Marie-Hélène Mathieu, 90 anos: um coração transformado diante da diferença

5 Jul 19Cooperação e Solidariedade, Destaques, Igreja Católica, Igrejas Cristãs, Newsletter, Pessoas - homepage, Religiões e Mulheres, Últimas

Marie-Hélène Mathieu. Foto: Direitos reservados

 

Nascida em França, a 4 de Julho de 1929, numa família numerosa – seis irmãos e muitos primos e tios que gostavam de se encontrar –, a infância de Marie-Hélène Mathieu é vivida no campo, em Tournus (na região da Borgonha, não muito longe de Taizé, no sudeste de França). Numa entrevista de há cerca de um ano à Radio Notre Dame, ela contava como a vida no campo a marcou: um dia, aos 5 anos, depois de uma grande trovoada, ela e os irmãos saíram para o campo e, de repente, viu um arco-íris de volta inteira e ficou fascinada. Perguntou o que era aquilo e os irmãos mais velhos contaram a história de Noé e da promessa de Deus de nunca mais enviar o dilúvio. Isso tocou-a profundamente e despertou uma enorme confiança num Deus que faz maravilhas e em quem se pode confiar.

Outro episódio que marcou a sua vida foi o seu encontro com Alice. Quando tinha 11 anos, na escola havia uma jovem com deficiência de 17/18 anos, de quem todos faziam troça: estava sempre na última carteira, tinha um ar estranho e não reagia muito ao que se passava à sua volta. Um dia que a humilhação foi mais agressiva, Marie-Hélène olhou para trás e viu que Alice estava a chorar. Era a primeira vez que Marie-Hélène se dava conta de que aquela jovem estranha tinha sentimentos. Ficou impressionada. Gostava de a poder consolar mas sentia-se totalmente impotente. Nunca tinha falado com ela e não sabia como entrar em diálogo. Pensou para si que, quando crescesse, gostaria de aprender a consolar pessoas como a Alice.

 

“A culpa é de nós todos, que os deixámos sós”

Marie-Hélène Mathieu estudou e formou-se como educadora especializada. Contactava com pais de crianças com deficiências graves e recorda um caso preciso em que os pais estavam em enorme sofrimento. Os médicos tinham-lhes dito: “Não há nada a fazer. Ponham-no numa casa onde o tratem e façam outro filho.” Ela sentiu esta afirmação como um desafio terrível: de não deixar os pais sozinhos com as suas dificuldades reais. Em 1962, houve um célebre processo em Liège (Bélgica), em que, com a ajuda de um médico, uns pais mataram a sua filha que tinha nascido com uma deficiência. Foram condenados num tribunal de primeira instância mas, depois do recurso, foram ilibados e mesmo aclamados. A violência do acontecimento provocou um grande choque nas sociedades belga e francesa. Marie-Hélène sentiu fortemente: “Não são eles que têm a culpa – somos nós todos, que os deixámos sós!”

É neste quadro que, em 1963, Marie-Hélène cria o OCH – Serviço Cristão para as Pessoas com Deficiência. Neste serviço recebe os pais que procuram respostas para os seus filhos mas que, sobretudo, precisam de ser escutados. Cria um serviço de escuta e aconselhamento em Paris e em Lourdes.

Inicia um ciclo designado Conferências/Encontros e, com a participação de alguns pais, cria a revista Ombres et Lumière (“Sombras e Luz”) em 1968. É a escuta dos pais, que se sentem socialmente excluídos por causa dos seus filhos diferentes, que motiva Marie-Hélène a agir. Dá-lhes voz através da revista que consegue chegar a muitas pessoas mesmo sem ligação directa às questões da deficiência.

Profundamente cristã, enraizada na Igreja Católica, ela considera um escândalo o desprezo e o desinvestimento nos mais pequeninos. Refere sempre citando Jesus no Evangelho: “O que fizeres ao mais pequenino, é a Mim que o fazes”.

