Conclusões da assembleia da RENATE

Luta contra o tráfico humano: “O nosso grande foco tem de ser na educação”

| 21 Nov 2022

irma imelda poole na assembleia da renate em fatima, foto ecclesiaOC (1)

“Vivemos num mundo muito frio, onde o ser humano se tornou menos sagrado”, alertou a presidente cessante da RENATE, irmã Imelda Poole. Foto © Ecclesia / OC.

 

São “milhões” as vítimas de tráfico humano, e é preciso ajudá-las, protegê-las. Mas a pandemia de covid-19 e o consequente surgimento de “novos tipos de tráfico e exploração” vieram mostrar que há “um trabalho enorme a fazer” em termos de prevenção. Quem o diz é Ivonne van de Kar, que acaba de assumir a presidência da Rede Europeia de Religiosas contra o Tráfico e Exploração (RENATE), e que falou ao 7MARGENS na conclusão da assembleia geral que reuniu em Fátima, de 13 a 18 de novembro, perto de 100 membros daquela organização.

“O nosso grande foco tem de ser na educação, no sentido mais lato da palavra”, afirma a leiga holandesa, de 59 anos, que acompanha as atividades da RENATE desde o seu início, em 2009, e que agora assume a liderança até 2027. “Precisamos de ir às igrejas, às escolas, às associações, empresas… Precisamos de educar particularmente os mais jovens sobre o que é o tráfico humano, para prevenir que venham a ser vítimas de tráfico, mas também evitar que venham a estar do lado dos opressores”, sublinha Ivonne van de Kar.

A nova presidente da RENATE alerta para o facto de o fenómeno do tráfico afetar várias áreas diferentes, desde a exploração sexual à laboral, potenciadas pela “implosão do tráfico online” que ocorreu durante a pandemia. Assim, defende, é preciso “educar todos: crianças, jovens, adultos, professores, polícias, consumidores de comida, consumidores de roupa… Todos, mesmo todos”, reitera.

Pode dizer-se que já muito foi feito, mas muito há ainda por fazer, assinala a irmã Imelda Poole, que assumiu a presidência da rede europeia ao longo dos primeiros 12 anos e que passou agora o testemunho a Ivonne, na assembleia que decorreu em Fátima.

“Quando constituímos a RENATE, apesar de já existir tráfico humano há muitos anos, a verdade é que não se falava muito sobre isso. Hoje, temos parceiros em todo o mundo que lutam contra este flagelo, desde inúmeras ONG ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE)”, destaca a irmã britânica, de 77 anos, há 17 em missão na Albânia.

“Penso que o mundo está a começar a perceber que uma mudança sistémica é necessária. Por trás do tráfico humano estão a ganância, o lucro, e a procura… Biliões estão a ser conseguidos às custas dos mais pobres e vulneráveis”, afirma Imelda Poole. Ainda assim, “apenas nove por cento do tráfico humano é reconhecido”, alerta. “Vivemos num mundo muito frio, onde o ser humano se tornou menos sagrado.”

 

“O tráfico humano é o mais fácil de fazer”

mulher presa esconde o rosto foto Photoboy

As mulheres traficadas não estão presas, não têm correntes, não estão fechadas, mas estão sob ameaça. Foto © Photoboy.

 

Ana Mendes, diretora técnica da associação O Ninho, que visa a promoção humana e social de mulheres vítimas da prostituição, testemunha esta dessacralização todos os dias. A instituição onde trabalha, e que lida muitas vezes com mulheres traficadas para fins de exploração sexual, foi uma das três que os participantes da assembleia da RENATE tiveram a oportunidade de visitar em Lisboa, no penúltimo dia do encontro, para reforçar a troca de experiências.

“Todas as mulheres com quem trabalhamos são tratadas como objetos, mas as vítimas de tráfico ainda mais”, refere a assistente social. “Identificamo-las, normalmente, porque estão tão perdidas que é notório que foram deixadas ali e não fazem ideia de onde estão… E na maior parte dos casos só as vemos uma vez, porque faz parte da estratégia do tráfico não as manter sempre no mesmo local”, explica.

Esse é um dos motivos que dificulta a ajuda que O Ninho possa prestar a estas mulheres, mas não é o único. “Muitas vezes, elas não querem falar connosco, têm medo… Elas não estão presas, não têm correntes, não estão fechadas. Estão a ser traficadas e estão na rua, mas estão normalmente sob ameaça psicológica, porque sabem que, se falarem com alguém sobre a sua situação, algo de muito mau lhes vai acontecer ou aos seus familiares, nos seus lugares de origem”.

E essa ameaça “é real”, afirma Ana. “Conhecemos o caso de uma mulher que decidiu falar e queimaram a casa da família dela, no país de origem. Porque o tráfico não é feito por pessoas que vão à casa das raparigas e as levam à força. É feito por conhecidos da família, que lhes prometem uma forma de as levar para a Europa. Até há quem diga que o tráfico humano é o mais fácil de fazer, porque as pessoas vêm pelo seu próprio pé”, diz a diretora técnica d’O Ninho.

A abordagem a estas mulheres tem, por isso, de ser feita “com muito cuidado”. “Caso contrário podemos estar a pô-las em risco, só por elas conversarem connosco”, sublinha Ana Mendes. Até porque “é muito complicado desmantelar uma rede de tráfico” e “a justiça muitas vezes não está do lado do sobrevivente ao tráfico humano, mas sim do perpetrador, que é protegido pela lei”, acrescenta a presidente cessante da RENATE.

 

“Libertar não só a vítima, mas também o opressor”

eugenia quaresma com equipa cavitp na assembleia da renate em fatima foto direitos reservados

Eugénia Quaresma, à esquerda, com a equipa da Comissão de Apoio à Vítima de Tráfico de Pessoas (CAVITP), que colaborou na organização desta assembleia em Portugal. Foto: Direitos reservados.

 

Não restam dúvidas de que é necessário lutar por “uma evolução do sistema legal”, admite a diretora da Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM), Eugénia Quaresma, que colaborou com a Comissão de Apoio à Vítima de Tráfico de Pessoas (CAVITP) na organização desta assembleia em Portugal. Tendo acompanhado todo o encontro, Eugénia Quaresma crê, no entanto, que “o maior desafio é mesmo o da sensibilização, da consciencialização para o problema”,

A responsável da OCPM sabe que “não basta o trabalho que é feito com as vítimas e a sua recuperação” e considera que é prioritário “trabalhar a mentalidade dos jovens para que não se tornem exploradores”, nem alimentem a procura que leva ao tráfico.

“Se não houver pessoas dispostas a pagar por sexo, a violar crianças, a pagar pouco pelos produtos, a adotar crianças de tenra idade, a ultrapassar a lista de espera dos órgãos…. Se não houver procura, vamos conseguir mitigar e diminuir o tráfico humano”, explica.

E é preciso ir ainda mais além, ou seja, “trabalhar na conversão dos traficantes ou aliciadores”. Trata-se de “outra frente de trabalho desafiante, mas que enquanto Igreja tem de estar no nosso horizonte”, defende. “Temos de libertar não só a vítima, mas também o opressor.”

Ao longo deste dias, Eugénia Quaresma lembrou-se muitas vezes daquilo que diz o Papa.  “Uma das coisas mais importantes de participar nesta assembleia foi o perceber que fazemos parte de uma sociedade que explora, e precisamos, de facto, de uma economia nova, que está a ser forjada, a ‘Economia de Francisco’, que não mate, e que ponha a dignidade das pessoas em primeiro lugar”, conta ao 7MARGENS. “Qualquer trabalho que façamos tem de transparecer esta identidade cristã e aquilo que diz a doutrina social da Igreja. Tudo tem de estar fundado no amor, na dignidade e nos direitos humanos.”

O encontro em Fátima foi, segundo a irmã Imelda Poole, perfeito para relançar esse propósito. “Foi uma semana em que, apesar de estarmos fisicamente longe das vitimas de tráfico humano, continuámos muito perto delas… Tantas histórias foram partilhadas, tivemos oportunidade de expressar as nossas emoções, chorámos, os nossos corações foram tocados e aquecidos… A cruz de Jesus esteve aqui, mas foi abraçada”, assegura.

E o Santuário de Fátima, “foi o lugar perfeito” para que o resultado fosse este, sublinha, por seu lado, Ivonne. “Não podemos esquecer que todos os que participaram nesta assembleia pertencem a organizações que têm por base a sua Fé… Foi muito significante para nós termos reunido aqui. Sentimos a presença de Nossa Senhora de Fátima a ajudar-nos.”

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This