Perseguição religiosa aumenta

Mais de 200 cristãos foram presos na Eritreia no último ano

| 5 Jul 2024

Mãos de prisioneiro nas barras da porta da cela, prisão central de Monrovia, Libéria, março de 2011. Foto © Glenna Gordon

“Na última leva de detenções, algumas crianças foram levadas juntamente com os seus pais e, em alguns casos, a família inteira está na prisão”, sublinha Berhane Asmelash, pastor anglicano eritreu que já esteve preso devido à sua fé. Foto © Glenna Gordon

Um novo relatório da Release International – organização de defesa da liberdade religiosa sedeada no Reino Unido – revela que, nos últimos doze meses, pelo menos 218 cristãos foram presos na Eritreia, muitos deles mulheres e crianças.

Só entre janeiro e maio, terão sido 110 os cristãos capturados pelas autoridades do país do Corno de África, o que significa que “cerca de 400 cristãos estão atualmente presos, por tempo indeterminado, sem julgamento ou acusação, por causa da sua fé”, adianta o documento divulgado na passada quarta-feira, 3 de julho.

“Na última leva de detenções, algumas crianças foram levadas juntamente com os seus pais e, em alguns casos, a família inteira está na prisão”, sublinha Berhane Asmelash, pastor anglicano eritreu que já esteve preso devido à sua fé e atualmente colabora com a Release International. “Estamos muito preocupados com o bem-estar físico e mental das crianças, algumas das quais têm apenas dois anos de idade. Isso é totalmente inaceitável, e condenamos veementemente esse ato desumano do governo da Eritreia”, acrescenta, citado no comunicado que dá a conhecer o novo relatório.

 

Quatro comunidades religiosas “autorizadas” e até essas são perseguidas

Livro Brother_I_Have_Come_To_Arrest_You_800px

No seu livro, o pastor anglicano escreve sobre as torturas a que foi sujeito, o tempo que passou com alguns prisioneiros no corredor da morte, as execuções simuladas, e sobre como a fé o ajudou a si e a outros a superar esta experiência traumática. 

Asmelash acaba de lançar um livro onde conta a própria história enquanto vítima de perseguição religiosa na Eritreia. Intitulado Brother, I have come to arrest you (em português, Irmão, vim para prender-te), nele fala sobre as torturas a que foi sujeito, o tempo que passou com alguns prisioneiros no corredor da morte, as execuções simuladas, e sobre como a fé o ajudou a si e a outros a superar esta experiência traumática.

A sua história remonta ao tempo em que a Eritreia procurava conquistar a independência da Etiópia, algo que aconteceu em 1993, após 30 anos de guerra. O antigo líder do movimento de independência, Isaias Afwerki, governa o país desde então. Mas se inicialmente parecia querer fazê-lo de forma democrática, na prática foi-se revelando cada vez mais autoritário, pelo que as Igrejas sentem, ainda hoje, as consequências desse autoritarismo.

Atualmente, o Governo da Eritreia reconhece quatro religiões estatais: a Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahedo, o Islamismo Sunita, a Igreja Católica e a Igreja Evangélica Luterana da Eritreia. Outras religiões não são permitidas e são consideradas ilegais. E mesmo sobre as “autorizadas”, o Estado mantém um controlo rígido, que se reflete na imposição de líderes, apropriação de bens e detenção arbitrária e por tempo indefinido dos seus praticantes.

O mais recente relatório da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre corrobora a falta de liberdade religiosa no país, onde se estima que 52% da população seja muçulmana e 47% cristã: “As quatro comunidades religiosas autorizadas no país ainda necessitam de autorização do Gabinete de Assuntos Religiosos para imprimir e distribuir literatura religiosa entre os seus fiéis. Os líderes religiosos e os meios de comunicação religiosos não estão autorizados a comentar questões políticas. (…) Os líderes religiosos são obrigados a apresentar semestralmente ao Governo relatórios sobre as suas atividades. O Gabinete também proíbe as quatro religiões reconhecidas de aceitarem fundos provenientes do estrangeiro, o que restringe os recursos financeiros a fundos gerados localmente e em geral limita as atividades religiosas ao culto”.

O documento refere que “é comum que membros de grupos religiosos não reconhecidos testemunhem ser presos e detidos sem qualquer explicação”, dá inúmeros exemplos, e conclui: “A Eritreia é uma ditadura em que a maioria dos direitos humanos, incluindo a liberdade religiosa, é violada. (…)  As perspectivas de liberdade religiosa continuam a ser sombrias”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This