Mais adultos na dor e mais crianças na alegria

| 12 Mai 19 | Entre Margens, Últimas

Como o trabalho voluntário em ambientes de incerteza e risco nos pode levar a viver valores que defendemos, mas que dificilmente concretizamos.

 

Aqui começou um pouco da minha vida” – escrevia eu num diário de adolescente a 16 de janeiro de 1973, com os meus 16 anos.

Em resposta a um desafio inesperado (mas que me encheu a alma) de uma cunhada que sempre trabalhou como assistente social em bairros ditos “sociais” (ou seja, onde vivem pessoas mais pobres) integrei uma equipa de sete jovens que, como eu, iriam animar atividades de tempos livres num pavilhão à entrada do Bairro do Relógio, perto do aeroporto de Lisboa.

Não era a primeira vez que me desafiavam a trabalhar/dar o meu tempo em bairros sociais. Mas esta proposta trazia consigo maior exigência de continuidade junto a uma comunidade, longe do meu bairro, onde viviam sobretudo pobres que eu não conhecia. Saberia eu estar à altura? Que hábitos teriam? Passavam mesmo fome? Teriam possibilidade de se lavarem? Que cheiro teriam? Trabalhavam ou roubavam?

Escrevi no diário: “Aqui a palavra trabalhar tem um sentido diferente, pois na verdade fui aprender, e aprender a viver com todas aquelas pessoas diferentes pela sua posição, modos de viver e ser.”

Que íamos fazer com estas crianças?

Numa das primeiras reuniões de preparação registo no diário:

O trabalho é das 14h30 às 16h30, às terças e quintas no atelier, e fora disso é todo o tempo nós possamos dar.” Abriam-se, assim, duas possibilidades de relação com as crianças: uma, durante as atividades; outra, o tempo dado – essa imensa possibilidade de criar relações de proximidade. Criar laços!

Comecemos pela primeira. Que tipo de atividades fazíamos com as crianças no atelier?

“(…) dia 16, ao chegar lá já estavam todos sentados com os miúdos. Eram giros, com um ar malandro, e eu sentei-me também, um pouco a experimentar os olhares da miudagem…

Havia de gostar de trabalhar com eles… foi tudo tão depressa que quase não vi passar as horas que estivemos juntos… E na despedida lá iam eles a dizer adeus, aos pulos e pontapés uns aos outros (…)

Não são como as outras crianças, são mais adultos na dor e mais crianças na alegria.

(…) Fui para casa com um desejo enorme de continuar, foi também talvez um calor que senti no frio que apanhei, é algo profundamente orgulhoso que sentimos.

 (…) Nos primeiros dias deram-se muitos gritos e muitas correrias, mas no final lá se acalmaram a desenhar livremente ou a jogar ao Dominó (…) As actividades de pintura e plasticinas continuavam, mas começámos a trazer jogos de casa e os miúdos ficavam encantados com todas as novidades. Um dia, como eu levava uma grande caixa com jogos, toda a miudagem saltou à minha volta.

(…) Com o andar dos dias as crianças já tinham dificuldade em largar os jogos e colocavam com orgulho os seus desenhos nas paredes. Construímos proximidades de relação que nos tornavam mais responsáveis por cada criança.”

Percebi mais uma vez como as atividades artísticas podem facilitar a relação e criar um ambiente de maior felicidade.

E ao terminarmos as atividades do atelier, a despedida pedia mais…

“(…) no fim, ao sairmos tive uma enorme vontade de ir dar uma volta com eles, mas a coragem e a decisão são difíceis de agarrar com firmeza e lá deixei ir os miúdos pela rua fora a rir para não se lembrarem logo da tristeza da barraca”.

Um outro desafio me esperava: “A prova dos caracóis”. Mas esse fica para uma próxima crónica.

 

10 de maio de 2019

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco