“Má-fé” na interdição de Fatima Habib jogar basquetebol com braços tapados, acusa xeque Munir

| 15 Nov 19

Fatima Habib, a jovem impedida de jogar com mangas compridas, numa foto da página oficial do Clube de Basquetebol de Tavira.

O xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa, considera que a equipa de arbitragem não atuou justificadamente no caso da jovem Fatima Habib num jogo de basquetebol, em que a atleta foi proibida de jogar com os braços e a cabeça cobertas. “Ela sempre jogou” com essa indumentária e isso “nunca a impediu” de integrar a equipa de basquetebol, afirma ao 7MARGENS. Por isso, contesta o que se passou e admite que, no próximo jogo, haja uma manifestação de solidariedade com a atleta.

A equipa do Clube de Basquetebol de Tavira, que Fatima integra, e o Imortal de Albufeira estavam no aquecimento para o jogo de domingo passado, 10 de novembro, em sub-16, quando a atleta foi avisada de que não podia jogar. No princípio, a equipa de arbitragem, constituída por mulheres, queria que a jovem tirasse a blusa de manga comprida que vestia debaixo do equipamento, o que a atleta recusou, alegando que sempre tinha jogado assim.

Na sequência do acontecimento, a Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB) emitiu um comunicado de imprensa em que garante que todos os regulamentos são cumpridos de acordo com a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA). “A possibilidade de os jogadores poderem utilizar equipamento de acordo com as suas convicções religiosas, desde que o mesmo garanta a liberdade de movimentos e assegure a segurança dos intervenientes no jogo”, está garantida, afirma o comunicado, citado pelo Jornal de Notícias.

 

“Seria absurdo, de má-fé”

“Quando procurei informação sobre o caso, e segundo o que diz a FPB, há mais de dois anos que a lei tinha sido mudada” acrescenta o xeque Munir. “Seria absurdo, de má-fé, que a equipa de arbitragem não a deixasse jogar dadas as condições. Se fosse uma coisa nova, faria sentido, mas havendo esta permissão ao nível internacional, ela não estava a infringir qualquer lei ao nível do equipamento.”

O imã da Mesquita Central de Lisboa acrescenta que a equipa de arbitragem não pode interditar alguém de jogar caso o vestuário que usa tenha motivações religiosas. “O que uma muçulmana veste no dia-a-dia não deve ser proibido. Não se pode aceitar que ela não jogue por causa disso.”

Além das críticas da comunidade muçulmana, também o clube de Tavira contestou a decisão dos árbitros, afirmando que a decisão vai contra as regras da FIBA: há dois anos e meio, alega o clube, citado no Público, a federação internacional fez uma adenda ao regulamento existente para permitir que acessórios como o hijab possam ser usados desde que não cubram “inteiramente ou parcialmente qualquer parte da cara (olhos, nariz, lábios, etc.)”,

O regulamento de jogos prevê ainda que sejam usadas mangas de compressão nos braços e collants nas pernas da cor do equipamento, pretos ou brancos. A equipa de arbitragem permitiu que Fátima Habib mantivesse os collants e o lenço na cabeça, mas recusou que a jovem utilizasse a camisola e obrigou-a a abandonar o campo. De acordo com a tradição muçulmana, as mulheres não devem exibir os braços.

 

“Uma manifestação colectiva”

Esta não era a primeira vez que Fátima, de origem paquistanesa e há cinco anos a viver em Portugal com a família, jogava com este equipamento. Desde que começou a jogar basquetebol há dois anos, sempre usou essas roupas com o equipamento do clube. Em declarações à TSF, Habib, o pai da jovem atleta, diz que esta foi a primeira vez que tiveram queixas. Ainda no Público, o treinador do Clube de Futebol de Tavira, André Pacheco, levantou a hipótese de a equipa de arbitragem se ter sentido pressionada pela presença de um “observador” na mesa de oficiais, até porque um dos membros da equipa de arbitragem já tinha apitado o jogo anterior da equipa sem pôr em causa a indumentária de Fátima.

André Pacheco levantou mesmo a hipótese de o clube estar a pensar organizar uma “manifestação colectiva”, no próximo domingo, 17, por ocasião do novo jogo, para demonstrar o seu repúdio pelo que aconteceu. “A equipa de arbitragem foi além do que era suposto. Agora o resto da equipa pode ir vestida como ela, como solidariedade. Vamos ver o que vai acontecer”, acrecsenta o xeque David Munir.

Mulheres e islão: uma questão de roupas interditou Fatima Habib de jogar. Ilustração © Sara Naves

 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais novidade

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco