Muçulmanos também são vítimas

Mais de 200 casos de violência contra os cristãos desde Janeiro na Índia

| 21 Jun 2022

Refugiados cristãos na Índia. Foto © EU 2012 - photo credits: EC/ECHO Arjun Claire

Foto de arquivo de refugiados cristãos na Índia. Foto © EU 2012 – photo credits: EC/ECHO Arjun Claire

 

Os episódios de violência contra cristãos na Índia continuam a crescer e, de acordo com o Forum Cristão Unido (UCF, da sigla em inglês), que reúne diversas entidades religiosas da Índia, só desde o início do ano já se registaram mais de duas centenas de incidentes. 

No total, diz a organização, até ao final de Maio foram contabilizados 207 casos, especialmente nos estados de Uttar Pradesh, Chhattisgarh, Jharkhand, Madhya Pradesh e Karnataka. Uma situação que reclama uma intervenção urgente por parte das autoridades judiciais e de segurança, diz o UCF, citado pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). 

Os dados foram obtidos através de uma linha telefónica gratuita “de ajuda”, a nível nacional, que permitiu dar voz a pessoas que, provavelmente, nunca denunciariam situações de abuso e de violência.

Estes casos, considera o UCF, representam um padrão cada vez mais comum na Índia depois de 2014, quando o actual primeiro-ministro, Narendra Modi, e o seu partido BJP, nacionalista hindu, conquistaram o poder. A.C. Michael, coordenador nacional do UCF, diz que no ano passado foram documentados 505 casos de violência – no Natal houve 16 actos violentos, incluindo a profanação e danos de estátuas de Jesus Cristo numa igreja histórica no estado de Haryana.

“Estes dados vão contra as declarações de funcionários do governo federal e dos vários Estados, segundo os quais não há nenhuma perseguição e são apenas alguns incidentes isolados, por parte de elementos marginais”, diz o mesmo responsável. 

O Fórum denuncia ainda a inoperância das autoridades que, muitas vezes, assistem passivamente à violência sem nada fazerem. De acordo com os dados coligidos, há situações que incluem brutalidade contra mulheres, encerramento forçado de igrejas, interrupção de momentos de oração e o ostracismo social, visível especialmente nos meios rurais.

“Muçulmanos já não são cidadãos iguais”

Também os muçulmanos – cerca de 14 por cento da população de 1,4 mil milhões de pessoas – são vítimas crescentes de violência por parte de grupos que se reclamam do nacionalismo hindu radical. Em Abril, por exemplo, uma festividade religiosa deu origem a actos de violência contra muçulmanos, como contava na altura a Associated Press. 

No The Muslim News, jornal sediado em Londres e dedicado ao noticiário do mundo muçulmano, um artigo de opinião de Shauqueen Mizaj observava, em Abril, que “o sentimento anti-muçulmano intensificou-se e é agora ainda mais evidente”. 

E acrescentava: “Os muçulmanos já não são vistos como cidadãos iguais, com ataques físicos e verbais à sua subsistência, rituais religiosos, locais de culto e hábitos alimentares. Tem havido apelos abertos ao genocídio de muçulmanos e à violação em massa de mulheres muçulmanas. Em Karnataka, o Governo proibiu hijabs em instituições educacionais em todo o Estado, obrigando as mulheres muçulmanas a escolher entre a sua fé e a educação.”

Mizaj acrescentava outro exemplo: “Os grupos de direita no estado também tinham iniciado uma campanha de combate à carne, que recebeu o apoio dos principais ministros do governo Modi, incluindo o ministro do Interior, Araga Jnanendra.”

Em Janeiro, outro jornal, The Muslim Times, noticiava que numa conferência no mês anterior, Pooja Shakun Pandey, um dos responsáveis do partido Mahasabha, de extrema-direita, afirmara: “Se 100 de nós se tornassem soldados e estivessem preparados para matar dois milhões [de muçulmanos], iríamos vencer (…) proteger a Índia e fazer dela uma nação hindu.”

No caso dos cristãos (perto de 28 milhões, pouco mais que 2% da população do país) e dos católicos, especificamente, a AIS aprovou, em 2021, um pacote de mais de cinco milhões de euros para apoiar as comunidades daquele país. A ajuda permitiu ajudar à subsistência de padres e religiosas, bem como de catequistas e suas famílias, em mais de 140 dioceses da Índia que estavam numa situação de particular dificuldade por causa das consequências da crise pandémica.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This