Mais de 30 organizações pedem envio urgente de ajuda humanitária para Cabo Delgado

| 5 Mai 21

Cabo Delgado, Moçambique, mulheres, Oikos

Cabo Delgado é uma zona de insegurança alimentar aguda e a maioria das famílias muito pobres esgotou as suas reservas de alimentos. Foto © Oikos.

 

Um mês depois de terem lançado nas redes sociais o apelo “Cabo Delgado não pode esperar”, 36 organizações da sociedade civil insistem no envio de ajuda humanitária para Cabo Delgado. Desde há um mês, estas organizações – de defesa dos direitos humanos, religiosas, de ajuda humanitária, de cooperação e desenvolvimento – começaram a publicar apelos diretos, nas redes sociais, para que a população de Cabo Delgado tenha o apoio de que necessita.

Num comunicado tornado público e enviado ao 7MARGENS, as organizações apelam “ao Governo português, à União Europeia e às Nações Unidas que mobilizem todos os esforços para enviar com urgência ajuda humanitária para a região de Cabo Delgado”.

O balanço das iniciativas realizadas até agora é positivo, dizem as organizações. No sentido de manter o tema “presente na agenda dos decisores políticos e na consciência da sociedade civil”, houve já encontros com a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira, os grupos parlamentares do Bloco de Esquerda e Os Verdes, aguardando-se ainda a marcação de uma reunião com o grupo parlamentar do PSD . “Dos encontros já realizados destaca-se a disponibilidade para ouvir falar sobre este tema e a garantia de que não o querem esquecido junto do Governo português”, resume o comunicado.

As mais de 30 organizações, que se juntam nesta ação por Cabo Delgado, têm em comum o trabalho em defesa da paz e dos direitos humanos através da ajuda humanitária e de emergência e da educação e cooperação para o desenvolvimento.

Esta rede surgiu na sequência do manifesto público “Cabo Delgado: não nos conformamos com a violência” e de uma carta enviada ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, e pretende atenuar os problemas causados pelos quase quatro anos de ataques violentos na província de Cabo Delgado.

Desde há quatro anos que a população de Cabo Delgado é vítima de violentos ataques, que causaram mais de 2500 mortos e 700 mil deslocados internos, numa catástrofe humanitária sem precedentes na região.

 

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

Ensaio

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

As intervenções de um Papa na Assembleia Geral das Nações Unidas (AGONU) aconteceram em cinco momentos da História e resultaram de um estatuto jurídico reconhecido internacionalmente ao líder máximo da Igreja Católica, incomparável quer relativamente aos líderes das outras religiões, quer aos das nações. Isto, por si só, é relevante a nível da política e das relações internacionais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This