Manuela quê? – Breve carta aberta aos bispos portugueses

| 14 Out 19

Maria. Manel. Silva. Nomes portugueses simples e comuns, talvez por isso esquecíveis. Neste caso, trata-se de Maria Manuela Silva, aparentemente também esquecida por alguns que a deveriam ter como luz.

A sua morte é uma oportunidade de revisitar a sua vida, tão longa e rica na busca pelo fim das desigualdades. Cada um de nós – portugueses simples e comuns – possivelmente só sabe um conjunto de fragmentos desse percurso que marcou tanta gente durante várias gerações. Amigos mais próximos e mais velhos saberão muito mais.

Do fragmento que me coube, sei que a Manuela Silva foi uma mulher e uma cristã notabilíssima, de uma incomum fidelidade ao Evangelho, aliando uma espiritualidade à acção pessoal e profissional. Ao seu nome associamos automaticamente a luta pela erradicação da pobreza, a economia social e a defesa dos fracos. Não sei se é teologicamente certo dizê-lo, mas julgo que Nosso Senhor estará feliz e orgulhoso desta sua filha.

Aparentemente, o mesmo não se passa com a Igreja portuguesa. Na missa de corpo presente, tivemos o PR e um ex-presidente, ex-ministros, personalidades diversas, colegas, amigos e conhecidos. Mas nem um bispo. Onde deveriam estar muitos não estava nenhum. O patriarca de Lisboa, impedido, fez-se representar pelo “oficial de dia” à diocese, enquanto um padre com um bizarro desempenho de funcionário do culto nem sabia o nome da Manuela Silva. Salvou-nos o nosso querido padre Janela e o leigo Paulo Fontes, este último falando de impulso com emoção e clarividência – e abrindo a porta a que outros pudessem expressar -, dizendo o que faltava: que gostávamos da Manuela Silva, que estamos comovidamente agradecidos por tê-la conhecido, e que o seu imenso testemunho nos interpela a sermos melhores e que o seu trabalho perdura.

Quando soube da morte da Manuela Silva fiquei envergonhado. Talvez nunca lhe tenha agradecido o que fez por mim no princípio da minha carreira e nem sabia que a sua doença a tinha voltado a ameaçar. Na minha página do Facebook (típico dos nosso dias) tentei mitigar a culpa. Uma das coisas que escrevi e que com ela aprendi – disse-o ela numa conferência em 2006 – foi que a procura da santidade não é para todos e já seria muitíssimo tentarmos ser todos os dias fiéis ao evangelho. Pois bem, tida essa lição, vê-se agora – para mim com clareza – que a Manuela Silva não era exactamente fiel ao Evangelho, era bem mais que isso!

É extraordinário que, na despedida da Manuela Silva, perante tal figura que reunia o espírito metódico da ciência com a fé profunda e inabalável em Deus, uma carreira profissional de mérito e um activismo social com uma espiritualidade tão vivida, a conferência episcopal se tenha feito representar por um padre e não por bispos, e que, na diocese onde vivia, nem um dos quatro bispos tenha tido o discernimento de estar presente. Será que, como o vigário, a desconheceriam?

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco