Luca Badetti: A fé não é só crer em Deus, mas também crer em nós e nos outros

| 19 Jan 19 | Cooperação e Solidariedade, Destaque 2, Sociedade

Luca Baldetti: “Temos de chegar ao nível do apoio mútuo, em que não somos apenas nós a ajudar as pessoas com deficiência, mas todos a ajudarem-se.” Foto © Maria Wilton

Depois de viver durante 11 anos numa comunidade de A Arca, Luca Badetti esteve em Portugal a apresentar o seu livro I Believe in You (“Acredito em Ti”) editado nos EUA pela editora New City Press, relativo às suas experiências naquela comunidade de inspiração cristã onde pessoas com e sem deficiências vivem  em conjunto. Italiano, Luca Badetti, 34 anos, é professor na Universidade de Loyola, em Chicago (EUA) e consultor da comunidade n’A Arca. 

No livro, cuja apresentação decorreu numa sessão organizada pelo Serviço de Pastoral das pessoas dom Deficiência, Badetti conta a história de Karen, a mulher que insistia em andar com uma máscara de leão para todo o lado, para falar das máscaras que todos usamos no dia-a-dia; ou ainda a de Albert, um jovem com síndrome de Down e a sua capacidade de se mostrar vulnerável perante o outro. 

No texto de apresentação, escrito por Jean Vanier, escreve o fundador d’A Arca: “Este livro traz algo de novo e surpreendente. Ele diz-nos, através das experiências do autor, que [as pessoas com deficiência] podem ensinar-nos a tornar-nos mais humanos e, desse modo, trazer mudanças às nossa sociedade.” Jean Vanier é autor de dois livros publicados recentemente em Portugal: Ouve-se Um Grito – O Mistério da Pessoa é um Encontro (ed. Paulinas) e Verdadeiramente Humanos (ed. Principia). 

I Believe In You conta uma história muito humana por meio de pequenos exemplos de grandes histórias.

 

7M – Não é muito comum que alguém se decida doutorar em pessoas com deficiência… Qual é a sua história?

Luca Badetti (L.B.) – Todos temos histórias diferentes e vidas diferentes. E é algo extraordinário quando conhecemos outras pessoas que encontraram pessoas com deficiências e tiveram uma necessidade de partilhar a vida com eles.

Eu cresci na área de Roma e mudei para Milão quando era pequeno. Depois, mudei para os Estados Unidos. Mas, desde pequeno, sempre me interessei pelos marginalizados e por aqueles que se sentem excluídos da sociedade. Ao longo da minha educação, comecei a ler livros sobre o assunto, a informar-me. E senti-me convidado interiormente para me juntar à Arca, uma comunidade onde pessoas com e sem desafios intelectuais partilham experiências e vivem juntas: cozinham, passeiam, rezam etc.

7M – De onde veio a ideia de escrever um livro acerca do assunto?

L.B. – Não houve um dia especifico em que acordei e decidi que queria escrever um livro. Andava a querer escrever acerca d’A Arca mas, para contar a experiência, primeiro precisava de a viver – vivo lá há 11 anos.

Queria partilhar esta experiência porque nem toda a gente sente este chamamento, não é para todos. Mas há algo acerca de partilhar a vida com pessoas com deficiências, que fala a todos nós, porque é uma questão de humanidade. Portanto, não é apenas um livro acerca de deficiência ou para pessoas que trabalham com pessoas com deficiência. É um livro acerca da humanidade através de histórias de trabalhar com pessoas com deficiência.

7M – O que é que aprendeu ao trabalhar na Arca?

L.B. – Aprendi muitas coisas. Uma que me ocorre e é relevante é apreciar mais o ato de viver a partir do coração. No trabalho académico é muito fácil ficarmos presos nos pensamentos, mas o âmago de ser humano é viver do coração. Viver com pessoas cujas valências podem não ser intelectuais, mas que têm outras capacidades de amar, fala muito acerca do que é ser humano, aprende-se muito.

7M – Mas isso não é muito fácil de fazer, tendo em conta que estamos sempre tão focados nas capacidades intelectuais…

L.B. – É uma boa observação. No livro, às vezes, trago reflexões e contribuições de outros escritores e pensadores. Portanto não digo que a cultura intelectual não é importante. Mas a cultura deve servir os humanos, aproximar-nos do coração. Não é uma questão de coração versus razão mas é uma questão de integrar o pensamento, emoções e desejos, encontrando-nos a nós mesmos nos outros – não apenas intelectualmente, mas também no coração. Por vezes, as pessoas acham que a cabeça equivale a intelectual e o coração a emocional. Mas o coração é o centro de tudo, a junção das coisas.

7M – Numa conferência ted talk que deu há anos contava histórias de algumas das pessoas que conheceu e as suas experiências. O que aprendeu ao estar com cada uma dessas pessoas?

L.B. – É uma pergunta difícil porque cada pessoa é tão diferente. É como perguntar o que aprendeste com os teus amigos. Perguntas: que amigo? De cada pessoa aprende-se algo diferente.

