Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

| 20 Fev 20

“Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: “Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.” O Senhor respondeu-lhe: “Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.”

(Lucas 10, 38-42)

 

O congresso teve lugar em Portugal, com o apoio do Graal e do Lien. O Graal é um Movimento Internacional de Mulheres Cristãs, criado em 1921, pelo padre jesuíta Jaques Van Ginneken, professor na Universidade de Nimegue e um grupo de jovens mulheres cristãs dessa mesma universidade. Está presente em 22 países do mundo: Moçambique e Portugal são alguns deles. O Lien é uma rede transnacional europeia de intercâmbio e conscientização de mulheres profissionais em funções de liderança e chefia, criado, em 1989, por Maria de Lourdes Pintassilgo (Portugal) e Kerstin Jakobson (Suécia). A primeira mulher aqui mencionada foi membro do Graal e primeira-ministra em Portugal. A segunda é também membro do Graal e professora universitária na Suécia.

O Lien dedicou-se, entre outras coisas, a apoiar mulheres acabadas de entrar para o mundo profissional e um dos seus desejos era o de que, embora esse mundo fosse competitivo e masculinizado, as mulheres pudessem fazer dele um lugar “cuidado e humanizado”, um bom lugar para se estar. Com o intuito de disseminar essa intenção para mais jovens e por mais países, realizou-se em 2001, na Praia Grande (Sintra), um congresso mundial para jovens acabadas de se graduar. A convite de Maria de Lourdes Pintassilgo, fiz parte do comité organizador e fui também oradora no evento.

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes. Perguntei à minha avó o motivo pelo qual seriam tão importantes esses nomes, ao que me respondeu: “São nomes com significado bíblico”. E acrescentou: “Aproveita que és alfabetizada e tiveste uma sorte diferente da minha, lê sobre isso…”. Na altura, não o fiz…

Apenas em 2001 é que o assunto ficou esclarecido, quando participei no congresso acima mencionado. De entre os vários temas e subtemas, com um pano de fundo que pretendia estimular a qualidade de vida no trabalho de mulheres no mundo, houve quatro que marcaram a minha vida, a saber: Ser e pertencer; Maria e Marta; Como lidar com as nossa vidas ocupadas; e Como construir relações fortes.

Ao pensar naquele congresso, Maria de Lourdes cumpria com uma das suas grandes preocupações para o futuro: que tipo de jovens deixar para “amanhã”. Era, pelo menos, o que eu sentia da sua parte, nos nossos encontros de preparação do congresso. A tónica que ela dava à questão da pertença de (a) algum lugar (be and belong), que já não devia ser considerado isolado, devido à globalização, foi para mim um estímulo para escolher e apresentar o tema “Expressões simbólicas dos bantus: a huku yi hanya hiku handza”, ie, a galinha vive de esgravatar a terra. Esta segunda parte do título é um provérbio changana, que tirei do livro 601 provérbios changanas, da autoria do padre Armando Ribeiro, C.M. (1989) e, tal como a obra explica, significa: sem trabalho, nada se alcança. O homem deve viver do seu trabalho. “Trabalha e terás, madruga e verás.”

Veio desse congresso a minha abertura para escrever acerca do meu lugar de pertença, na altura coisa rara entre nós. Aliás, as culturas moçambicanas, durante muito tempo, eram escritas por outsiders. Devo, então, ao Graal, que me tem dado força na busca da minha religiosidade e cultura africana, e à Maria de Lourdes, o estímulo para a escrita de um texto nesse sentido – o primeiro, mas que não cheguei a publicar. Lembro-me que a minha abordagem despertou muita atenção das jovens congressistas provenientes de diferentes lugares do mundo. Dei enfoque a tabus e a provérbios, alguns dos quais já mencionados no meu último texto publicado no 7MARGENS.

Uma vez que nele se celebrou Maria de Lourdes Pintassilgo, fica também para ela a minha singela homenagem.

Maria e Marta foi tema de apresentação das participantes que iam do Leste europeu. Leram trechos da Bíblia e apresentaram uma curta peça teatral; pela primeira vez, depois de muitos anos, pude compreender os significados daqueles nomes. E ligado ao congresso, penso que este era um subtema para nos ensinar o modo como podemos gerir o nosso tempo, naquela/nesta era da corrida: “our busy lifes”, as nossas vidas ocupadas, sem colocar em causa a componente humana – relativa ao cuidado connosco mesmas e com as pessoas com as quais convivemos – daí o tema sobre Como construir relações fortes.

Desse modo percebi o que os nomes bíblicos Marta e Maria significavam. Percebi, também, tal como se pretendia com o congresso, que soubéssemos como escolher o que é prioritário nas nossas vidas, como ordenar as nossas tarefas e que sentido dar a elas: sentarmo-nos ao pé de Jesus, como Maria, ou inquietarmo-nos com o acessório, como Marta.

