordenado pela psicóloga Rute Agulhas, e que tem como uma das suas tarefas a elaboração de um manual de prevenção de situações de abuso sexual sobre crianças e adultos vulneráveis na Igreja Católica em Portugal.

Pedro Strecht deixou ainda um apelo para que o tema dos abusos sexuais não seja esquecido “na sociedade em geral” e expressou “um agradecimento profundo de toda a anterior Comissão Independente à comunicação social”, considerando que o trabalho dos media foi essencial para que a mensagem da comissão chegasse a mais pessoas.

Para o próximo dia 2 de maio está marcada a ida da CI à audição parlamentar na Assembleia da República, na sequência de uma decisão aprovada por unanimidade no passado dia 8 de março. Serão ainda ouvidos sobre o tema dos abusos de menores, além da Comissão Independente, a CEP, o Corpo Nacional de Escutas, o Instituto de Apoio à Criança, a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e ainda a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, sobre as recomendações deixadas pela CI, “algumas das quais a concretização carece de intervenção legislativa”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This