Manuela Silva: um olhar inteiro, justo e solidário sobre a Terra inteira

| 8 Out 19

Manuela Silva em Julho de 2012, quando completou 80 anos. Foto © Maria do Céu Tostão

 

Esperávamos a sua partida, mas acreditávamos que talvez fosse possível ainda continuar connosco. A Manuela Silva iniciou segunda-feira (7 de outubro) uma grande viagem e deixou-nos. Hoje, já são muitas as notícias e os testemunhos sobre quem foi e como foram envolvidos aqueles que tiveram o privilégio de com ela privar. Já não há muito para dizer, ou talvez esteja ainda tudo para dizer, porque importa que tudo continue a ser dito.

Não é verdade que a Manuela tenha iniciado uma outra grande viagem. Mudou de meio de transporte, mas apenas está continuando a viagem que vinha fazendo através da Terra inteira e com os seus múltiplos companheiros de percurso.

Quando alguém que nos é próximo de repente o deixa de o ser fisicamente, costumamos dizer: “Oxalá a sua memória permaneça entre nós”, como que a querer apanhá-la para guardar lá em casa numa caixinha bonitinha. Com a Manuela, não é preciso clamar pela memória; ela não é apropriável, nem susceptível de ser fechada num qualquer cofre.

Ela está entre nós (connosco), quer queiramos, quer não. E é assim, porque tal é uma consequência da abrangência do seu modo de estar e interpretar o mundo, a natureza, os homens e as mulheres, da sua personalidade forte, do rigor do seu empenhamento, da sua capacidade para fazer com os outros e da afetividade que transmitia aos que caminhavam com ela.

O título que encima este pequeno texto “um olhar inteiro, justo e solidário sobre a Terra inteira” é isso mesmo que pretende transmitir. O seu olhar não se pode meter dentro de gavetas, do género: fez isto, aquilo e aqueloutro. Era, é, um olhar inteiro, estando nele todos e cada um dos homens e mulheres, toda a Terra que nos foi doada e sobre a qual deveríamos ter como único critério de ação fazê-la maior, para que os que cá estamos e os que hão de vir sejam mais felizes, mais justos e mais solidários, cada um e uns com os outros.

Já perceberam que não pretendo trazer aqui uma nota biográfica que não acrescentaria nada ao que tem vindo a ser feito durante o dia de hoje. A Manuela tem vindo a ser referida, e bem, como a economista, a professora, a cidadã empenhada com as questões sociais e a pobreza. É verdade, mas não é tudo. Diria antes: a Manuela é uma cidadã do mundo de que todos esses empenhamentos são uma componente, mas não são todas as suas componentes.

Talvez não devesse acrescentar mais nada, porque não sei usar as palavras com a mestria suficiente para poder enobrecer quem é a Manuela. Talvez referir como que sinalizações da sua permanência connosco: a aluna brilhante, o seu empenhamento no Ministério dos Assuntos Sociais, o desenvolvimento comunitário, a educação, a militância em prol da justiça, da paz e da solidariedade, a natureza, a sustentabilidade, a animação do Grupo Economia e Sociedade, a Fundação Betânia e a busca do sentido da vida e do ser de cada um, o desenvolvimento da rede Cuidar da Casa Comum e todos os seus escritos que constituem água que brota da fonte que não seca.

A Manuela era uma força da natureza, como se costuma dizer, o que quer que isto signifique. Deixo-vos com dois episódios em que ela foi protagonista. Como aluna brilhante, quando terminou o curso, o diretor do então ISCEF-Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (uma prestigiada figura pública e ministro de Salazar) chamou-a e disse-lhe qualquer coisa como o seguinte: “Olhe, Manuela, nós queríamos contratá-la como assistente, mas como sabe temos uma dificuldade; é que a disciplina que é necessário manter nas aulas não é compatível com o termos senhoras como assistentes e, por isso, eu convido-a a ficar como responsável da animação da sala das alunas.” A Manuela arregalou os olhos, agradeceu e saiu pela porta fora.

O segundo, muito recente, passou-se comigo. Um dia telefonei-lhe para saber como estava. Disse que estava bem, mas que tinha passado a noite e a manhã a dormir por causa dos comprimidos que tinha tomado e que apesar de já estar a começar a ter dores, de novo, não podia continuar a tomar os comprimidos, porque senão ficava sem forças para fazer muitas das coisas que tinha que fazer.

Vejam a fibra!

 

Manuel Brandão Alves é economista e professor jubilado do Instituto Superior de Economia e Gestão

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco