Nos cinemas em França

“Magnificat”: o padre, afinal, era uma mulher

| 21 Jun 2023

Charlotte (interprétée par Karin Viard), no filme Magnificat. Foto © Move movie – Terence films – Orange studio

Charlotte (interpretada por Karin Viard), entrega-se à investigação de quem foi, de facto, o padre Foucher. Foto © Move movie – Terence films – Orange studio.

 

O caso conta-se em poucas palavras: o padre Foucher, pároco de uma paróquia francesa, morre. Pouco tempo depois, a chanceler da diocese, Charlotte de seu nome, descobre que Foucher, de quem gostava, era afinal uma mulher que tinha conseguido passar por homem, ao longo da vida.

Charlotte, mulher “inteligente e determinada”, que cuida sozinha do seu filho adolescente, depara-se com a intenção do bispo Mével de encobrir o potencial escândalo. Decide, porém, entregar-se à investigação de quem foi, de facto, o padre Foucher – como e com que estratagemas foi possível encobrir tamanha impostura. E o que descobre é inquietante, inclusivamente sobre feridas e segredos do seu próprio passado.

Tudo isto é, porém, pura ficção, constituindo a trama de uma longa metragem intitulada “Magnificat”, que chega esta quarta-feira, dia 21 de junho, aos cinemas de França e outros países da região, com realização de Virginie Sauveur.

O argumento baseia-se num livro de Anne-Isabelle Lacassagne e o que motivou Sauveur a apostar na adaptação foi, precisamente, a figura de Charlotte e o facto de o presbiterado ser no ocidente o último setor da vida social vedado às mulheres.

“É sempre emocionante contar sobre heroínas ou heróis que são capazes de transgredir regras que lhes parecem injustas ou regressivas, para reivindicar a sua liberdade”, confessa a realizadora, em declarações ao site católico suíço cath.ch.

Virginie Sauveur recusa, na entrevista, ter feito um filme para atacar a Igreja. Diz-se uma pessoa com sensibilidade cristã. “Tenho uma imensa curiosidade e admiração por Cristo e a sua palavra, à qual sou muito apegada. Jesus, para mim, foi um homem incrível, e um grande feminista, que tentou colocar a mulher no centro, numa sociedade extremamente misógina”, observou.

Porém, não se assume como católica, apesar de admirar o Papa Francisco. “A Igreja, às vezes, carece de tolerância, de abertura; há muitas condenações, restrições”, lamenta.

Sauveur, que apresenta no filme vários tipos de padre, confessa ter procurado evitar maniqueísmos, personagens simplistas ou superficiais, o que o autor da entrevista, Raphaël Zbinden, reconhece, quando, em nota de comentário, chama a atenção para “a subtileza e a sensibilidade com que [a realizadora] coloca questões delicadas”, com “um naipe assinalável de atores e uma encenação notável”.

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This