Mais de 30 organizações pedem envio urgente de ajuda humanitária para Cabo Delgado

| 5 Mai 21

Cabo Delgado, Moçambique, mulheres, Oikos

Cabo Delgado é uma zona de insegurança alimentar aguda e a maioria das famílias muito pobres esgotou as suas reservas de alimentos. Foto © Oikos.

 

Um mês depois de terem lançado nas redes sociais o apelo “Cabo Delgado não pode esperar”, 36 organizações da sociedade civil insistem no envio de ajuda humanitária para Cabo Delgado. Desde há um mês, estas organizações – de defesa dos direitos humanos, religiosas, de ajuda humanitária, de cooperação e desenvolvimento – começaram a publicar apelos diretos, nas redes sociais, para que a população de Cabo Delgado tenha o apoio de que necessita.

Num comunicado tornado público e enviado ao 7MARGENS, as organizações apelam “ao Governo português, à União Europeia e às Nações Unidas que mobilizem todos os esforços para enviar com urgência ajuda humanitária para a região de Cabo Delgado”.

O balanço das iniciativas realizadas até agora é positivo, dizem as organizações. No sentido de manter o tema “presente na agenda dos decisores políticos e na consciência da sociedade civil”, houve já encontros com a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira, os grupos parlamentares do Bloco de Esquerda e Os Verdes, aguardando-se ainda a marcação de uma reunião com o grupo parlamentar do PSD . “Dos encontros já realizados destaca-se a disponibilidade para ouvir falar sobre este tema e a garantia de que não o querem esquecido junto do Governo português”, resume o comunicado.

As mais de 30 organizações, que se juntam nesta ação por Cabo Delgado, têm em comum o trabalho em defesa da paz e dos direitos humanos através da ajuda humanitária e de emergência e da educação e cooperação para o desenvolvimento.

Esta rede surgiu na sequência do manifesto público “Cabo Delgado: não nos conformamos com a violência” e de uma carta enviada ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, e pretende atenuar os problemas causados pelos quase quatro anos de ataques violentos na província de Cabo Delgado.

Desde há quatro anos que a população de Cabo Delgado é vítima de violentos ataques, que causaram mais de 2500 mortos e 700 mil deslocados internos, numa catástrofe humanitária sem precedentes na região.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This