Mais 30 refugiados em Portugal. E vão 724.

| 19 Abr 2021

Refugiados a aprender português no CPR. Foto © Conselho Português para os Refugiados

 

Portugal acolheu mais 30 refugiados no final da última semana: mais 28 refugiados chegaram na quinta-feira, oriundos da Turquia e dois migrantes que tinham sido resgatados no Mediterrâneo.

Um comunicado conjunto do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Presidência acrescenta que o grupo inclui 23 sírios, cinco iraquianos e dois eritreus e serão acolhidos nos concelhos de Esposende, São João da Madeira e Lisboa.

Até agora, de acordo com a mesma fonte, Portugal recebeu, no âmbito do Programa de Reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), um total de 724 pessoas vindas do Egipto e da Turquia, oriundas da Síria, Iraque, Etiópia, Sudão, Sudão do Sul, Eritreia e Somália.

O comunicado oficial acrescenta que Portugal no âmbito do compromisso português com a Comissão Europeia para a recolocação de menores não acompanhados, encontram-se já 78 menores no país – o que faz de Portugal o 4.º Estado-membro que mais menores não acompanhados acolheu, depois da Alemanha, França e Finlândia.

“A manutenção dos Programas Nacionais de Reinstalação e Recolocação por parte do Estado Português, o Programa de Acolhimento de Menores Não Acompanhados provenientes da Grécia ou o acolhimento de requerentes no âmbito de resgates humanitários efectuados no Mediterrâneo representam o reconhecimento da diversificação dos mecanismos de protecção e acções concretas nesse sentido, garantindo protecção a quem dela necessita”, comenta ao 7MARGENS a presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR), Mónica d’ Oliveira Farinha.

No âmbito da EU, acrescenta a mesma responsável, eles “representam um exemplo relevante na defesa de mecanismos de solidariedade e de partilha num contexto particularmente difícil em que assistimos a posições políticas extremas e à polarização da opinião pública quanto aos refugiados”.

 

“O Estado não está só…”

Um novo país dá novas perspetivas de vida a quem fugiu da guerra ou da pobreza. Foto © Conselho Português para os Refugiados.

 

O comunicado governamental esclarece, aliás, que todas as pessoas que chegam a Portugal naquelas condições beneficiam do Estatuto de Refugiado e são “titulares de uma Declaração comprovativa do Estatuto de Proteção Internacional enquanto aguardam a emissão do Título de Residência para Refugiado, nos termos da Lei de Asilo”.

Mónica Farinha lembra que o fecho das fronteiras, as restrições à circulação e o confinamento, decorrentes da pandemia, “tiveram forte impacto nos movimentos migratórios, nomeadamente nos pedidos espontâneos de protecção internacional”. A suspensão do Programa de Reinstalação por parte do ACNUR durante vários meses, em 2020, “afectou a vida dos refugiados que aguardavam a integração noutro país de acolhimento, designadamente em Portugal”, acrescenta ainda.

Há necessidade de medidas globais para prevenir e controlar a pandemia, mas isso “não impediu a continuação dos conflitos armados, das perseguições e das violações dos Direitos Humanos”, recorda a presidente do CPR. Por isso, “as necessidades de protecção internacional prosseguem e devem ser acauteladas”, sublinha.

Perante a afirmação do comunicado do Executivo de que o “acolhimento e a integração têm sido uma prioridade do Governo, num esforço contínuo – envolvendo o Estado central, as autarquias locais, entidades públicas e privadas”, Mónica Farinha acrescenta: “O Estado Português não está só. Conta com o envolvimento da sociedade civil, de vários actores e entidades de acolhimento, como o CPR”. No caso deste último grupo, nenhum deles será acolhido por este organismo, até porque há várias organizações que “acolhem e apoiam os requerentes e os refugiados no seu processo de integração em Portugal, desenvolvendo uma cultura de protecção, orientada para as pessoas e para as comunidades”.

Apesar das boas notícias, Mónica Farinha não tem dúvidas: “Muito há ainda a fazer.” E, “tratando-se de uma realidade complexa, as soluções têm de ser concertadas e consistentes.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Fraternidade sem fronteiras

Fraternidade sem fronteiras novidade

A fraternidade é imprescindível na vida e na missão. No Congresso sobre o tema, a realizar nos dias 14 e 15 de Outubro, em Lisboa, queremos reflectir sobre a construção da fraternidade na sociedade, na política, na economia, na missão, no diálogo entre as religiões e na reconstrução da esperança.

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir”

Indígena do povo Mura em entrevista

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir” novidade

Aos 35 anos, Elis Santos, religiosa da Divina Providência, é uma das vozes mais ativas no Brasil na luta pelos direitos dos povos indígenas. Descendente do povo Mura e mestre em Antropologia Social, a irmã Elis falou ao 7MARGENS durante o encontro d’A Economia de Francisco, que decorreu na semana passada em Assis, e lamentou que no seu país continue a prevalecer “uma economia que mata”. 

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This