Mais de 100 mil saíram à rua contra Lukashenko e têm o apoio das Igrejas evangélicas bielorrussas

| 29 Set 20

O arcebispo de Minsk (Bielorrússia), Tadeusz Kondrusiewicz, continua na Polónia sem poder regressar ao país, enquanto as polícias às ordens do ministro do Interior continuam a prender manifestantes. Foto: Direitos reservados.

 

Cumpriram-se este domingo, 27 de setembro, 50 dias consecutivos de manifestações contra Alexander Lukashenko, que assumiu o sexto mandato como presidente da Bielorrússia apesar das inúmeras acusações de que a eleição do passado dia 9 de agosto foi fraudulenta. Só na capital, Minsk, foram mais de cem mil as pessoas que saíram à rua, mas os protestos estenderam-se a outras 21 cidades do país. As Igrejas Evangélicas bielorrussas fizeram questão de demonstrar o seu apoio aos manifestantes, divulgando uma “carta aberta ao povo bielorrusso”, em que pedem uma análise aos resultados das eleições e a realização de novo sufrágio caso se comprove que houve fraude.

Durante os protestos, foram detidas cerca de 500 pessoas, anunciou na segunda-feira o Ministério do Interior da Bielorrússia. De acordo com a Viasna, associação de defesa dos direitos humanos, “foi usada força excessiva pela polícia de intervenção” e também por “pessoas não identificadas, usando roupas civis”. “Alguns dos detidos eram menores, vários manifestantes ficaram feridos durante as detenções”, acrescenta a organização, no relato acerca dos protestos publicado na sua página oficial.

A carta aberta assinada pelos representantes de 50 igrejas evangélicas da Bielorrússia, lança, entre outros, um apelo ao governo para que ponha fim “a toda a violência contra os cidadãos pacíficos da oposição” e “a todas as formas de tortura de pessoas inocentes, detidas e condenadas injustamente a anos de prisão”.

De acordo com o Protestante Digital, esta é a primeira vez que os evangélicos se manifestam relativamente a questões políticas no país. “Existe o perigo real de que os signatários da carta sejam interrogados, perseguidos, presos e torturados como muitos outros antes deles”, refere o texto. “Mas a sociedade escutará. Os evangélicos não se esconderam, estão com o povo”.

O arcebispo católico de Minsk, Tadeusz Kondrusiewicz, que desde o início dos protestos manifestou a sua solidariedade para com o povo bielorrusso e incitou à escolha de um caminho pacífico e diálogo sincero entre as partes em conflito, continua retido na Polónia, onde se deslocou para uma celebração religiosa no passado dia 31 de agosto. Ao regressar, foi impedido pelas autoridades bielorrussas de atravessar a fronteira e entrar no seu país.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This