7M – Mas há alguma história que o tenha marcado mais?

L.B. – As palavras I believe in you que dão título ao livro vêm de uma senhora que tem síndrome de Down e se chama Jennifer. Numa noite, numa reunião na comunidade, ela estava sentada ao meu lado. Ela é uma pessoa muito espiritual e, nessa noite, eu estava a duvidar um pouco da minha fé e virei-me para ela à procura palavras de sabedoria, conforto.

Disse-lhe: “Sabes, eu acredito em Deus, mas…” – e ela não me deixou acabar. Olhou para mim nos olhos por detrás dos seus óculos e disse I believe in you, I believe in you. Ou seja, ela não levou a conversa para o etéreo e abstracto mas para um nível muito humano – algo que, se pensarmos bem, é também um nível divino, pois encontramos o espiritual na nossa humanidade. Portanto, quando falamos de fé, a questão não é só se acreditamos em Deus mas também se acreditamos em nós mesmos e nos outros.

7M – Tem havido um caminho legal relativo a pessoas com deficiências, mas há ainda muito a fazer. O que é preciso fazer ainda?

L.B. – Muito precisa de ser feito mas, ao mesmo tempo, mais importante do que fazer é estar. Estar presente para os outros, ouvir o que têm a dizer, o que querem e o que precisam. Muitas vezes, quando falamos de inclusão, pensamos no que isso quer dizer para a população em geral. Mas o que significa inclusão para as pessoas com deficiências? Inclusão não é só um imperativo moral, não devemos ser obrigados a incluir. A inclusão pode ser uma alegria porque temos oportunidade de conhecer pessoas que são diferentes e celebrar a humanidade juntas.

7M – Como é que a sociedade ocidental aceita hoje as pessoas com deficiências?

L.B. – Sociedade é um termo vasto. Pode-se referir a comunidades locais, internacionais… Já foram dados grandes passos a caminho da aceitação, mas a exclusão ainda é, infelizmente, uma realidade proeminente. Muitas vezes digo que pessoas com deficiências têm, ao longo da história, sido excluídas muitas vezes de tudo. Portanto há muito que precisa de ser feito.

Em termos do que está a ser feito, vemos políticas a ser implementadas, comunidades a nascer e movimentos a aparecer como é o caso do movimento de direitos dos deficientes, que tem capacitado pessoas a falar por elas mesmas, reclamando os seus direitos. Eu participei num desfile de orgulho da deficiência (disability pride parade) com A Arca. E as pessoas com deficiências marcharam e celebraram quem são, ao contrário do que faziam no passado, escondendo-se. 

7M –  Pessoas com deficiências, pessoas com incapacidades, pessoas incapazes…Qual é a maneira certa de falar do assunto?

L.B. – Há um debate relativo a pessoas com deficiências, no sentido de saber se são pessoas incapacitadas ou pessoas capacitadas mas com limitações… Eu costumava dizer que todos temos alguma incapacidade até ter conhecido uma pessoa que tinha muitas deficiências e imensas necessidades médicas. Se começarmos a dizer que todos somos incapacitados, será que estamos a esconder o facto de que algumas pessoas têm coisas muito piores do que as nossas? Será que estamos a falar de uma perspectiva de privilégio?

É difícil. Há restrições médicas que se tem de levar a sério mas também há atitudes que incapacitam as pessoas. Por exemplo, se uma pessoa de cadeira de rodas chegar ao pé de um edifício que só tem escadas. Se houvesse uma rampa, a pessoa estaria capacitada a entrar no edifício. Onde está a deficiência: será que é a pessoa ou o edifício?

Todos temos coisas que fazemos melhor e outras com em que precisamos de auxilio, faz parte do facto de sermos humanos.

7M – Qual a mensagem principal do seu livro?

L.B. – Confiar na nossa preciosidade e na dos outros e, ao fazer isso, crescer na nossa humanidade pessoal e partilhada – individualmente e inclusivamente.

7M – Como é que a religião é importante neste caminho? Na Igreja Católica, por exemplo aqui em Portugal, há muito para ser feito ainda já que a mensagem principal é ajudar aquele que mais necessita.

L.B. – O principal problema é identificar essa mensagem: quem é que mais necessita? Muitas vezes assumimos que são as pessoas deficientes, o que não está errado. Mas todos temos necessidades. Todos temos necessidades de nos encontrarmos uns aos outros, ouvir as nossas histórias e ajudarmo-nos mutuamente. Penso que temos de chegar ao nível do apoio mútuo, em que não somos apenas nós a ajudá-los, mas todos a ajudarem-se. É um bom caminho.

Artur Bual, “Pietá”

Breves

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

Pessoas

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

“Diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” Nos derradeiros momentos de vida, já no hospital, Manuela Silva pegara na mão da irmã que a acompanhou nos últimos meses, olhando-a e, com plena consciência de que vivia os instantes finais, deu-lhe o último recado: “Vou partir, mas diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” A sua memória será recordada nesta segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, numa eucaristia presidida pelo patriarca de Lisboa.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca novidade

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Fale connosco