Da dinâmica do OCH nascem várias iniciativas:

Em 1971 funda com Jean Vanier o Movimento Fé e Luz, que nasce da escuta de um casal com dois filhos com deficiências graves que pretendia ir a Lourdes integrado na peregrinação diocesana, mas a quem é dito que os meninos não podiam ir, porque iriam incomodar toda a gente e não perceberiam nada do que se passaria. O casal foi pelos seus próprios meios mas, em Lourdes, sentiu que os seus filhos não eram bem-vindos.

Profundamente escandalizada com a situação, Marie-Hélène fala com Jean Vanier com quem colaborava regularmente no âmbito da Arca. Com os pais da criança, surge a ideia de organizar uma grande peregrinação para famílias com filhos com deficiência. Propõe-se uma preparação de três anos em pequenas comunidades de famílias, seus filhos com deficiência e jovens amigos. Os encontros mensais seriam de celebração, amizade e oração.

Na Páscoa de 1971 realiza-se a peregrinação em ambiente de grande festa e alegria e os participantes dizem que não querem ficar por ali: querem continuar a encontrar-se e aprofundar a experiência que ali viveram. Jean Vanier responde-lhes que façam o que o Espírito Santo lhes inspirar e o Movimento nasce.

O Movimento nasceu logo internacional e ecuménico. Na peregrinação fundadora participam 12 mil pessoas idas de 15 países. Hoje em dia, o Fé e Luz está presente em 86 países, conta com 1420 comunidades repartidas em 53 províncias nos cinco continentes, com 38 línguas diferentes.

Jean Vanier, con-fundador do Fé e Luz, com Marie-Hélène Mathieu. Foto © Filipe Teixeira

 

“Quando nos aproximamos da pessoa, transforma-se o nosso coração”

Marie-Hélène afirma: a rejeição diante de uma pessoa muito diferente é normal, mas sempre que aceitamos aproximar-nos dela, transforma-se o nosso coração. É este o testemunho dos jovens que fazem parte das comunidades Fé e Luz.

Das iniciativas que desenvolve em torno da revista e das Conferências/Encontros nasce em 1982 um Movimento para as famílias com pessoas com doença mental. Chamou-lhe Relais d’Amitié et prière[1], actualmente designado Relais Amitié Esperance[2]. É, mais uma vez, Marie-Hélène que suscita o encontro das pessoas que vivem a problemática, sempre à luz da esperança que vem do amor que Deus tem por aqueles pequeninos, em relação aos quais não é óbvio nem directo que se descubra a beleza escondida e o sentido das suas vidas. A partilha e a oração em grupo ajuda. Há grupos deste movimento por toda a França.

No fim dos anos 1990, após a publicação de um estudo sobre as sequelas dos traumatismos cranianos, Marie-Hélène promove um encontro das famílias e outros interessados. Nasce a Associação Simon de Cyrene (Simão de Cirene), actualmente Federação, que instala e anima casas partilhadas de pequena dimensão, nos centros das cidades, onde vivem pessoas sem deficiência junto com outras que adquiriram deficiências durante as suas vidas, por acidentes,  AVCs ou outras etiologias. O funcionamento dos lares é inspirado nos da Arca, fundada por Jean Vanier e o seu lema é: Juntos, demos um novo sentido às nossas vidas. Está em franca expansão em França.

Marie-Hélène não teve nenhum familiar com deficiência mas entregou e continua a entregar a sua vida a tentar revelar a todos e em especial às Igrejas cristãs, onde tem as suas raízes, que estas pessoas são uma pedra angular das sociedades e da Igreja; que pertencem à comunidade e devem viver no meio de todos, porque tornam quem vive à sua volta pessoas mais ricas e mais humanas.

Uma nota pessoal: conheci Marie-Hélène no início dos anos 1990, por ter recorrido ao OCH quando procurava com a família, em Paris, apoio para o meu filho com deficiência, durante o tempo que o meu marido estaria lá a trabalhar, com uma bolsa. Acolheu-me com muito carinho e deu-me informações muito precisas. Acabei por perceber que esse projecto não se podia concretizar. Em 1996, voltei a encontrá-la num retiro orientado por Jean Vanier no Porto.

A direcção do Movimento reuniu no Porto por essa ocasião. Reconheceu-me logo e lembrava-se do meu nome, o que me impressionou muito. Nessa altura, eu estava já envolvida na Comunidade de Évora, do movimento Fé e Luz.

