“Má-fé” na interdição de Fatima Habib jogar basquetebol com braços tapados, acusa xeque Munir

| 15 Nov 2019

“Má-fé” na interdição de Fatima Habib jogar basquetebol com braços tapados, acusa xeque Munir

| 15 Nov 19

Fatima Habib, a jovem impedida de jogar com mangas compridas, numa foto da página oficial do Clube de Basquetebol de Tavira.

O xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa, considera que a equipa de arbitragem não atuou justificadamente no caso da jovem Fatima Habib num jogo de basquetebol, em que a atleta foi proibida de jogar com os braços e a cabeça cobertas. “Ela sempre jogou” com essa indumentária e isso “nunca a impediu” de integrar a equipa de basquetebol, afirma ao 7MARGENS. Por isso, contesta o que se passou e admite que, no próximo jogo, haja uma manifestação de solidariedade com a atleta.

A equipa do Clube de Basquetebol de Tavira, que Fatima integra, e o Imortal de Albufeira estavam no aquecimento para o jogo de domingo passado, 10 de novembro, em sub-16, quando a atleta foi avisada de que não podia jogar. No princípio, a equipa de arbitragem, constituída por mulheres, queria que a jovem tirasse a blusa de manga comprida que vestia debaixo do equipamento, o que a atleta recusou, alegando que sempre tinha jogado assim.

Na sequência do acontecimento, a Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB) emitiu um comunicado de imprensa em que garante que todos os regulamentos são cumpridos de acordo com a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA). “A possibilidade de os jogadores poderem utilizar equipamento de acordo com as suas convicções religiosas, desde que o mesmo garanta a liberdade de movimentos e assegure a segurança dos intervenientes no jogo”, está garantida, afirma o comunicado, citado pelo Jornal de Notícias.

 

“Seria absurdo, de má-fé”

“Quando procurei informação sobre o caso, e segundo o que diz a FPB, há mais de dois anos que a lei tinha sido mudada” acrescenta o xeque Munir. “Seria absurdo, de má-fé, que a equipa de arbitragem não a deixasse jogar dadas as condições. Se fosse uma coisa nova, faria sentido, mas havendo esta permissão ao nível internacional, ela não estava a infringir qualquer lei ao nível do equipamento.”

O imã da Mesquita Central de Lisboa acrescenta que a equipa de arbitragem não pode interditar alguém de jogar caso o vestuário que usa tenha motivações religiosas. “O que uma muçulmana veste no dia-a-dia não deve ser proibido. Não se pode aceitar que ela não jogue por causa disso.”

Além das críticas da comunidade muçulmana, também o clube de Tavira contestou a decisão dos árbitros, afirmando que a decisão vai contra as regras da FIBA: há dois anos e meio, alega o clube, citado no Público, a federação internacional fez uma adenda ao regulamento existente para permitir que acessórios como o hijab possam ser usados desde que não cubram “inteiramente ou parcialmente qualquer parte da cara (olhos, nariz, lábios, etc.)”,

O regulamento de jogos prevê ainda que sejam usadas mangas de compressão nos braços e collants nas pernas da cor do equipamento, pretos ou brancos. A equipa de arbitragem permitiu que Fátima Habib mantivesse os collants e o lenço na cabeça, mas recusou que a jovem utilizasse a camisola e obrigou-a a abandonar o campo. De acordo com a tradição muçulmana, as mulheres não devem exibir os braços.

 

“Uma manifestação colectiva”

Esta não era a primeira vez que Fátima, de origem paquistanesa e há cinco anos a viver em Portugal com a família, jogava com este equipamento. Desde que começou a jogar basquetebol há dois anos, sempre usou essas roupas com o equipamento do clube. Em declarações à TSF, Habib, o pai da jovem atleta, diz que esta foi a primeira vez que tiveram queixas. Ainda no Público, o treinador do Clube de Futebol de Tavira, André Pacheco, levantou a hipótese de a equipa de arbitragem se ter sentido pressionada pela presença de um “observador” na mesa de oficiais, até porque um dos membros da equipa de arbitragem já tinha apitado o jogo anterior da equipa sem pôr em causa a indumentária de Fátima.

André Pacheco levantou mesmo a hipótese de o clube estar a pensar organizar uma “manifestação colectiva”, no próximo domingo, 17, por ocasião do novo jogo, para demonstrar o seu repúdio pelo que aconteceu. “A equipa de arbitragem foi além do que era suposto. Agora o resto da equipa pode ir vestida como ela, como solidariedade. Vamos ver o que vai acontecer”, acrecsenta o xeque David Munir.

Mulheres e islão: uma questão de roupas interditou Fatima Habib de jogar. Ilustração © Sara Naves

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This