Académico e político italiano

Mario Mauro é o novo enviado da UE para a liberdade religiosa

| 26 Jul 2022

mario mauro foto wikimedia commons Kseniya11111

Mario Mauro é professor universitário de História, tendo sido ministro da defesa do governo de Itália, senador e fundador, em 2013, do partido cristão democratico “Popolari per l’Italia”, e deputado ao Parlamento Europeu. Foto © Kseniya11111/Wikimedia commons.

 

O académico e político italiano Mario Mauro acaba de ser designado enviado especial da União Europeia (UE) para a liberdade de religião e de crença.

Mario Mauro é professor universitário de História, tendo sido ministro da defesa do governo de Itália, senador e fundador, em 2013, do partido cristão democratico “Popolari per l’Italia”. Entre 1999 e 2013, foi deputado ao Parlamento Europeu, areópago em que defendeu em diferentes ocasiões a liberdade religiosa e de crença (FORB, acrónimo do inglês Freedom of Religion and Belief).

Enquanto enviado especial da UE, Mauro será responsável por prevenir a discriminação, promover a paz e o diálogo inter-religioso e iniciativas que contribuam para reduzir a radicalização em países fora da UE.

Professando a religião católica e tendo estado ligado ao movimento Comunhão e Libertação, Mauro sucede no cargo ao grego Christos Stylianides que exerceu funções apenas cinco meses. O enviado grego, por sua vez, havia sido nomeado em maio de 2021, depois de 18 meses em que o lugar esteve vago, gerando protestos de grupos de direitos humanos e da Aliança Evangélica Europeia.

Esta instabilidade, num cargo que foi inaugurado em 2016, demonstra o escasso investimento que as políticas europeias têm dedicado a esta função, nomeadamente em termos de afetação de recursos.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This