Maiores confissões dos Estados Unidos receiam distanciamento de jovens por causa dos abusos sexuais e políticas LGBT

| 14 Mar 19 | Igrejas Cristãs, Últimas

Os últimos tempos têm sido devastadores para três das maiores denominações religiosas dos Estados Unidos, à medida que surgem escândalos de abusos sexuais e que a exclusão de pessoas LGBT motivam preocupação dentro da Igreja Católica, da Convenção Baptista do Sul e das Igrejas Metodistas. Aumenta o receio de que estas crises alienem jovens desencantados com a religião organizada, noticia a Associated Press, resumindo o que se tem passado nas principais confissões do país. 

Para a Igreja Católica, a dimensão dos abusos sexuais que tem vindo a público nas últimas duas décadas agravou-se exponencialmente nos últimos meses e muitas dioceses tornaram-se alvos de investigação. A Convenção Baptista do Sul, a maior denominação protestante dos Estados Unidos, viu-se confrontada com a sua própria crise de abusos sexuais há três semanas, por meio de uma investigação desenvolvida pelos jornais Houston Chronicle e San Antonio Express-News. Nesta investigação, foram denunciados casos de má-conduta sexual de pastores, responsáveis e funcionários durante os últimos 20 anos sobre 700 vítimas – três meses depois de uma outra investigação ter denunciado mais de 400 casos de alegada conduta sexual inadequada em 187 igrejas evangélicas batistas de 40 estados dos EUA. 

Já na Igreja Metodista o problema tem sido outro: uma rotura inconciliável relativa a casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação de clero LGBT. Aproximadamente 53 por cento dos delegados a uma conferência geral da Igreja votaram para manter essas práticas banidas, enquanto que os restantes enfrentam a escolha de sair da Igreja ou continuar a lutar pela inclusão desses membros.

Para o pastor Adam Hamilton, da Igreja Metodista de Leakwood (Kansas), o resultado desta votação levará a um afastamento de novos pastores e outros jovens adultos: “Três em cada quatro millenials que vivem nos Estados Unidos apoiam o casamento entre pessoas do mesmos sexo e não querem fazer parte de uma Igreja que faz os seus amigos sentirem-se como cristãos de segunda-classe.”

Mesmo antes destas últimas crises, as denominações cristãs nos Estados Unidos têm perdido membros progressivamente. O mais recente inquérito do Pew Research Center, relativo à paisagem religiosa do país, revelou que o maior crescimento tinha ocorrido nas pessoas que se dizem “não afiliadas” a qualquer religião – agnósticos, ateus ou nada em particular. Os últimos são equiparados aos chamados nones – normalmente jovens que querem espiritualidade nas suas vidas e que, em geral, se sentem desencantados com as confissões institucionalizadas.

Artigos relacionados

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco