Muçulmanos também são vítimas

Mais de 200 casos de violência contra os cristãos desde Janeiro na Índia

| 21 Jun 2022

Refugiados cristãos na Índia. Foto © EU 2012 - photo credits: EC/ECHO Arjun Claire

Foto de arquivo de refugiados cristãos na Índia. Foto © EU 2012 – photo credits: EC/ECHO Arjun Claire

 

Os episódios de violência contra cristãos na Índia continuam a crescer e, de acordo com o Forum Cristão Unido (UCF, da sigla em inglês), que reúne diversas entidades religiosas da Índia, só desde o início do ano já se registaram mais de duas centenas de incidentes. 

No total, diz a organização, até ao final de Maio foram contabilizados 207 casos, especialmente nos estados de Uttar Pradesh, Chhattisgarh, Jharkhand, Madhya Pradesh e Karnataka. Uma situação que reclama uma intervenção urgente por parte das autoridades judiciais e de segurança, diz o UCF, citado pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). 

Os dados foram obtidos através de uma linha telefónica gratuita “de ajuda”, a nível nacional, que permitiu dar voz a pessoas que, provavelmente, nunca denunciariam situações de abuso e de violência.

Estes casos, considera o UCF, representam um padrão cada vez mais comum na Índia depois de 2014, quando o actual primeiro-ministro, Narendra Modi, e o seu partido BJP, nacionalista hindu, conquistaram o poder. A.C. Michael, coordenador nacional do UCF, diz que no ano passado foram documentados 505 casos de violência – no Natal houve 16 actos violentos, incluindo a profanação e danos de estátuas de Jesus Cristo numa igreja histórica no estado de Haryana.

“Estes dados vão contra as declarações de funcionários do governo federal e dos vários Estados, segundo os quais não há nenhuma perseguição e são apenas alguns incidentes isolados, por parte de elementos marginais”, diz o mesmo responsável. 

O Fórum denuncia ainda a inoperância das autoridades que, muitas vezes, assistem passivamente à violência sem nada fazerem. De acordo com os dados coligidos, há situações que incluem brutalidade contra mulheres, encerramento forçado de igrejas, interrupção de momentos de oração e o ostracismo social, visível especialmente nos meios rurais.

“Muçulmanos já não são cidadãos iguais”

Também os muçulmanos – cerca de 14 por cento da população de 1,4 mil milhões de pessoas – são vítimas crescentes de violência por parte de grupos que se reclamam do nacionalismo hindu radical. Em Abril, por exemplo, uma festividade religiosa deu origem a actos de violência contra muçulmanos, como contava na altura a Associated Press. 

No The Muslim News, jornal sediado em Londres e dedicado ao noticiário do mundo muçulmano, um artigo de opinião de Shauqueen Mizaj observava, em Abril, que “o sentimento anti-muçulmano intensificou-se e é agora ainda mais evidente”. 

E acrescentava: “Os muçulmanos já não são vistos como cidadãos iguais, com ataques físicos e verbais à sua subsistência, rituais religiosos, locais de culto e hábitos alimentares. Tem havido apelos abertos ao genocídio de muçulmanos e à violação em massa de mulheres muçulmanas. Em Karnataka, o Governo proibiu hijabs em instituições educacionais em todo o Estado, obrigando as mulheres muçulmanas a escolher entre a sua fé e a educação.”

Mizaj acrescentava outro exemplo: “Os grupos de direita no estado também tinham iniciado uma campanha de combate à carne, que recebeu o apoio dos principais ministros do governo Modi, incluindo o ministro do Interior, Araga Jnanendra.”

Em Janeiro, outro jornal, The Muslim Times, noticiava que numa conferência no mês anterior, Pooja Shakun Pandey, um dos responsáveis do partido Mahasabha, de extrema-direita, afirmara: “Se 100 de nós se tornassem soldados e estivessem preparados para matar dois milhões [de muçulmanos], iríamos vencer (…) proteger a Índia e fazer dela uma nação hindu.”

No caso dos cristãos (perto de 28 milhões, pouco mais que 2% da população do país) e dos católicos, especificamente, a AIS aprovou, em 2021, um pacote de mais de cinco milhões de euros para apoiar as comunidades daquele país. A ajuda permitiu ajudar à subsistência de padres e religiosas, bem como de catequistas e suas famílias, em mais de 140 dioceses da Índia que estavam numa situação de particular dificuldade por causa das consequências da crise pandémica.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This