Mais de 100 mil saíram à rua contra Lukashenko e têm o apoio das Igrejas evangélicas bielorrussas

| 29 Set 2020

O arcebispo de Minsk (Bielorrússia), Tadeusz Kondrusiewicz, continua na Polónia sem poder regressar ao país, enquanto as polícias às ordens do ministro do Interior continuam a prender manifestantes. Foto: Direitos reservados.

 

Cumpriram-se este domingo, 27 de setembro, 50 dias consecutivos de manifestações contra Alexander Lukashenko, que assumiu o sexto mandato como presidente da Bielorrússia apesar das inúmeras acusações de que a eleição do passado dia 9 de agosto foi fraudulenta. Só na capital, Minsk, foram mais de cem mil as pessoas que saíram à rua, mas os protestos estenderam-se a outras 21 cidades do país. As Igrejas Evangélicas bielorrussas fizeram questão de demonstrar o seu apoio aos manifestantes, divulgando uma “carta aberta ao povo bielorrusso”, em que pedem uma análise aos resultados das eleições e a realização de novo sufrágio caso se comprove que houve fraude.

Durante os protestos, foram detidas cerca de 500 pessoas, anunciou na segunda-feira o Ministério do Interior da Bielorrússia. De acordo com a Viasna, associação de defesa dos direitos humanos, “foi usada força excessiva pela polícia de intervenção” e também por “pessoas não identificadas, usando roupas civis”. “Alguns dos detidos eram menores, vários manifestantes ficaram feridos durante as detenções”, acrescenta a organização, no relato acerca dos protestos publicado na sua página oficial.

A carta aberta assinada pelos representantes de 50 igrejas evangélicas da Bielorrússia, lança, entre outros, um apelo ao governo para que ponha fim “a toda a violência contra os cidadãos pacíficos da oposição” e “a todas as formas de tortura de pessoas inocentes, detidas e condenadas injustamente a anos de prisão”.

De acordo com o Protestante Digital, esta é a primeira vez que os evangélicos se manifestam relativamente a questões políticas no país. “Existe o perigo real de que os signatários da carta sejam interrogados, perseguidos, presos e torturados como muitos outros antes deles”, refere o texto. “Mas a sociedade escutará. Os evangélicos não se esconderam, estão com o povo”.

O arcebispo católico de Minsk, Tadeusz Kondrusiewicz, que desde o início dos protestos manifestou a sua solidariedade para com o povo bielorrusso e incitou à escolha de um caminho pacífico e diálogo sincero entre as partes em conflito, continua retido na Polónia, onde se deslocou para uma celebração religiosa no passado dia 31 de agosto. Ao regressar, foi impedido pelas autoridades bielorrussas de atravessar a fronteira e entrar no seu país.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This