Luta pelo clima: da sobrevivência à vivência

| 22 Jan 2023

Manifestação. Clima. Greve Climática Estudantil.

Greve Climática Estudantil. 29 Novembro 2019. “Na afirmação intransigente dessa verdade, existe muito de sentimento de urgência, paixão, receio do futuro, necessidade de afirmação reivindicativa fora dos círculos tradicionais. Por um lado, ainda bem que assim é, pois, estes tempos exigem que sejamos inovadores, ousados e provocadores na forma de reivindicar.” Foto © Greve Climática Estudantil

 

Temos assistido nos últimos tempos a várias manifestações de jovens exigindo decisões urgentes que conduzam a alterações que permitam a sustentabilidade do planeta – o mesmo será dizer a nossa sobrevivência. Ainda bem que os jovens saem à rua, se manifestam e não têm receio de sofrer as consequências. Esta luta é deles, mas também de todos nós. Tanto mais que este é o legado que nós lhes deixamos, embora também eles sejam o que são porque filhos desse mesmo legado. As coisas são mais complexas do que por vezes fazemos crer. Contudo a sua complexidade nunca pode ser argumento para a inércia que tem marcado a indecisão ao longo das últimas décadas e, sobretudo, dos últimos anos.

Porventura pela primeira vez na história da Humanidade existe um objetivo comum e que é a preservação, em nome da nossa sobrevivência, desta Casa Comum que todos habitamos e partilhamos. Apesar de nem sempre ser fácil encontrar soluções coletivamente acordadas, esse seria pelo menos um motivo suficiente para que todos, sem exceção, nos uníssemos em torno desse objetivo comum.  O que nos impede?  A luta pela sustentabilidade e preservação do planeta tornou-se quase verdade absoluta, espécie de religião que a muitos ampara e norteia quando tentam definir o seu lugar e papel na sociedade. A afirmação dessa verdade não deixa muitas vezes espaço para a diferença (ver editorial do 7MARGENS) na forma como se pretendem encontrar soluções. Na afirmação intransigente dessa verdade, existe muito de sentimento de urgência, paixão, receio do futuro, necessidade de afirmação reivindicativa fora dos círculos tradicionais. Por um lado, ainda bem que assim é, pois, estes tempos exigem que sejamos inovadores, ousados e provocadores na forma de reivindicar.

Pese embora todas as manifestações exigindo transformações urgentes, a verdade é que não existem mediações entre a exigência e a decisão. Mesmo os movimentos existentes continuam ainda, apesar da evolução, numa fase muito reivindicativa quando a procura de soluções exige que se pense o futuro de forma transversal. Por outro lado, os decisores são também confrontados com a urgência das necessidades das populações. E estas são exigências de hoje, inadiáveis, enquanto no que concerne ao clima existe a perceção – mesmo que as evidências a desmintam – de que não é uma premência, pode ser adiado. É que a proximidade do desastre é mais importante do que a sua extensão. Por isso a pandemia nos assustou e as alterações climáticas nem tanto. No que toca aos países desenvolvidos a urgência está diretamente ligada à proximidade, enquanto nos países em desenvolvimento ou pobres a urgência prende-se com a sobrevivência do quotidiano.

No livro Carta à Geração que Vai Mudar Tudo (ed. Guerra e Paz), Raphaël Glucksnann escreve ser necessária uma profunda revolução filosófica e uma mudança civilizacional que nos ajude a sair do antropoceno, que consagra o ser humano como senhor, possuidor e controlador da natureza.

Escreve Raphaël Glucksnann: “A consciência do inevitável não basta. Nem o horizonte trágico da catástrofe. Temos de mostrar que a ecologia toma a seu cargo os medos, as angústias, as aspirações que atravessam as nossas cidades. Aqui e agora. Não apenas sobre questões como a qualidade do ar, a poluição ou a biodiversidade: de maneira global. A transformação ecológica não se fará apenas porque é necessária. Far-se-á se a tornarmos entusiasmante e se ela responder aos pedidos dos nossos concidadãos aqui e agora.

Sabemos que a urgência das soluções não significa assegurar o futuro, mas apenas criar condições mínimas para que ele seja possível. Sabemos também que as soluções a que a urgência nos obriga podem não ser as melhores, como se referiu noutro artigo a propósito da energia.

A reivindicação é importante, muitas vezes imprescindível tal como agora, mas é apesar de tudo uma pequena parte do caminho. O grande passo, enorme diria, é passar da reivindicação à decisão, o mesmo será dizer da sobrevivência à convivência. Já que se se trata de salvar a Humanidade há que encontrar novas formas de convivência que não transformem a luta atual num mero adiamento da inevitabilidade do fim.

A democracia e a liberdade tornaram-se demasiado formais, até inerciamente formais. É urgente reinventar a democracia, assumir as contradições entre o poder e a liberdade da palavra.  Há que, a partir de situações concretas, construir uma nova visão do mundo. Daí a importância do envolvimento político dos jovens nas estruturas de poder. Não podem deixar que, apesar das suas reivindicações, outros continuem a decidir por eles, por nós. Cabe-lhes sobretudo a  eles, em nome dos seus filhos e netos, imaginarem e lançarem as bases de um mundo onde a convivência harmoniosa entre todos os seres seja possível. Os jovens têm de ousar assumir o espaço público sem qualquer espécie de complexo.

 

José Centeio é editor da opinião no 7Margens e membro do Cesis (Centro de Estudos para a Intervenção Social)contacto: jose.centeio@gmail.com

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This