Mais de 30 organizações pedem envio urgente de ajuda humanitária para Cabo Delgado

| 5 Mai 2021

Cabo Delgado, Moçambique, mulheres, Oikos

Cabo Delgado é uma zona de insegurança alimentar aguda e a maioria das famílias muito pobres esgotou as suas reservas de alimentos. Foto © Oikos.

 

Um mês depois de terem lançado nas redes sociais o apelo “Cabo Delgado não pode esperar”, 36 organizações da sociedade civil insistem no envio de ajuda humanitária para Cabo Delgado. Desde há um mês, estas organizações – de defesa dos direitos humanos, religiosas, de ajuda humanitária, de cooperação e desenvolvimento – começaram a publicar apelos diretos, nas redes sociais, para que a população de Cabo Delgado tenha o apoio de que necessita.

Num comunicado tornado público e enviado ao 7MARGENS, as organizações apelam “ao Governo português, à União Europeia e às Nações Unidas que mobilizem todos os esforços para enviar com urgência ajuda humanitária para a região de Cabo Delgado”.

O balanço das iniciativas realizadas até agora é positivo, dizem as organizações. No sentido de manter o tema “presente na agenda dos decisores políticos e na consciência da sociedade civil”, houve já encontros com a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira, os grupos parlamentares do Bloco de Esquerda e Os Verdes, aguardando-se ainda a marcação de uma reunião com o grupo parlamentar do PSD . “Dos encontros já realizados destaca-se a disponibilidade para ouvir falar sobre este tema e a garantia de que não o querem esquecido junto do Governo português”, resume o comunicado.

As mais de 30 organizações, que se juntam nesta ação por Cabo Delgado, têm em comum o trabalho em defesa da paz e dos direitos humanos através da ajuda humanitária e de emergência e da educação e cooperação para o desenvolvimento.

Esta rede surgiu na sequência do manifesto público “Cabo Delgado: não nos conformamos com a violência” e de uma carta enviada ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, e pretende atenuar os problemas causados pelos quase quatro anos de ataques violentos na província de Cabo Delgado.

Desde há quatro anos que a população de Cabo Delgado é vítima de violentos ataques, que causaram mais de 2500 mortos e 700 mil deslocados internos, numa catástrofe humanitária sem precedentes na região.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This