Publicado esta sexta-feira

Livro “final” de Bento XVI critica “crescente intolerância” ao Cristianismo

| 19 Jan 2023

livro bento xvi o que é o cristianismo, capa mondadori

Embora Ratzinger tenha ordenado a destruição das suas notas pessoais, autorizou a publicação dos  textos teológicos que produziu após a renúncia, em 2013.

 

“Este volume, que reúne os textos que eu escrevi no mosteiro Mater Ecclesiae, deve ser publicado após a minha morte”. As palavras são de Bento XVI e surgem no prefácio do livro que contém o seu “trabalho final”, o qual chega esta sexta-feira, 19 de janeiro, às livrarias italianas. Intitulado “O que é o Cristianismo. Quase um testamento espiritual”, o volume reúne 16 textos, cinco deles inéditos no todo ou em parte, onde se destaca a reflexão sobre o diálogo islâmico-cristão e a preocupação com “a crescente intolerância” ao cristianismo nas sociedades contemporâneas.

Esta preocupação sobressai particularmente no texto “Monoteísmo e Tolerância”, em que o Papa emérito afirma haver um “abandono da antropologia cristã e do estilo de vida que deriva dele, considerando-o pré-racional”. Bento XVI alerta que, apesar de “a intolerância desta aparente modernidade contra a fé cristã” ainda não se ter transformado em “perseguição aberta”, ela “apresenta-se de forma cada vez mais autoritária, tentando alcançar, com a legislação que dela deriva, a extinção do que é essencialmente cristão”.

Para Bento, não restam dúvidas: “O Estado moderno do mundo ocidental considera-se em parte uma grande potência de tolerância, rompendo com as tradições sem sentido e pré-racionais de todas as religiões”, e “por causa da sua manipulação radical dos homens e da alteração dos sexos por meio da ideologia de género, opõe-se especialmente ao cristianismo”.

Baseando a sua reflexão em várias passagens do Antigo testamento, Bento XVI critica duramente esta “crescente intolerância exercida precisamente em nome da tolerância”. O pensamento moderno, conclui, “já não quer reconhecer a verdade do ser, mas quer assumir poder sobre o ser. Quer remodelar o mundo de acordo com as suas necessidades e desejos”.

 

Confirma-se autoria de reflexão sobre celibato partilhada com Sarah

O cardeal Sarah com Ratzinger: um dos textos incluídos no novo livro já tinha sido publicado num livro cuja autoria seria partilhada por ambos. Foto: Unisinos/Direitos reservados

 

Embora Ratzinger tenha ordenado a destruição das suas notas pessoais, autorizou a publicação dos  textos teológicos que produziu após a renúncia, em 2013. A maior parte dos que estão presentes neste livro (ensaios, cartas e artigos) foi escrita por volta do ano de 2018.

Vários eram já conhecidos e surgem com algumas adaptações: é o caso de um texto sobre o sacerdócio, que provocou polémica no início de 2020 [ver 7MARGENS] ao surgir num livro cuja autoria seria partilhada entre o cardeal guineense Robert Sarah e Joseph Ratzinger e no qual estes afirmavam que  o celibato é “indispensável para que o nosso caminho na direção de Deus permaneça o fundamento da nossa vida”.

Na altura, o jornal espanhol ABC noticiou que o Papa emérito poderia ter sido vítima de uma “grave manipulação” e não ter tido, na realidade, qualquer participação na obra. O secretário particular de Bento XVI informou então que o Papa emérito não tinha autorizado que o seu nome aparecesse como coautor do livro “Das profundezas dos nossos corações”, tendo apenas enviado ao cardeal Sarah  “um pequeno texto seu sobre o sacerdócio” para que ele usasse como quisesse. Como nota o jornal La Croix, a inclusão deste texto no novo livro “indica claramente que o papa emérito assume responsabilidade por essa reflexão”.

Depois de desenvolver vários aspetos teológicos sobre o significado da Eucaristia e o papel do padre, Bento conclui que o sacerdócio anda de mãos dadas com a “abstinência ontológica” e que “a capacidade de renunciar ao matrimónio para estar totalmente à disposição do Senhor se tornou um critério para o ministério sacerdotal”.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This