Madrid clamou pela paz sem fronteiras, contra medos aos migrantes, a pobreza e a indiferença

| 19 Set 19 | Boas Notícias, Newsletter, Últimas

A cerimónia final, junto da catedral de Almudena. Foto © Sant’Egídio

 

O encontro Paz Sem Fronteiras, promovido pela Comunidade de Santo Egídio em conjunto com a diocese católica de Madrid (Espanha), encerrou com um “apelo de paz”, no qual se manifesta preocupação pelo futuro das novas gerações por causa da destruição do planeta, com o crescimento dos nacionalismos e com a dimensão exclusivamente económica da globalização.

Com a participação de centenas de pessoas de muitas religiões diferentes, e acolhido pelo cardeal Carlos Osoro, arcebispo de Madrid, o encontro concluiu-se terça, 17, ao final do dia, com uma procissão que desembocou na praça entre a catedral de Almudena e o Palácio do Oriente (o palácio real de Espanha).

“Preocupam-nos as futuras gerações, porque vemos que se consome o único planeta de todos como se fosse apenas de alguns. Porque vemos o reaparecimento do culto da força e das oposições nacionalistas, que provocaram grandes destruições ao longo da história. Porque o terrorismo não deixa de matar gente inocente. Porque parece que o sonho de Paz se debilitou”, diz o texto proclamado no final.

Tais são os gritos de “quem está excluído do bem-estar” ou envolvido por guerras em terras onde nada cresce, “como se não fossem homens e mulheres como nós”. O texto termina com um apelo a “responsáveis políticos, aos mais ricos do mundo, a homens e mulheres de boa vontade” para que proporcionem os recursos necessários de modo a “evitar que milhões de crianças morram anualmente por falta de atenção médica e para poder mandar à escola milhões de crianças”. Isso “seria um sinal de esperança para todos”, diz o texto, que aposta no diálogo e na cooperação, contra o “muro da indiferença” que deixa os mais débeis de lado e contra a violência e o desprezo pelas pessoas que são diferentes, porque rezam e falam noutra língua”.

Procissão final, com líderes de diferentes religiões. Ao centro, o cardeal Carlos Osoro, arcebispo de Madrid e anfitrião da iniciativa. Foto © Sant’Egídio

 

As religiões estão também numa encruzilhada de dois caminhos: “Trabalhar pela unificação espiritual” ou deixar-se instrumentalizar por quem “sacraliza as fronteiras e os conflitos”. Antes de convergir para a praça junto da catedral, os participantes rezaram em distintos lugares de oração: cristãos, muçulmanos, judeus, representantes de religiões asiáticas.

Entre os participantes, estavam o rabino-chefe de Telavive (Israel), Meir Lau; o metropolita ortodoxo da Rússia, Hilarion; o reitor da Universidade de Al-Azhar, Mohammad Al-Mahrasawi, e o fundador da Comunidade de Santo Egídio, Andrea Riccardi.

Meir Lau, rabino-chefe de Telavive (Israel), numa intervenção no encontro. Foto © Sant’Egídio

No seu discurso final, perante os representantes religiosos, mas também políticos, artistas, pensadores e muitas centenas de madrilenos, o presidente da Comunidade de Sant’Egídio, Marco Impagliazzo, disse: “O céu é só um. Ao céu todos se dirigem rezando, tanto no desespero como na alegria, tanto nos precários refúgios sob as bombas na Síria como no culto das igrejas, das sinagogas, das mesquitas ou dos templos. O céu não é prisioneiro de fronteiras.”

 

As “bem-aventuranças da paz sem fronteiras”

O cardeal Osoro manifestou a importância de tomar “decisões claras e apostar na cultura do encontro”, lutando “contra a divisão, as rupturas, os enfrentamentos, a violência, a discriminação e a guerra”. No final, proclamou umas “bem-aventuranças da paz sem fronteiras”, que incluem os que sofrem as guerras, os que se sentem próximos das vítimas ou os que renunciam ao extermínio do outro, num texto citado pelo ReligionDigital.

Numa das muitas mesas redondas que se realizaram durante os três dias de encontro, Daniela Pompei, responsável do serviço de migrantes da Comunidade de Santo’Egídio, afirmou que “sem uma visão ancorada nos dados verdadeiros e não nos medos dos fenómenos migratórios, a Europa corre o risco de lançar o seu futuro no mar”.

Esta responsável deu o exemplo de Itália, onde o envelhecimento demográfico e o declínio das taxas de natalidade  atingiram níveis preocupantes. E manifestou o absurdo de haver quem ainda pense que o fenómeno das migrações ainda possa ser encarado “com a arma anacrónica, provada ineficaz, dos muros”: havia cinco muros no final da II Guerra Mundial e 72 em 2016, disse.

Pelo contrário, acrescentou, este é “o momento oportuno para a Europa ultrapassar os medos, para modificar as leis e criar novas regras: foi o que já aconteceu nos últimos três anos com a abertura dos corredores humanitários da Itália, França, Bélgica e Andorra. 2666 pessoas já chegaram em condições seguras, libertas do tráfico de pessoas e do risco da morte no mar. Não devemos ter medo de acolher e investir na integração”, concluiu.

Na mesma linha interveio a presidente da Câmara de Gdansk (Polónia), Aleksandra Dulkiewicz: “O Governo polaco e os grandes meios públicos de comunicação assumem o discurso do ódio contra o emigrante e o diferente”, acusou. Dulkiewicz está no cargo desde Janeiro, depois de o seu antecessor ter sido assassinado, facto de que responsabilizou o “discurso do ódio” existente no país “contra o emigrante e contra o colectivo LGTBI”, fomentado pelo Governo de direita e pelos média públicos. Mas, garantiu, enquanto for presidente da Câmara, Aleksandra Dulkiewicz garante que não desistirá de “construir uma cidade que defenda a dignidade humana”.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco