Editorial 7M

Luís Moita (1939-2023): “Para que as pessoas sejam felizes”

| 28 Jan 2023

Luís Moita

Luís Moita. Foto: Direitos reservados

 

Uma bica e um pastel de nata para cada um alimentam hora e meia de conversa numa pastelaria de Campo de Ourique. É dia 8 de abril de 2022 e o tema principal da conversa – com o Luís nunca uma conversa girava apenas de volta de um só tema – é, desta vez, o Sínodo convocado pelo Papa Francisco e o que poderíamos fazer nesse âmbito em Santa Isabel. O Luís disserta sobre a “canga doutrinal” que a Igreja Católica criou ao longo dos séculos e que nos esconde a novidade absoluta de Jesus. E tudo isso, de onde deriva “um discurso casuístico sobre todos aspetos da vida” faz esquecer que a única coisa para que serve a Igreja é “para fazer as pessoas felizes”, para que “cada um viva em plenitude”.

Muitos obituários que agora se escreverão sobre o Luís, muitos dos amigos seus que agora sobre ele falarão, vão recordar-nos uma vida dedicada a pensar e a agir para superar inúmeros obstáculos a essa felicidade que nos reconcilia com a vida, com os demais, connosco próprios, com as coisas e o mundo delas. A vigília de São Domingos, a ruptura com o sacerdócio, a centralidade da moral e da ética, o Boletim Anti-Colonial, a vigília da Capela do Rato, o CIDAC, a campanha presidencial de Maria de Lourdes Pintasilgo, outras campanhas e outras lutas, a paixão pelas relações internacionais, a reitoria da Universidade Autónoma de Lisboa… Muitos lembrarão o gosto que punha nas suas aulas. No ano passado continuava, apesar da sua saúde já bastante debilitada, a dar aulas via internet, por vezes, três longas horas intermináveis de que saía “ligeiramente cansado”, tal era o prazer que nelas sentia.

9 de setembro de 2022. Longa conversa tarde fora na esplanada da Fundação S. João de Deus onde o Luís convalesce há umas semanas. Os amigos que o visitam, os dias que passam, a guerra na Ucrânia, as coisas que ainda gostaria de fazer, os olhos que brilham quando fala da Ana e da Madalena. As saudades de um mergulho no mar da Ericeira. A morte. O mergulho no imenso escuro. As nossas dúvidas. A verdade da incerteza inquieta sobrepondo-se à grande mentira das certezas tranquilizadoras. “Nada sabemos e é tão difícil acreditar”, diz com tranquilidade. Corroboro: “Entre a luz e a escuridão, balançamos, esperando que talvez haja uma fresta que nos conduza à primeira… faria mais sentido.” Faz uma pausa e remata: “Sim, mantenho uma grande abertura a essa possibilidade… sim, fará todo o sentido.”

Quebramos o silêncio com as últimas novidades sobre os preparativos das comemorações dos 50 anos do “caso” da Capela do Rato e da participação que dele esperamos. “Pois é! Pensei que isso iria ser a parte mais substancial da nossa conversa” – ironiza. Depois faz-se tarde e sentimos que há que pôr fim à conversa. Saudamo-nos despedindo-nos e o Luís atira: “Sabes o que me dói mais nesta limitação a que me vejo condenado? Não poder guiar – essa grande libertação do aperto do espaço – e de não poder voltar a mergulhar no mar – essa sensação física da libertação do peso do corpo.” Com esses desejos de liberdade combatia o bom combate de manter a fresta aberta para a luz onde encontrar todos os que fez felizes, todos os que ajudou a tornarem-se verdadeiramente felizes.

 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This