Em carta aberta

Mais de 80 personalidades portuguesas pedem ao governo da Nicarágua que respeite a liberdade religiosa

| 30 Ago 2022

nicaragua bandeira foto c derek brumby

A recente escalada na tensão com a Igreja Católica “representa um caso de perseguição religiosa e atentado aos direitos humanos” na Nicarágua, afirmam os signatários. Foto © Derek Brumby.

 

Um grupo de 85 personalidades portuguesas, das mais diversas áreas de atuação, enviou esta segunda-feira, 29, uma carta aberta ao cônsul honorário da Nicarágua em Lisboa, onde apela ao governo daquele país para que “faça um caminho para o retorno rápido à democracia plena, ao estado de Direito, ao respeito pelos direitos humanos, e à liberdade nas suas várias expressões, incluindo a de expressão e religiosa”.

Na missiva, os signatários começam por referir que têm acompanhado “com tristeza e preocupação, pela comunicação social independente, a evolução da situação na Nicarágua, no que diz respeito à degradação da vida pública e do ambiente político, e em especial à recente escalada na tensão existente com a Igreja Católica que representa um caso de perseguição religiosa e atentado aos direitos humanos”.

São dados como exemplos o encerramento de rádios católicas e as perseguições a crentes, bem como o episódio recente do cerco policial à Cúria da diocese de Matagalpa, com a detenção do seu bispo Rolando Alvarez e de vários padres e leigos [ver 7MARGENS].

“Tais métodos, por demais conhecidos de todos, não configuram senão uma violação da liberdade e dos direitos humanos que a ninguém favorece, e confirmam a deriva ditatorial da Nicarágua, o que tanto nos entristece”, pode ler-se na mensagem, enviada com conhecimento à embaixadora da Nicarágua em Paris, à Nunciatura Apostólica em Lisboa e à Conferência Episcopal Portuguesa.

Entre os subscritores, incluem-se a escritora Alice Vieira, o economista e ex-ministro das Finanças António Bagão Félix, o presidente da Confederação Portuguesa do Voluntariado e antigo responsável nacional da Cáritas, Eugénio Fonseca, e a presidente da Federação Portuguesa pela Vida, Isilda Pegado.

Todos fazem questão de juntar “a voz à do Secretário-geral da ONU, António Guterres”, e terminam com um apelo veemente “a que o governo da Nicarágua liberte todos os presos” que injustamente se encontrem privados da sua liberdade.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This