Houve quem tivesse estabelecido uma relação entre o tema Maria e Marta com a leitura de Eclesiastes 3: “Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu (…)”. Hoje, distante desse congresso, vejo que ficou uma grande aprendizagem para a vida: lutar pela cultura do cuidado. Sobretudo, por uma qualidade de vida na qual há um lugar para exercitar o equilíbrio entre cuidar da minha vida espiritual (conhecer melhor a religiosidade dos meus ancestrais) e cuidar e humanizar o lugar no qual esteja a trabalhar. E para além da meritocracia, que tenho a obrigação social de cumprir sendo docente universitária, nunca me faltou a componente de voluntariado que tenho exercido, juntamente com alguns colegas, da minha e de outras universidades, levando o saber científico para fora das portas da Universidade, através das tertúlias itinerantes – conferências nas quais diferentes oradores discutem a interculturalidade, um tema premente hoje.

 

Sara Jona Laisse integra o Movimento Graal e é docente na Universidade Politécnica, em Maputo. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br.

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Suécia: Católicos e Luteranos unidos em primeiro retiro ecuménico online novidade

O bispo católico de Estocolmo e a bispa luterana de Uppsala organizaram um retiro espiritual ecuménico onde poderão participar fiéis de ambas as igrejas. O encontro decorrerá online e tem como objetivo que católicos e luteranos “rezem juntos e mergulhem numa dimensão espiritual num momento que é de stress e preocupação”. De acordo com o Vatican News, a iniciativa de Anders Arborelius e Karin Johannesson (referida pelo portal do Vaticano como “episcopisa”) é “inédita”.

Igreja organiza seminários virtuais sobre proteção de menores novidade

“Por uma Igreja mais segura” é o lema de uma série de webinars dedicados à proteção de menores que se inicia esta sexta-feira, 29 de maio, no site da Pontifícia Universidade Gregoriana. Organizados pela Conferência Internacional de Salvaguarda, os encontros virtuais dirigem-se a todos os profissionais da Igreja ou de instituições a ela ligadas e pretendem ser um contributo para o reforço das boas práticas na área da proteção de menores, em todo o mundo.

Este sábado, católicos rezam terço com o Papa para enfrentar a pandemia novidade

O Papa Francisco vai rezar o terço este sábado, 29 de maio, pelas 16h30 (hora de Portugal), a partir da gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, e a ele estarão unidos santuários marianos de todo o mundo. A oração global, que tem como principal intenção “invocar a intercessão da Virgem para o fim da pandemia”, poderá ser seguida através do Facebook e do Youtube, e contará com comentários em português, anunciou o Vatican News.

Guterres manifesta “profundo reconhecimento” ao Papa Francisco novidade

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou, numa entrevista exclusiva aos meios de comunicação do Vaticano, o seu “profundo reconhecimento ao Papa Francisco” pelo apoio dado ao apelo de cessar-fogo global, mas confessou que, apesar de ter recebido também o apoio de inúmeros governos, instituições, outros líderes religiosos, e até de grupos armados, “a desconfiança continua a ser grande e é difícil traduzir estes compromissos em ações que façam a diferença”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos. A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

É notícia

Entre margens

A Senhora mais brilhante do que o Sol novidade

Quem é afinal Maria de Nazaré, a escolhida por Deus para encarnar a nossa humanidade? Os Evangelhos referem-na poucas vezes. Esse silêncio dá mais espaço à nossa criatividade e até a um certo empossamento da Mãe de Jesus. Em torno da sua figura construímos aquilo a que poderíamos chamar “questões fraturantes” entre cristãos. Mais importante que dogmas e divergências é atendermos à figura de Maria. Quem é que ela é, ou pode ser, para nós?

Evangélicos e Chega: separar as águas novidade

Em todo o debate público levantou-se novamente a questão da identidade evangélica, cuja percepção é complexa até para os próprios evangélicos e sobretudo para a maioria dos portugueses, cuja cultura religiosa é essencialmente católica-romana. Grande parte da percepção pública dos evangélicos deriva dos soundbites brasileiros e norte-americanos, onde há de facto lobbies evangélicos e ultra-conservadores, como a “Bancada Evangélica” ou o “Tea Party”. A isso, acrescenta-se a difusão dos canais de televisão e rádio neopentecostais, o que colabora para a criação de estereótipos sobre os evangélicos no seu todo.

“Fake religion”

Para que uma falsificação faça sentido e seja bem-sucedida tem que juntar pelo menos duas condições. Antes de mais, o artigo a falsificar tem de estar presente no mercado e em segundo lugar tem que representar valor comercial. Ora, o mercado religioso existe e está bem de saúde, para desespero dos neo-ateístas. E de cada vez que surge uma catástrofe, uma guerra ou uma pandemia mortal a tendência geral dos indivíduos é para recorrerem ao discurso religioso, procurando encontrar aí um sentido para o drama que estão a viver, porque o ser humano necessita de encontrar um sentido no que vê e sente acontecer à sua volta.

Cultura e artes

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário novidade

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

O perdão, a maior alegria de Deus

Há experiências cuja reflexão sobre elas exige humildade e coragem: experiências que marcam a nossa história e o nosso quotidiano, e das quais qualquer pensamento pode pecar pela superficialidade ou pelo idealismo. O perdão é uma dessas experiências. É por isso um ato de coragem a proposta – tão breve como significativa! 112 páginas em formato de bolso – do monge italiano Enzo Bianchi.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco