Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

| 10 Ago 2022

Imagem de arquivo de voluntários a ajudarem refugiados que atingiram a ilha de Lesbos, na região do Egeu do Norte, na Grécia. Foto © UNICEF/Ashley Gilbertson.

Imagem de arquivo de voluntários a ajudarem refugiados que atingiram a ilha de Lesbos, na região do Egeu do Norte, na Grécia. Foto © UNICEF/Ashley Gilbertson.

 

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a agência de refugiados da ONU (ACNUR).

“Notícias muito tristes do mar Egeu: dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter afundado na ilha de Rodes nesta manhã (quarta-feira)”, divulgou o gabinete da ACNUR na Grécia num tweet, citado pelos serviços noticiosos das Nações Unidas.

A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de zarpar de Antália, localizada na costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso”, disse a ACNUR.

Segundo as primeiras notícias, a Guarda Costeira grega disse que, numa operação aérea e marítima, foram resgatadas 29 pessoas com vida, todos homens, das águas entre Rodes e Creta — Cárpatos situa-se entre estas duas ilhas.

De acordo com as autoridades gregas, os resgatados são originários do Afeganistão, Iraque e Irão.

Um assessor de imprensa da Guarda Costeira grega explicou que, segundo os resgatados, a bordo estariam cerca de 80 pessoas — o que aponta para 50 indivíduos que ainda estão desaparecidos. A agência das Nações Unidas confirmou este número de desaparecidos.


Uma rota mortal num mar mortífero

Desde o início do ano, a ACNUR disse que já morreram no mar Mediterrâneo oriental mais de 60 pessoas. As travessias do mar Egeu entre as ilhas gregas e as costas turcas são muitas vezes perigosas — tirando a vida de muitos migrantes e refugiados que viajam em barcos improvisados ​​com a esperança de atingir a Europa.

Desde janeiro, 64 pessoas morreram no Mediterrâneo oriental. Em 2021, foram 111, segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM). O último naufrágio no mar Egeu, ocorrido em 19 de junho, tirou a vida de oito pessoas, junto à costa da ilha de Mykonos, segundo a OIM.

Embora o número de refugiados e migrantes que cruzam o Mediterrâneo para chegar à Europa seja cada vez menor, em relação a 2015, a sua travessia tem-se revelado cada vez mais mortífera. Ao longo do ano passado, a ONU contou 3 231 migrantes e refugiados mortos ou desaparecidos em toda a extensão do mar Mediterrâneo, número que este ano já se situa em 945 pessoas.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This