Mãos à obra (2) – Cidadania Lab: Laboratório cidadão de aprendizagem coletiva

e | 18 Mar 2021

“Equipa Cidadania Lab, constituída por 16 cidadãos e cidadãs, todos voluntários, tem atravessado a pandemia sempre a trabalhar remotamente.”

 

Aveiro tem sido um terreno fértil para a cidadania, muito por culpa de uma rede densa e ativa de cidadãos próximos do tecido associativo, empresarial e da universidade, sem esquecer a adesão crescente das instituições locais a estas novas práticas, sobretudo as IPSS. Os projetos de cidadania sucedem-se ao longo dos anos [Vivacidade (2015), Vivobairro (2016), Aveiro Soup (2017), Lab Cívico de Santiago (2019) e, ultimamente, os Vizinhos de Aveiro (2020) e o Cidadania Lab (2021)] com linhas de continuidade, seja pelas pessoas envolvidas, seja pelas causas que as motivam.

Aproveitando a abertura do Orçamento Participativo com Ação Direta 2020 (OPAD 2020) por parte do município de Aveiro, vários elementos do coletivo Vizinhos de Aveiro (VA) juntaram-se e submeteram a proposta de um laboratório cívico municipal, um espaço de diálogo e aprendizagem coletiva, de participação dos cidadãos na vida da comunidade e nas decisões políticas, de experimentação de soluções para problemas e necessidades que identificam na comunidade. Paralelamente, organizaram com o município um ciclo de sessões de esclarecimento e de explicação das propostas concorrentes ao OPAD.

O Cidadania Lab foi um dos sete projetos vencedores e, a 9 de outubro de 2020, iniciou oficialmente a sua atividade. Apesar dos constrangimentos decorrentes da pandemia e das sucessivas medidas de contingência aprovadas, assim como dos processos burocráticos de contratação das entidades prestadoras de serviços pela autarquia, a equipa do Cidadania Lab, constituída por 16 cidadãos e cidadãs, todos voluntários, tem atravessado a pandemia sempre a trabalhar remotamente.

Em novembro passado, foi lançado o #COLABORA, a primeira atividade do laboratório, criada para aproximar as organizações sociais de Aveiro e para potenciar a colaboração entre estas e a criação de respostas conjuntas. Esta iniciativa online, que contou com a participação de 18 representantes de diferentes entidades e da vereadora da Ação Social do município, foi antecedida por um trabalho de recolha de dados sobre problemas, necessidades e recursos das organizações, partilhados no encontro geral e no workshop do encontro. No pós-reunião, foi elaborado um relatório para os participantes e comunidade em geral a dar conta do modelo, da experiência e dos principais resultados.

“Em novembro passado, foi lançado o #COLABORA, a primeira atividade do laboratório”

 

Com o objetivo de aprenderem, criarem pontes e potenciarem o trabalho de facilitação da participação cidadã, a equipa do laboratório criou, ainda em dezembro de 2020, o projeto Encontros entre Iniciativas Cívicas. São já oito o número de eventos que têm ligado a equipa do Cidadania Lab a outras equipas de iniciativas centradas nos cidadãos, dentro e fora de portas, até agora, em Lisboa, Lima, Madrid, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Bruxelas e Patagónia. Fevereiro e março serão meses de preparação dos diferentes ciclos de eventos participativos, abertos a todos os cidadãos. O primeiro ciclo terá quatro sessões, em formato digital, dedicadas a quatro grupos com as freguesias de Aveiro e decorrerá em abril.

A par do Cidadania Lab, mantém-se a dinamização do grupo cívico Vizinhos de Aveiro (VA), o qual será objeto de um próximo texto, e onde a entreajuda e a solidariedade ganham espaço, assim como o voluntariado e os laços de vizinhança.

A continuidade destas iniciativas depende da boa vontade e espírito de solidariedade. Nesse sentido, deixamos um apelo a todos: venham participar ativamente nas atividades do Cidadania Lab, em abril, maio e junho próximos, e convidem vizinhos, colegas e amigos a pensarem colaborativamente respostas aos problemas que enfrentamos na nossa comunidade. (cidadania.lab@gmail.com )

 

Alexandra Ataíde é doutoranda em Educação, Psicologia de Educação, na Universidade de Aveiro (UA). Tem integrado projetos de desenvolvimento social, incluindo alguns dos referidos no início.

José Carlos Mota é professor auxiliar do Departamento de Ciências Sociais, Políticas e Territoriais da UA e investigador da Unidade de Investigação em Governação, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP). Tem dinamizado iniciativas cívicas em prol das cidades e da cidadania, entre as quais algumas das referidas no início.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This