Parceria entre EUA e Áustria

Mais de 400 peças musicais proibidas pelos nazis vão ser publicadas

| 31 Out 2022

orquestra em concerto foto pixabay

As obras musicais, na sua maioria de compositores judeus, serão trazidas a público pela primeira vez em apresentações e gravações. Foto © Pixabay.

 

São mais de 300 canções, 100 peças de música de câmara, 50 obras orquestrais, e também partituras de temas para teatro e cinema que virão finalmente a público, graças a uma parceria entre a editora americana de música clássica G. Schirmer, Inc. (pertencente ao Wise Music Group) e o Centro Exilarte para a Música Proibida, sedeado em Viena (Áustria), avança o jornal Jewish News.

“Os nazis queriam um mundo em que a música de compositores judeus fosse banida e esquecida. É, portanto, nossa obrigação contrariar essas políticas, resgatando do esquecimento a música de compositores exilados. Esta cooperação é de valor incrível para as gerações futuras”, defende Gerold Gruber, fundador do Centro Exilarte.

A editora G. Schirmer dará apoio financeiro contínuo ao Exilarte, o principal centro mundial de restauro, preservação e publicação de compositores banidos pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial, e assegurará a publicação da música restaurada.

“O acordo entre o Exilarte e a G. Schirmer garantirá que esses compositores que foram silenciados durante a Segunda Guerra Mundial não sejam esquecidos, os seus legados restaurados e as suas obras musicais trazidas ao público pela primeira vez em apresentações e gravações”, destacou por seu lado Robert Thompson, presidente da G. Schirmer/Wise Music.

O Centro Exilarte foi fundado em 2006 como uma associação para tratar da preservação da música que havia sido suprimida pelo regime nazi – em grande parte escrita por compositores judeus que foram alvo das políticas antissemitas genocidas do Terceiro Reich. Com sede no campus histórico da Universidade de Música e Artes Cénicas de Viena, tornou-se um centro de pesquisa e arquivo totalmente credenciado em 2016.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This