Obrigada, querida Marie-Hèlène, e muitos parabéns, neste 4 de Julho, pelos 90 anos de que todos beneficiamos tanto!

Notas

[1]Relais tem o sentido de uma paragem para descanso, numa longa viagem stressante; proponho traduzir por “Paragem” de Amizade e Oração – uma luz na noite”.

[2]“Paragem Amizade Esperança – uma luz na noite”

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Carlos Farinha Rodrigues destaca importância da “economia de Francisco” novidade

A mensagem do Papa sobre a economia assenta no “combate às desigualdades e exclusão social”, na “dignidade do trabalho” e nas “preocupações com a casa comum”, diz o economista Carlos Farinha Rodrigues, em declarações à Ecclesia, a propósito de um debate sobre o encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá no próximo ano.

Duches para crianças pobres de Roma com apoio do Papa novidade

A Esmolaria Apostólica, que coordena as iniciativas caritativas do Papa, irá apoiar um projeto de banhos solidários para crianças pobres de Roma, já a partir desta quinta-feira, 19 de setembro. A iniciativa surge da associação italiana de médicos voluntários, a ‘Medicina Solidária’. “Estamos em guerra contra a pobreza”, afirma Lucia Ercoli, médica e presidente da associação, que gere seis consultórios itinerantes, também com o apoio da Esmolaria Apostólica.

John Kerry quer políticos a acelerar combate à emergência climática

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quer uma mobilização global dos governantes para acelerar o combate às alterações climáticas. Durante o encontro “O Futuro do Planeta”, organizado em Lisboa pelas Fundações Oceano Azul e Francisco Manuel dos Santos, o antigo candidato à presidência dos Estados Unidos afirmou que os governos mundiais têm atuado de forma irresponsável no cumprimento do Acordo de Paris, de 2015.

Bispos sul-africanos querem proteger mulheres contra homicídios

Os bispos católicos da África do Sul aconselham o Governo a agir contra a violência dirigida a mulheres e meninas, após uma série de mortes e violações que causaram revolta no país, que tem um dos maiores índices de homicídios do mundo: 3000 mulheres mortas em 2018 e 58 assassinadas diariamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O Brexit dos pobres novidade

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

Cultura e artes

O coração inebriado de Agostinho, na leitura das “Confissões”

No início, logo depois da primeira peça musical de Rão Kyao, um dos actores declamará: “Quem me fará repousar em ti? Quem fará com que venhas ao meu coração e o inebries para eu esquecer os meus males e te abraçar a ti, meu único bem?” No dia que a liturgia católica dedica a Agostinho de Hipona, 28 de Agosto, no antigo convento de Santo Agostinho, hoje transformado em Museu de Leiria, o Teatro Maizum produz, a partir das 22h, uma leitura encenada das “Confissões”.

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Set
20
Sex
“Um milagre todos os dias” – projecção de filme e debate @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Set 20@11:15_13:00

O filme, estreado em 2018, foi realizado por Henrique Manuel Pereira e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica. Destaca a vida do Lar das Irmãzinhas dos Pobres, do Pinheiro Manso, inclui mais de três dezenas de depoimentos de residentes, funcionários, religiosas, voluntários e benfeitores.

“Com manifestações de humor e de solidão, de força e de fragilidade, de abnegada dedicação e criativo serviço, tendo por horizonte a ‘última estação da vida’, o filme configura um retrato realista do pulsar da vida daquela que é uma das instituições mais apreciadas e estimadas da cidade do Porto”, lê-se na sinopse.

A projecção será seguida por um debate com a participação do realizador, José Leitão (Centro de Reflexão Cristã), e João Eleutério, professor da Faculdade de Teologia.

Set
21
Sáb
Visitas guiadas ao Convento e Igreja de São Domingos, em Lisboa @ Convento de São Domingos
Set 21@10:00_12:00

As visitas serão acompanhadas pelo arquitecto João Alves da Cunha; haverá duas visitas: às 10h e 11h.

Encontro Também Somos Terra @ Casa de Espiritualidade do Linhó (Irmãs Doroteias)
Set 21@11:00_18:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco