“Manifesto do Trabalho: Democratizar, Desmercantilizar e Remediar” apresentado virtualmente no dia 26 de Março

| 25 Mar 2021

Minas. Crianças. Trabalho infantil. Congo

Crianças a separar minerais. Lago Malo, próximo de Kolwezi (RDC). Maio 2015. © Amnesty International e Afrewatch

 

Democratizar o trabalho, desmercantilizá-lo e fazer com que remedeie o ambiente é o que propõe um manifesto que tem como primeiras subscritoras as académicas Isabelle Ferreras, Julie Battilana, Dominique Méda.

Subscrito por mais seis mil pessoas, o “Manifesto do Trabalho: Democratizar, Desmercantilizar e Remediar” deu origem a um livro, cuja edição brasileira é apresentada na sexta-feira às 13h de Lisboa (horário de Lisboa) no canal do YouTube da Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

Após a iniciativa, o e-book será disponibilizado de forma gratuita.

Lançado em Maio do ano passado, o manifesto propõe-se aproveitar os ensinamentos da crise mundial de saúde pública. A pandemia veio ensinar que os trabalhadores não podem ser reduzidos a “recursos humanos”, como têm demonstrado, por exemplo, os que trabalham nos supermercados, os que fazem entregas ao domicílio ou os que tratam dos doentes.

Os cuidados de saúde, a atenção e o acompanhamento dos mais vulneráveis são algumas das actividades que devem ser subtraídas às leis do mercado, sem o que, refere o documento, nos arriscamos a um aumento crescente das desigualdades ou, mesmo, a sacrificar os mais fracos e desprotegidos.

O manifesto pretende que os trabalhadores participem nas decisões, reclamando que os seus órgãos representativos tenham direitos semelhantes aos que são exercidos pelos conselhos executivos. A escolha de um CEO, a definição das principais estratégias e a distribuição de lucros são tarefas demasiado importantes para serem apenas da responsabilidade dos accionistas. “Um investimento pessoal de trabalho, isto é, da mente e do corpo, da saúde – da própria vida – deve vir com o direito coletivo de validar ou vetar essas decisões.”

A desmercantilização do trabalho estabelece que determinados sectores sejam protegidos das ditas “leis do livre mercado”, garantindo que todas as pessoas tenham acesso a trabalho e a condições dignas de o efectuar. Recordando que o artigo 23 da Declaração Universal dos Direitos Humanos preconiza que todos os seres humanos tenham direito ao trabalho, o manifesto sugere a criação de uma “Garantia de Emprego”. Ela ofereceria a cada cidadão “a oportunidade de um trabalho digno” e também seria “um vector de propagação de mudanças colectivas em questões sociais e ambientais tão urgentes”.

O documento preconiza ainda que, além de se sujeitarem a rigorosos critérios ambientais, as empresas cumpram condições específicas de governança interna democrática. A transição de um modelo apoiado na degradação do ambiente para outro baseado na sua recuperação e regeneração apenas será bem sucedida se for conduzida por empresas com uma governança vigorosamente democrática. Para isso, as vozes dos que investem a sua força de trabalho devem ter o mesmo impacto nas decisões estratégicas que as dos que investem o capital económico.

O manifesto constata que já se percebeu o que acontece quando o trabalho, o planeta e os lucros se tentam equilibrar no sistema vigente: “O trabalho e o meio ambiente perdem sempre.”

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This