Manifestantes voltam às ruas do Haiti pela saída do Presidente Moise

| 15 Fev 2021

Haiti. protesto. manifestação

Protestos no Haiti (nesta foto, manifestação em Fevereiro de 2019): “Desde 2019 o Haiti está à beira do abismo e o que aconteceu era esperado”. Foto Voice of America/Wikimedia Commons

 

“Todos esperavam esta situação tensa”, comentou ao Vatican News a missionária de origem italiana, Maddalena Boschetti, na sequência dos confrontos havidos durante as manifestações do domingo passado, 14 de fevereiro, que levaram milhares de haitianos às ruas da capital Port-au-Prince. Além da polícia, também grupos civis armados dispararam sobre os manifestantes, matando uma pessoa e fazendo um número indeterminado de feridos.

Os protestos têm vindo a crescer desde que o Presidente Jovenel Moise declarou a 7 de fevereiro que ficaria no poder mais um ano. Esta interpretação da Constituição é contestada por diversos juristas, constitucionalistas e pelas forças de oposição que consideram terminado o mandato de Jovenel Moise, o qual governa por decreto desde janeiro do ano passado depois de ter considerado dissolvido o Parlamento. Vários Estados americanos já apelaram à realização de eleições.

“O povo suspeita”, explica a irmã Boscchetti, “que as medidas restritivas contra o coronavírus foram impostas pelo Governo presidencial para impedir manifestações de protesto.” A missionária está no país há 18 anos e é a alma da missão Mare-Rouge no noroeste do Haiti, onde se dedica às crianças com deficiências. Para ela, “desde 2019 o Haiti está à beira do abismo e o que aconteceu era esperado”. Os protestos contra o Presidente são também motivados pelo aumento do custo de vida, a escassez de combustível, a carência de alimentos e a crise sanitária provocada pela covid, que já fez mais de 2500 vítimas no país.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This