Luiza Andaluz: uma voz feminina na história da Igreja em Portugal

| 26 Out 2021

Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima

“No apostolado da “Boa Imprensa” e no paradigmático caso da União Gráfica, onde as SNSF trabalharam como verdadeiras ‘operárias’ ”. Foto: União Gráfica [s/d], Arquivo Histórico da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima.

Nesta quarta-feira, 27 de outubro, será lançado em Santarém o terceiro volume dos escritos de Luiza Andaluz (1877-1973), fundadora da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima (SNSF). Depois de publicadas as suas Memórias e os seus Pensamentos, o Centro de Conhecimento Luiza Andaluz promove agora a edição de centenas de cartas dirigidas pela fundadora às irmãs da sua comunidade. Parte do percurso absolutamente original desta congregação religiosa feminina portuguesa ecoa naquelas missivas, cujo teor eminentemente prático acrescenta aos escritos anteriormente publicados uma componente ativa de liderança de que Luiza Andaluz nunca abdicou.

Fundada em 1923, a Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima assumiu um papel pioneiro em vários sectores da sociedade portuguesa: na educação e escolarização femininas; na obra catequética; nos centros paroquiais e no serviço social; no apostolado da “Boa Imprensa” e no paradigmático caso da União Gráfica, onde as SNSF trabalharam como verdadeiras “operárias” (veja-se a esse propósito a fotografia que ilustra este texto); na presença nas periferias sociais (com exemplos como os da dinamização da Obra da Pastoral e Promoção dos Ciganos ou na Comunidade Vida e Paz) e em contexto missionário (com o projeto de promoção da mulher africana, logo a partir dos anos 1960 em Moçambique).

A identidade apostólica da Congregação consolidou-se depois de uma discussão prolongada, e riquíssima do ponto de vista teológico e eclesiológico, em torno das dimensões da “contemplação” e da “ação”, cujos resultados firmaram o lugar das SNSF na reconfiguração da identidade e liderança femininas no interior da Igreja Católica e da sociedade portuguesa ao longo do século XX: quer através da procura de uma “outra” forma de vida religiosa (veja-se a representação habitual das Servas como as “religiosas sem hábito”), quer através de uma reflexão própria sobre o lugar de Fátima e da devoção mariana na vida da Congregação.

Assumindo uma postura ativa e autorrepresentando-se como “apóstolas” – “Sejamos apóstolas”, instava Luiza Andaluz nos anos 50 –   as SNSF cedo se demarcaram de uma catalogação externa que as tentou funcionarizar como “auxiliares do clero”, aspirando desde as suas origens a uma autonomia eficaz e produtiva, sempre pautada pela valorização da obediência à hierarquia, mas raramente limitada por ela no serviço à Igreja.

O Centro de Estudos de História Religiosa (UCP-CEHR) desenvolve atualmente, em estreita colaboração com a congregação das SNSF, um projeto de investigação em torno da História desta comunidade, estruturado nestes últimos anos sobre a consulta e análise aturadas de dois fundos arquivísticos fundamentais: o Arquivo Histórico da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima e o Arquivo Histórico do Patriarcado de Lisboa, ambos impecavelmente organizados e acessíveis aos investigadores em geral. Se neste segundo, as vozes femininas são parcelares e repetidamente filtradas, vertidas ou acantonadas pelas vozes masculinas dominantes; no primeiro, o lugar do feminino é preponderante e multifacetado e sob a liderança de Luiza Andaluz e, na sua esteira, as vozes das mulheres multiplicam-se e fazem-se ouvir.

Agregando documentação muito diversa, que abrange os escritos de Luiza Andaluz, as atas do Governo e dos Capítulos, documentação epistolar de origem variada, relatórios, mapas, fotografias, etc., este conjunto de fontes reúne uma série de forças, fragilidades, persistências e contradições que, tendo necessariamente de ser analisadas na sua interconetividade e complexidade, ajudam a definir a especificidade da história da congregação, cujo percurso já longo – as Servas de Nossa Senhora de Fátima comemorarão em 2023 os seus cem anos de existência – é parte integrante da história da Igreja e da história das Mulheres em Portugal.

 

Rita Mendonça Leite é Investigadora do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa (UCP-CEHR).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This