Pastoral da Cultura

Manuel Braga da Cruz distinguido com Prémio Árvore da Vida

| 8 Nov 2022

manuel braga da cruz foto dr_SNPC

“Manuel Braga da Cruz conjugou de forma exemplar a liberdade de espírito com a coerência de princípios na carreira universitária como brilhante investigador e professor”, consideraram os jurados. Foto: Direitos reservados.

 

«As altas qualidades» do «marcante trajeto intelectual» e do «testemunho convicto de humanismo cristão» do professor, investigador e ex-reitor da Universidade Católica Portuguesa Manuel Braga da Cruz valeram-lhe a atribuição do Prémio Árvore da Vida – Padre Manuel Antunes 2022, anunciou esta terça-feira, 8, o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC).

“Com pensamento estruturado desde a inicial formação em Filosofia, Manuel Braga da Cruz conjugou de forma exemplar a liberdade de espírito com a coerência de princípios na carreira universitária como brilhante investigador e professor (desde o Instituto de Ciências Sociais até à Universidade Católica Portuguesa, de que foi Reitor entre 2000 e 2012)”, refere a justificação sumária dos jurados.

O júri teve presente “o excelente trabalho de pesquisa e reflexão realizado por Manuel Braga da Cruz nas áreas conexas da Sociologia e da Ciência Política, bem como nos estudos de História», em particular «sobre os antecedentes e o devir do Estado Novo e as relações entre Igreja e Estado nesse período”, sublinha a nota do SNPC.

Descrevendo-o como “conferencista e articulista de referência”, os jurados destacam, entre as suas inúmeras publicações, “Raízes do Presente e Retratos Contemporâneos”, “Teorias Sociológicas”, “Instituições Políticas e Processos Sociais”, “Política Comparada”, “Sistemas Eleitorais – o debate científico”, “Transições Históricas e Reformas Políticas em Portugal”, “A Globalização, Portugal e a Europa”, “O Sistema Político Português”, “Os Católicos, a Sociedade e o Estado, “Monárquicos e Republicanos no Estado Novo” e “O Estado Novo e a Igreja Católica”.

O júri, que deliberou por unanimidade a 4 de novembro, foi presidido pelo bispo João Lavrador e constituído por Carlos Magno, Guilherme d’Oliveira Martins, José Carlos Seabra Pereira, o padre José Frazão Correia, SJ e Maria Teresa Dias Furtado.

Instituído em 2005, o Prémio Árvore da Vida destaca a excelência de personalidades, percursos e obras que refletem o humanismo e a experiência cristã no mundo contemporâneo, tendo já galardoado o teólogo João Manuel Duque, o poeta Fernando Echevarría, o cientista Luís Archer, o cineasta Manoel de Oliveira, entre outros.

A data e local do ato de entrega desta 18.ª edição do Prémio Árvore da Vida – Padre Manuel Antunes, constituído pela escultura “Árvore da Vida”, de Alberto Carneiro, e 2 500 euros (verba patrocinada pela Fundação Ilídio Pinho), “serão anunciados oportunamente”.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This