Associação denuncia

Lusodescendentes católicos são alvo de “atrocidades” e “genocídio” na Birmânia

| 8 Jun 2022

birmania myanmar ataques a comunidades bayingyi

O ataque mais recente terá acontecido no passado dia 20 de maio, quando um grupo de soldados invadiu a aldeia de Chaung Yoe, munido de artilharia. Foto: Direitos reservados.

 

A Associação Internacional de Lusodescendentes (AILD) alerta para o “genocídio” e as “atrocidades” de que estão a ser alvo milhares de lusodescendentes católicos na Birmânia (conhecidos como bayingyis). Desde o início do ano, já houve pelo menos três ataques armados a aldeias onde estas comunidades residem, provocando a destruição de centenas de habitações e pelo menos quatro mortos.

“Milhares de membros do povo Bayingyi tornaram-se refugiados, encontrando-se agora distribuídos por aldeias vizinhas ou nos complexos das organizações religiosas”, afirma a organização, citada pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre.

O ataque mais recente terá acontecido no passado dia 20 de maio, quando um grupo de soldados invadiu a aldeia de Chaung Yoe, munido de artilharia. “Ao todo, mais de 300 casas foram destruídas à bomba. A aldeia era composta por cerca de 350 fogos, sendo que, neste momento, apenas 20 casas permaneceram intactas em toda a aldeia”, avança a AILD.

Já em março, a mesma aldeia havia sido atacada “por elementos à civil, fortemente armados, que tiveram como alvo o complexo da Igreja, disparando sobre a casa do clero e aprisionando 3 religiosos”. “No mesmo dia foram assassinados, a tiro um dos habitantes e o seu filho, no momento em que fugiam pelos arrozais”, prossegue a descrição. “O grupo ainda incendiou 17 casas, a capela e o santuário da aldeia.”

Face a esta situação, a associação solicita ajuda para as populações católicas, nomeadamente através da Arquidiocese de Mandalay, “a única instituição com capacidade para chegar às populações e em condições de dialogar com as forças do regime”.

No passado mês de abril, quase 100 soldados tinham invadido o complexo da Catedral do Sagrado Coração em Mandalay, a segunda maior cidade birmanesa, como noticiou o 7MARGENS.

A junta militar, que tomou o poder em fevereiro de 2021, persegue há muitos anos a minoria cristã da Birmânia, estimada em 6,2% da população. Os conflitos têm-se intensificado nos últimos meses e há milhares de pessoas deslocadas a necessitar de abrigo, comida e medicação, estando a assistência humanitária bloqueada pela junta.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This