Cinema

Mal Viver/Viver Mal – O amor nos seus labirintos

| 3 Jun 2023

Cartaz do filme Mal Viver/Viver Mal

 

“Sou eu que acho: as mães, por muito bem que tentem fazer, acabam sempre por asfixiar os filhos e, mais ainda, as filhas. As avós dão cabo da vida das filhas e as filhas acabam por dar cabo da vida das netas, num ciclo imparável. É uma minha ideia.”

Começo assim, de chofre, com estas palavras impiedosas de João Canijo a propósito do seu filme-díptico Mal Viver/Viver Mal, transcritas na Revista do jornal Expresso, de 05 de maio de 2023. Digo já que se trata de um filme magnífico, para mim, mesmo sublime. Não apenas pelo retrato cruel que faz daquela família (repetido em muitas famílias), mas também pelo lugar e pela maneira de ser filmado.

Todos os mal-entendidos, ditos e não ditos, toda a cacofonia e sobreposição das conversas, todos os silêncios, todos os desencontros e desconfianças, estão magnificamente sublinhados naquele belíssimo jogo de transparências e espelhos, de planos sobrepostos, de interior e exterior, naquele jogo permanente da luz e das sombras.

Mas vamos ao centro do(s) filme(s), resumido também no podcast do Expresso PBX – uma conversa de Inês Meneses com Pedro Mexia (11.05.2023): “Retrato cru de uma família que nunca conheceu o amor.” Aí se diz, falando do(s) filme(s) que “todas as relações amorosas e familiares são horríveis”, “que quase todas as pessoas são desagradáveis umas para as outras”, que “é um cinema sem ilusões sobre as pessoas, pessoas que se detestam, que nunca aprenderam a amar-se, que vivem de forma agreste as suas paixões e relações, familiares e amorosas”.

Tudo se passa num hotel – o Hotel Parque do Rio, em Ofir, uma “personagem” fundamental – e à volta da família dona do hotel e das famílias dos clientes, já habituais. E a câmara, que tudo vê e tudo ouve silenciosamente – o silêncio é propositado e precioso ao longo do filme, com um ritmo lento e largo – vai-nos dando a ver toda a vida que acontece nos diferentes lugares do hotel e em momentos do dia e da noite. É um labirinto: de emoções, de mentiras, de ressentimentos, de invejas, de ódios, de desgostos, de agressões… Todos atirados uns contra os outros, melhor, umas contra as outras. De facto, o primeiro filme, Mal Viver, é um filme de mulheres. Não há nenhum homem naquela família e a personagem que faz desencadear toda a acção e fatalismo – Salomé, filha de Piedade, neta de Sara e sobrinha de Raquel – regressa precisamente porque o pai morreu.

Cada um dos filmes do díptico é diferente (vale a pena notar a maneira diferente de filmar), e até será possível ver um sem o outro, mas ficaria um retrato muito incompleto e muitas coisas não explicitadas. Mal Viver é mais pesado, Viver Mal é mais divertido, amargamente divertido, porque igualmente cruel.

“Na vida familiar, não pode reinar a lógica do domínio de uns sobre os outros, nem a competição para ver quem é mais inteligente ou poderoso, porque esta lógica acaba com o amor”, escreve o Papa Francisco na exortação Amoris laetitia (Alegria do Amor, 98). Mas é tão longo e difícil o caminho do amor…

 

Título: Mal viver
Género: Drama
Ano: 2023
Realização: João Canijo
Elenco: Rita Blanco, Beatriz Batarda, Cleia Almeida, Anabela Moreira, Madalena Almeida e Vera Barreto
País: Portugal
Duração: 127
Classificação etária: M/14

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar). Este texto foi publicado originalmente na revista Mensageiro de Santo António.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This